Lobos em pele de cordeiro

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

 

Por Bob Stanley


Foi o Próprio Deus, Nosso Senhor, Jesus Cristo, quem nos advertiu no "Sermão da Montanha"- "Guardai-vos dos falso profetas, que vêm a vós vestidos de cordeiros mas por dentro são lobos vorazes". (Mt. 7,15) Estas palavras ecoam através dos séculos para nós Católicos de agora, que estamos tanto quanto, ou até mais, necessitados de tal advertência. O que deveria nos motivar a prestar mais atenção nesta advertência e ter mais cuidado em nossas vidas diárias? O fato de que a pureza e a integridade da fé é um assunto sério. A Fé de uma pessoa pode ser facilmente corrompida.

O Catecismo de Baltimore afirma que: 

"Uma pessoa que nega até mesmo um só artigo de nossa fé não poderia ser um Católico; pois a verdade é uma só e precisamos aceitá-la inteira ou então não aceitar nada". Isto meramente repete o ensinamento de Nosso Senhor conforme escrito por São Tiago: "pois quem guarda os preceitos da lei, mas faltar em um só ponto, tornar-se-á culpado de toda ela." (S. Tiago 2,10) 

São Tomás de Aquino acrescenta: "rejeitar um só artigo ensinado pela Igreja é suficiente para destruir a fé do mesmo jeito que um pecado mortal é suficiente para destruir a caridade..." 

Papa Leão XIII, em sua encíclica "Satis Cognitum", ensina com todas as palavras: "Nada é mais perigoso do que os hereges que, enquanto conservam quase todo o remanescente do ensino da Igreja intacto, corrompem com uma única palavra, como uma gota de veneno, a pureza e a simplicidade da fé que nós recebemos através da tradição tanto de Deus quanto dos Apóstolos". Não somente deveríamos prestar muita atenção ao aviso de Nosso Senhor por causa da FACILIDADE com que a Fé de uma pessoa pode ser corrompida, mas deveríamos também encontrar motivação no fato de que o perigo prevalece hoje em dia mais do que o era na virada do século, 87 anos atrás, quando São Papa Pio X sentiu a necessidade de escrever: 

"Os partidários do erro não devem ser procurados apenas entre os que são abertamente inimigos da Igreja; mas... em seu próprio seio, e estes são mais nocivos por atuarem às escondidas." "A Igreja não tem inimigos piores". Pois eles colocam em operação seus desígnios para a destruição dela não pelo lado de fora, mas por dentro. Assim, o perigo está presente quase nas próprias veias e no coração da Igreja, e o dano é mais certo pelo próprio fato de que o conhecimento que eles têm dela é mais íntimo"."Eles tomam o encargo de professores nos seminários e universidades e, gradualmente ,fazem deles e delas cadeiras de pestilência". Certamente não esperamos encontrar homens vestidos com pele de ovelhas. Não. O que nos é dito para "temer" é aquilo que na superfície soa agradável aos ouvidos; aquilo que parece "positivo" ou "benigno" à primeira vista. Mas por trás de tudo isso está um erro sutil que destrói a Fé. Qual é um dos melhores meios pelos quais um erro contra a fé pode ser ensinado a um Católico e fazer com que ele o aceite facilmente como verdade mesmo se, a princípio, ele questionava a sua novidade. O jeito que foi usado na virada do século foi dizer que "doutrina evolui", ou que "a verdade evolui com o homem". Hoje em dia, entretanto, como a evolução não é geralmente olhada de maneira favorável pelos Católicos, eles vão ao invés disso dizer que temos que perceber que há um "desenvolvimento doutrinal" - esta é a "pele de cordeiro" da qual Nosso Senhor falou.

Qual maneira seria melhor para que falsas doutrinas sejam aceitas pelos fiéis do que clamar que a doutrina só "parece diferente" porque são verdades do tempo antigo que "desenvolveram" e progrediram, ou avançaram! Este é um dos mais incidiosos e traiçoeiros métodos de corrupção da fé de um Católico. A palavra "desenvolvimento" soa benévola ou muito "teológica" aos ouvidos, e pode muito bem pegar as pessoas desprevenidas. É um termo muito geral que tem mais de um significado: tenha cuidado com palavreado ambíguo. O termo tem que ser entendido corretamente.

Quando um carvalho cresce, amadurece e se desenvolve como qualquer coisa na natureza. O carvalho contém em perfeição o que a sua semente guardava. A semente do carvalho não poderia mais tarde tornar-se uma macieira. Com relação às verdades sobrenaturais de Revelação Divina vemos que isto é verdade. A Igreja não pode em certo tempo condenar algo como sendo pecado ou erro e mais tarde ensinar que é verdade ou uma virtude.

Vamos examinar o caso de um jovem que viveu gerações atrás, digamos, Michael Ghislieri. Aos 10 anos, o menino aprende seu catecismo, recebe os sacramentos e professa sua Fé. Ele é um Católico puro e simples e sabe as verdades de sua fé. Conforme amadurece, assim acontece com sua fé e compreensão das verdades, que ele sempre soube que são verdadeiras. Mais tarde na vida, ele estuda filosofia e teologia e se torna um teólogo. Ele ainda é tão Católico quanto foi aos 10 anos, mas agora ao invés de simplesmente SABER que as coisas são verdade, ele agora sabe os PORQUÊS e COMOS dessas verdades. Ele adquiriu uma MELHOR compreensão conforme cresceu. Isso nada mais é do que um "desenvolvimento de doutrina" em seu VERDADEIRO SENTIDO. Aos 10 anos ele era Católico com BOA compreensão das Verdades da Fé. Sendo um teólogo e mais velho ele acredita e professa as MESMÍSSIMAS doutrinas com o MESMO SIGNIFICADO mas com MELHOR compreensão. 

(Agora conhecemos Michael Ghislieri por S. Papa Pio V.)

Nosso Senhor deu à Igreja as Verdades da Fé. A Igreja ensina que a Revelação terminou com a morte do último apóstolo. Este "Depósito da Fé" tem sido preservado e ensinado infalivelmente desde o começo. Quando a Igreja era jovem, os Cristãos tinham um BOM conhecimento da Fé. Conforme a Igreja cresceu nós desenvolvemos um MELHOR entendimento do que o sagrado depósito contém. Um Católico no ano 94 D.C. é tão Católico como um teólogo ortodoxo do século XX, acreditando nas mesmas doutrinas - nada contrário. A Verdade é imutável. O que foi condenado uma vez pela Igreja no passado, não pode mais tarde ser aprovado por princípio, nem pode algo que uma vez foi declarado verdadeiro e bom pela Igreja tornar-se mais tarde falso e pecaminoso. Um verdadeiro desenvolvimento da doutrina "aumenta" sua compreensão de pontos delicados e sua relação com outras verdades. Nunca pode um MELHOR entendimento significar que o que foi entendido previamente era defeituoso. Era entendido com menos detalhes, mas NÃO era um erro, nem algo contrário. Um teólogo acredita nas mesmas verdades que um garoto de escola, com a diferença que aquele sabe com mais detalhes. Estes maiores detalhes não podem ser contrários ao que o garoto de escola sabe.

Então, vemos Nosso Senhor nos alertando sobre homens que procurariam corromper nossa Fé. Hoje em dia tais homens muito frequentemente vestem a pele de cordeiro do "desenvolvimento doutrinal" para enganar Católicos incautos, a fim de que acreditem em doutrinas diferentes do que as que lhes foram ensinadas previamente pela Igreja. A pele de cordeiro que é tão traiçoeira e insidiosa é a da "posição eclesiástica". A Igreja tem tido que lidar com tais hereges no passado, e lidou com eles de forma severa. Hereges que ocupam altos cargos na Igreja podem facilmente enganar o Católico mediano simplesmente premanecendo em seu posto de dignidade (como vemos na citação acima, de S. Papa Pio X). A história mostra que isso tem causado desastres na Igreja. Bispo Arius é um bom exemplo. A heresia Ariana fez com que cerca de 80% do clero se afastasse da Fé. E muitos foram com eles, não porque tenham entendido aquela heresia, mas simplesmente porque seguiram seu clero.

São Paulo parece ter nos advertido a respeito de doutrina diferente quando vêm de uma fonte com ofício ou dignidade especial: "...há apenas pessoas que semeiam a confusão entre vós e querem perturbar o Evangelho de Cristo. Mas, ainda que alguém - nós ou um anjo baixado do céu, vos anunciasse um evangelho diferente do que vos temos anunciado, que ele seja anátema." (Gl. 1,7-9) São Paulo nos dá um princípio para lembrarmos: "irmãos, ficai firmes e conservai os ensinamentos que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa." (2 Ts. 2,14) A Verdade imutável é encontrada na tradição. Muitas pessoas hoje em dia reconhecem as heresias que estão infestando a Igreja e estão tentando prestar ouvidos às palavras de São Paulo.

Um Católico comum não há muito tempo atrás mencionou o fato perturbante de que seu pároco na Pennsylvania estava dizendo a seu rebanho que o batismo não era necessário! Se isso tivesse acontecido há centenas de anos atrás, mesmo considerando-se as comunicações e transportes lentos, ele seria hoje um herege infame como um Zwingli, Donatus ou Calvino! Hoje em dia, entretanto, este sacerdote vai casualmente seguindo seu caminho destruindo almas.

Muitos Católicos hoje em dia tem que estar extra vigilantes porque esses hereges não estão sendo condenados, e podem ser encontrados em muitas paróquias. Alguns desses Católicos vigilantes se auto denominam "Católicos tradicionais" para se diferenciarem daqueles que não estão se apegando com força às tradições. O termo, entretanto, é redundante: O Catolicismo, como temos visto, é essencialmente tradicional. Chamar um Católico de "tradicional" é como chamar um círculo de "redondo" ou dizer "um triângulo de três lados". Mas o termo hoje em dia parece ser necessário para contra atacar aqueles que quebraram com a tradição mas ainda assim se chamam "Católicos". Infelizmente, há inúmeros tipos diferentes desses "tradicionalistas", mas a despeito de nossos sentimentos para com eles, temos que estar conscientes para NÃO deixar que nossos sentimentos diminuam o amor que todos nós deveríamos ter pela tradição, que é a pedra de toque do Catolicismo. Ninguém está acima da tradição.

Nós lemos as fortes palavras de São Paulo - "mesmo que nós, ou um anjo do céu". Estas palavras incluem a advertência de que mesmo o ofício de um Papa pode ser usado para espalhar heresia. Obviamente, em tal caso, haveria um "anti-papa" e não um Papa de verdade. A Pele de Cordeiro do "ofício eclesiástico" é tão eficaz em promover o erro que São Bernardo, Cardeal Newman, e outros, logicamente acreditavam que a única maneira pela qual o Anti-Cristo poderia ser tão eficaz ao criar uma "grande apostasia" entre Católicos seria tornando-se um "anti-papa" o qual a maior parte do mundo Católico pensaria ser um Papa válido. (veja o artigo ANTICRISTO na "Enciclopédia Católica)

Então vemos: 

1) Como se pode facilmente cair em erro e cessar de ser Católico. 

2) Como o erro prevalece hoje em dia. 

3) Quão sério é o apego a tradição. 

4) O verdadeiro sentido de "Desenvolvimento Doutrinal" 

5) A pele de cordeiro tanto do "ofício eclesiástico" quando da "evolução da verdade". O princípio que está no coração de tudo isso: A Verdade Católica é imutável. Ela não mudou, não pode e não vai mudar. Seria bom ler citações da Igreja declarando esta verdade de importância crucial.

O juramento Solene feito perante Deus e imposto a todos os sacerdotes de 1910 até 1868 é muito claro quanto ao significado de verdade imutável: "Eu aceito sinceramente a doutrina da fé transmitida pelos apóstolos através dos pais ortodoxos, sempre com o mesmo sentido e interpretação, mesmo para nós; e dessa forma rejeito a invenção herege da evolução dos dogmas, passando de um significado para outro diferente daquele que a Igreja tinha no princípio; ...a absoluta e imutável verdade pregada pelos apóstolos desde o começo não pode nunca ser acreditada de outra forma, nunca pode ser entendida de outra forma.... Assim o prometo, assim eu juro, e que Deus, etc."

"Se alguém diz: pode acontecer que a respeito de doutrinas apresentadas pela Igreja, algumas vezes, conforme o conhecimento avança, elas deveriam receber um outro sentido diferente daquele que a Igreja entendeu e entende, que seja anátema". - Concílio Vaticano (1870)

S. Pio X, que chamou o "modernismo" de "supra sumo de toda heresia", condenou o seguinte: CONDENADO "58. A verdade não é mais imutável do que o próprio homem, já que evolui com ele, nele e através dele""...o erro dos modernistas, que afirmam que a verdade dogmática não é absoluta mas sim relativa, quer dizer, que ela muda de acordo com as necessidades que variam de acordo com tempo e lugar e com as mutáveis tendências da mente; que ela não é contida numa tradição imutável, mas pode ser alterada para se adaptar às necessidades da vida humana."

Catecismo de Baltimore: 

Q. 546. A Igreja pode mudar suas leis? 

A. A Igreja pode, quando necessário, mudar as leis que ela mesmo fez, mas não pode mudar as leis feitas por Cristo. A Igreja também não pode mudar nenhuma doutrina de fé ou de moral.

Q. 568. A Igreja, definindo certas verdades, faz dessa maneira novas doutrinas? 

A. A Igreja definindo, quer dizer, proclamando certas verdades, artigos de fé, não faz novas doutrinas, mas simplesmente ensina de maneira mais clara e com maior esforço verdades que sempre foram acreditadas e mantidas pela mesma.

Traduzido por Alessandro Lima do original em inglês "The Wolves in Sheep's Clothing...", do site www.thecatholictreasurechest.com.

 

 

 

O Cânon Bíblico

O Cânon Bíblico

Leia "O Cânon Bíblico" e aprenda como a Bíblia teve origem e foi formada.

Adquira o seu

O Dom de Línguas

O dom das linguas

"O Dom de Línguas" é uma obra que apresenta a doutrina tradicional sobre este incrível dom carismático.

Adquira o seu

A Graça e Salvação

A Graça, a Fé, as Obras e a Salvação

"A Graça, a Fé, as Obras e a Salvação" aborda a difícil temática sobre o valor das obras para a salvação. Nela o autor, analiza a doutrina de Lutero (salvação somente pela fé) à luz da própria Bíblia.

Adquira o seu

Em Defesa da Fé Católica

A Graça, a Fé, as Obras e a Salvação

Atendendo ao chamado de S. Pedro que nos exorta a dar de bom grado a razão de nossa fé (cf. 1Pd 3,15-16), o autor apresenta uma completa defesa dos principais pontos controversos da doutrina católica.

Adquira o seu

Newsletter

Assine nossa newsletter e receba nossas atualizações em seu email.

Contacte-nos

Se desejar entar em contato, utilize as formas abaixo:

Siga-nos

Nós estamos nas redes sociais.

QRCode

QR Code
Você está aqui: Apologética Igreja Católica - Papado Lobos em pele de cordeiro