Espaço do Leitor Respostas a Leitores (por Carlos Martins Nabeto)

Como explicar Gênesis 6,1-4? Quem eram os gigantes e os “filhos de Deus”?

Prezados senhores,
Tenho uma dúvida que nem mesmo pastores que conheço conseguiram me responder de forma convincente. Mesmo sendo prontestante e vocês católicos gostaria que me respondessem a seguinte questão:
Em Gêneses 6,1-4 é relatado que os filhos de Deus viram que as filhas dos homens eram belas e as escolheram como esposas; e, mais adiante, fala que geraram filhos gigantes.
Pergunto: quem foram estes filhos de Deus, seriam anjos? ou outros seres celestiais? E estes gigantes, como explicar? Obrigado antecipadamente pela atenção (Joceli).

Joceli,

Pax Domini!

Em primeiro lugar, gostaríamos de agradecer o encaminhamento da sua questão e o tratamento tão cordial.

Existem diversas interpretações para a passagem bíblica que você nos propõe:

1ª) Para alguns estudiosos, o trecho de Gênese 6,1-4 poderia ter origem mitológica, ou seja, foi meramente transcrito pelo Autor Sagrado, sem indicação da fonte pagã. Assim fazendo, estaria o hagiógrafo salientando que o mundo ia de mal a pior e precisava da intervenção de Deus, culminando no Dilúvio.

Os defensores desta interpretação entendem que os “filhos de Deus” seriam originalmente, segundo essa fonte extrabíblica, deuses que se uniram às “filhas dos homens” (=mulheres). Os católicos não aceitam esta interpretação mitológica, que entende “deuses” como “filhos de Deus”.

2ª) Os cristãos primitivos, fazendo eco a uma tradição rabínica, interpretaram os “filhos de Deus” como anjos que teriam se unido às “filhas dos homens”, gerando descendentes gigantes. Isso parece ser referenciado por Judas 1,6 e 2Pedro 2,4, embora tais passagens não abonem esse modo de interpretação.

Porém, muito cedo, a partir do século IV, se levantaram entendimentos contrários de autores cristãos, até porque, sendo seres espirituais, sem corpo material, não teriam com manter cópula carnal com as mulheres…

Veja também  Leitor católico pede auxílio para livrar amigo protestante do Ateísmo

3ª) A última interpretação – que parece ser a mais correta – vê nos “filhos de Deus” os descendentes de Set (uma população fiel ao Senhor) e, nas “filhas dos homens”, os descendentes de Caim (uma população infiel). O resultado dessa união seria os “gigantes” (em hebraico: “nefilim”; em grego: “gigas”), o que pode expressar um elemento da mitologia dos povos pagãos primitivos que existiram nas circunvizinhanças (enaquim, enim, refaim, zonzomin), tidos como de alta estatura e realizadores de diversos monumentos megalíticos.

Aliás, provêm dos primitivos povos ugaríticos textos que apresentam gigantes mitológicos (os “refaim”) como heróis míticos e fundadores de dinastias.

Ora, diversas passagens do Antigo Testamento demonstram que os hebreus acreditavam na existência dos povos de altíssima estatura, ao mesmo tempo fortes, soberbos e revoltados contra Deus: Números 13,3; Deuteronômio 2,20-21; 3,11; 1Samuel 17,4; 1Crônicas 11,23; etc. Também encontramos referências a esses “gigantes” nos livros deuterocanônicos (que vocês, protestantes, costumam a chamar de “apócrifos”): Eclesiástico 16,7; Judite 16,6 e Sabedoria 14,6.

Para que você tenha uma idéia da altíssima estatura destes “gigantes”, em Deuteronômio 3,11 diz-se Og, um remanescente dos “refaim”, tinha uma cama de ferro que media 9 côvados de comprimento, o que equivale a 4 metros!!!

Esta última interpretação é também favorecida pelo fato de o antiquíssimo tratado rabínico Bereshitrabba 26,7 afirmar que “refaim” é o nome primitivo dado ao “nefilim”, heróis primitivos, nascidos de mulheres engravidadas pelos “filhos dos deuses” (observe o traço mitológico!!!). Diante disto, é bem possível que os israelitas tenham preferido usar a palavra “nefilim” para designar os “refaim” da mitologia pagã.

Tal substituição de palavras, entretanto, não é de se estranhar. Em 1Crônicas 8,33, por exemplo, vemos que Saul gerou Esbaal (o que significa “homem de Baal”); porém, como este nome tinha conotação pagã, vemos o autor de 1Samuel 14,49 vertê-lo para Isvi (ou seja, “homem de Javé”)!

Veja também  Leitor pergunta sobre culto aos santos e idolatria.

Em resumo: a interpretação mais provável para Gênese 6,1-4 é que da união entre o povo descendente de Set (=filhos de Deus) e o povo descendente de Caim (=filhas dos homens) surgiu o povo dos “refaim”, que tinha como principal característica sua alta estatura, decorrente talvez de algum problema de ordem genética. E da mesma forma como os bons costumam a se corromper andando na companhia dos maus, desta união resultou a crescente corrupção da espécie humana. É assim que os Padres e Escritores eclesiásticos têm entendido esse difícil texto desde o séc. IV.

Esperamos ter colaborado e mais uma vez agradecemos suas dóceis palavras!

[]s,
Que Deus te abençoe!