Biografias

Atenágoras de Atenas – Vida e Obra

1.Vida

Deste apologista cristão sabe-se tão – somente que era de Atenas e filósofo. Nem Eusébio de Cesaréia, nem s. Jerônimo o menciona. Dele se encontra uma menção no tratado Sobre a ressurreição 1,37,1, de Metódio de Olimpo (sécs. III-IV). Traços de sua vida e de suas obras desapareceram completamente da literatura cristã até que o bispo Aretas de Cesaréia manda copiar, em 914, para o seu Corpus apologetarum, a Apologia e o tratado Sobre a ressurreição dos mortos de Atenágoras. Sua identificação com o Atenágoras ao qual o filósofo grego Boeto dedicou um escrito Sobre algumas expressões difíceis em Platão, carece de fundamentos.

Dessa forma, local de seu nascimento, sua formação intelectual, suas origens, local e data de sua morte nos escapam. Suas obras, contudo, revelam uma pessoa de boa cultura, alguém que freqüentou cursos de retórica. Seu estilo é moderado, bem mais sóbrio que o de Taciano, mais ordenado que o de Justino. Como Justino, é simpático à filosofia e à cultura gregas. É hábil em ordenar o material, mais preciso na linguagem que seus predecessores. J. Lebreton e J. Zeiller escrevem dele: “É uma alegria para quem acaba de ler as invectivas de Taciano encontrar-se aqui em contato com uma alma verdadeiramente cristã, pacífica e pura”. O salto, em termos de qualidade, que se dá de Taciano para Atenágoras é enorme. Ele “compreende o valor da sobriedade, da claridade e da ordem; desdenha os efeitos demasiadamente ruidosos ou as cores demasiado vivas, as maneiras vulgares. (…) Se a tradição que faz de Atenágoras um ateniense é verdade, sem dúvida há uma relação entre sua origem e o meio em que se formou, e sua cultura mais afinada que a dos escritores cristãos anteriores”.

Veja também  São Clemente I de Roma

2. Obras

Atenágoras escreveu, ao que se sabe, uma Petição em favor dos cristãos e um tratado Sobre a ressurreição dos mortos.

Petição em favor dos cristãos

O objetivo desta obra é refutar as acusações dirigidas contra os cristãos. De maneira metódica, o autor distribui a matéria de sua apologia a partir das três acusações básicas. Depois de uma Introdução na qual se dirige aos imperadores Marco Aurélio e Lúcio Aurélio Cômodo, expondo as razões de sua “petição” (caps.1-3), responde à acusação de ateísmo (caps. 4-30); de incesto (caps.31-34); e de antropofagia (caps. 35-36).

O que realmente preocupa o apologista é que estas acusações são levadas a sério pelas autoridades. Com isso, o nome cristão é difamado e digno de morte sem nenhum exame mais acurado sobre a vida real dos acusados. Na introdução, Atenágoras deixa claro esta intenção: “Quanto a nós, que somos chamados cristãos, (…) comportando- nos de modo mais piedoso e justo do que ninguém, não só diante da divindade, mas também em relação ao vosso império, permitis que sejamos acusados, maltratados e perseguidos, sem outro motivo para que o vulgo nos combata, a não ser apenas o nosso nome. (…) vos suplica- mos que também a nós deis alguma atenção, para que cesse, finalmente, a degolação a que nos submetem os caluniadores” (cap. 1). No capítulo 2, chama a atenção dos imperadores para que apliquem as regras do julgamento sobre os cristãos acusados e não se deixem levar pelos preconceitos. Se agirem com justiça e rigor no julgamento, saberão que os cristãos são inocentes. Portanto, “se alguém é capaz de nos convencer de termos cometido uma injustiça, pequena ou grande, não fugiremos do castigo. (…) Mas se a nossa acusação é tão-somente o nome (…) e não foi provado que algum cristão tenha cometido um crime -a vossa questão é, como imperadores máximos, humaníssimos e amicíssimos do saber, rejeitar por lei a calúnia feita contra nós, (…). Com efeito, vossa justiça não diz que, quando se acusa a outros, não se pode condená-las antes de tê-los interrogado? Quanto a nós, porém, vale mais o nome do que as provas do julgamento, pois os juízes não buscam averiguar se o acusado cometeu algum crime, mas tratam-no com insolência por causa do nome, como se fosse crime”.

Veja também  II Livro a Autólico

Estão aí as razões que levaram Atenágoras a compor e endereçar uma “súplica” em favor dos cristãos aos imperadores Marco Aurélio e a seu filho Cômodo, por volta, provavelmente, do ano 177.

Sobre a ressurreição dos mortos

A autenticidade desta obra é posta em dúvida por alguns estudiosos. Assim, por exemplo R.M. Grant e W.R. Schoedel opinam que este tratado sobre a ressurreição não é de autoria de Atenágoras. Pertenceria a um autor do ciclo originista, composta por volta de 310 e que um copista teria ajuntado à Petição em favor dos cristãos, de Atenágoras. Contudo, o códice do bispo de Aretas do ano 914 diz expressamente que a Ressurreição é de Atenágoras. No capo 36 da Petição, o próprio Atenágoras defendendo os cristãos da acusação de antropofagia fala da ressurreição. Mas sentindo que esta é um tema fundamental para a fé cristã, propõe compor uma obra especial para abordá-lo: “Reservemos, porém, para outra ocasião o discurso sobre a ressurreição” (cap. 37). Parece-nos que podemos admitir a legitimidade da autoria de Atenágoras sobre esta obra, sem prejuízo para sua compreensão.

BIBLIOGRAFIA

BAREILLE, G., “Athénagore”, em Dictionnaire de Théologie Catolique, colo 2213.

BUENO, D. R., Padres Apologistas Griegos (sec.lI), 2a ed., BAC, Madrid, 1954, 631-646.

CHAUDONARD, L., La philosophie du dogme de la réssurrection de la chair au Ile siecle, Lião, 1905.

LEBLANC, J., “Le Logos chez Tatien, Athénagore et Théophile”, em Annales de philosophie chrétienne 149, 1905, 634-639.

PARPALARDO, A., “11 monoteismo e Ia dottrina deI Logos in Atenagora, em: Didaskaleion 2, 1924, 11-40. -“La teoria degli angeli e dei demonie la dotrina delIa providenzainAtenagora”, em Didaskaleion 2, 1924,67-180.

Veja também  Os Mártires de Lião

PEPLEGRINO, M., Studi sull’antica apologetica, Roma, 1947,65-79. UBALDI, P; M. PELI.EGRINo,Atenagora (com texto, introdução, tradução italiana e notas) Turim, 1947.

Fliche-Martin, de Histoire de l’Église, 1941, p. 455.

A. Puech,Lesapologistesgrecsdull siêclede notreêre, Paris 1912, p. 175.

Patroiogie. Histoire de ia Théoiogie I, Paris, 1947, p. 127.

Fonte: Padres Apostólicos, Volume I, Coleção Patrística. Ed. Paulus.