Conheça Mais

A apologética, uma tarefa ingrata

Complexidade do problema

Ocorre algo bem curioso quando o assunto são as seitas: todos reconhecem a gravidade do problema, porém, poucos se decidem a enfrentá-lo seriamente.

Por quê? “Não sabemos por onde começar” – confessam alguns com toda a franqueza. “Finalmente encontramos alguém que nos apresenta objetivos claros a respeito, com estratégias bem concretas”, dizia-me mons. Castrillón, ex-presidente da CELAM. A complexidade do problema é o primeiro obstáculo, que impede a muitos enfrentar o problema.

 

Ecumenismo mal-compreendido

Outro obstáculo: um ecumenismo mal-compreendido. Ao querer enfrentar seriamente o problema das seitas, alguns temem opor obstáculos para o processo ecumênico já em andamento e com boas perspectivas para o futuro… É que não se tem entendido que o ecumenismo não tem nada a ver com as seitas, vorazmente proselitistas. Enquanto o ecumenismo busca a unidade, o proselitismo das seitas visa a divisão. Neste contexto, nossa tarefa tem como meta fortalecer a fé dos católicos, para que não se deixem arrastar pelas manhas e artimanhas das seitas; fazendo isto, estamos seguros de que trabalhamos pela unidade, impedindo que haja maiores divisões.

 

Preguiça

No entanto, esclarecendo isto, aparece a dificuldade da preparação necessária para se trabalhar nesta linha. É preciso conhecer muito a Bíblia, a doutrina católica e as crenças dos mais diversos grupos religiosos. E aí surge a preguiça, que pode até mesmo vir a criar um fenômeno do tipo sectário dentro da própria Igreja: cada um fica no seu grupo, conhece as suas particularidades, vive a fé conforme lhe é ensinado ali e, apenas com isto, sente-se feliz, sem se preocupar com o que ocorre no interior dos demais grupos da mesma Igreja e, muito menos, com o que ocorre nos grupos que estão fora dela. E, para camuflar essa situação de covardia e irracionalidade, passa a falar de “abertura”, “espírito ecumênico” e tantas outras “belas expressões” (que não vêm agora ao caso), até o problema não se tornar “pessoal”, por não poder ajudar a um familiar ou amigo que está aderindo ou já aderiu a uma seita. [Neste caso,] passa, então, a recriminar a hierarquia, por não levar a sério o assunto e não preparar adequadamente os fiéis.

Veja também  Unidade cristã: sem papa, não há esperança

 

Muitos sacrifícios

Evidentemente, não faltam católicos praticantes, que sentem a curiosidade de se aprofundar no problema das seitas, apenas “para conhecê-las”. Porém, o que ocorre? Uma vez satisfeita a curiosidade pessoal, passam a desprezar o assunto. Não querem se “comprometer” a prestar um serviço para a comunidade eclesial nesta matéria específica. É que se trata de uma tarefa ingrata, que exige muitos sacrifícios e oferece poucas satisfações. Não é como trabalhar em outras áreas.

Na verdade, nos movimentos apostólicos normalmente se trabalha com a finalidade de aumentar os próprios membros e, assim, adquirir maior prestígio e poder na comunidade eclesial, além de muitas vezes obter certas vantagens econômicas. Trabalhar na área da defesa da fé, pelo contrário, é trabalhar pela Igreja como tal, auxiliando no que quer que seja, sem qualquer tipo de vínculo posterior que possa trazer algum benefício.

 

Poucos comprometidos

É como semear no mar: [o apologista] esclarece dúvidas, aconselha e resolve problemas etc. e, ao final, continua como antes, com a única satisfação de ter feito retornar ao redil alguma ovelha perdida ou ter levado a paz à alguma alma angustiada. É o que se nota na conclusão de um cursinho para seminaristas, religiosas, leigos comprometidos ou o povo em geral: uma palavra de agradecimento, um vago desejo de que “isto continue” etc. Mas, no momento do compromisso concreto, poucos mesmo levantam a mão… É que têm que dar muito e receber muito pouco em troca.

Quase sempre me perguntam: “Quem sustenta essa atividade?”. Ao escutar a resposta: “Ninguém!”, quase todos gelam. Acham a matéria muito difícil e com poucas perspectivas de futuro. Claro que eles gostariam de participar, desde que fosse atendidas algumas condições: uma remuneração, um carro, um escritório com telefone e fax… Porém, assumir a tarefa sem nenhum recurso, gratis et amore Dei (=de graça e por amor a Deus), carregando uma miserável mochila e pedindo hospedagem em qualquer lugar, parece-lhes um exagero, algo próprio da Idade Média, completamente fora dos parâmetros da Era da Informática.

Veja também  Refutando as razões pelas quais não sou católico romano

Por isso, somos poucos os que se dedicam a esta tarefa. No entanto, nem por isso desanimamos, “jogamos a toalha”, como dizem por aí. Somos poucos, porém, sempre prontos e convencidos do que fazemos. Assim, nem as chacotas (“Aí vêm os inquisidores…”), nem a pobreza, nem a rejeição por parte de alguns irão nos deter. Sabemos perfeitamente o que ocorre e o que pretendemos.

Por outro lado, não faltam (e são muitos) os que vêem nesta tarefa relacionada com o problema das seitas algo “providencial”, necessário e urgente para o bem da Igreja de hoje. Um sacerdote comentava:

“Durante os primeiros séculos da história da Igreja, houve situações difíceis relacionadas com o problema das seitas. No entanto, a Igreja daquele tempo soube enfrentar o problema com audácia e prontidão, o que não ocorre hoje. Por isso, o temos um problema grave. Que bom que alguém se dedicou à tarefa de lutar para preparar os católicos a manterem-se firmes na sua fé e não deixarem-se confundir pelo veneno das seitas”.

Com efeito, dependerá muito de nós se esta atividade terá todo o alcance que precisa para responder realmente às necessidades da Igreja no momento atual. Dependerá de nós saber envolver outras pessoas, formar opinião e despertar o interesse e iniciativas a esse respeito.

Como é fácil perceber, ainda não se entende que para levar adiante esta obra são necessários fundos econômicos. Nem jeito. Usemos mais a inteligência para descobrir métodos sempre mais populares e que impliquem poucos gastos. Talvez a pobreza dos meios que usamos e a pouca capacidade do elemento humano implicado nesta atividade possam ser um sinal a mais para demonstrar que esta obra é realmente uma “obra de Deus”.

Veja também  Pastores americanos deixam o ministério todo mês