Bíblia - Tradição - Magistério

Criação e Gênesis

Por Catholic Answers

Os fundamentalistas costumam fazer um teste de ortodoxia cristã sobre acreditar que o mundo foi criado em seis dias de 24 horas e que outras interpretações de Gênesis 1 não são possíveis. Eles afirmam que, até recentemente, essa visão do Gênesis foi a única aceitável – de fato, a única que havia.

Os escritos dos Padres, que eram muito mais próximos do que nós no tempo e cultura do público original do Gênesis, mostram que esse não era o caso. Houve grande variação de opinião sobre quanto tempo levou a criação. Alguns disseram que apenas alguns dias, outros argumentaram por um período muito mais longo, por tempo indeterminado. Aqueles que tomaram a última visão apelaram para o fato “de que com o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos como um dia” (II Pe 3:8; cf. Sl 90:4), que a luz foi criada no primeiro dia, mas o sol não foi criado até o quarto dia (Gn 1:3, 16), e que foi dito a Adão que ele iria morrer no mesmo “dia” enquanto comia da árvore, mas ele viveu até os 930 anos de idade (Gn 2:17, 5:5).

Os católicos têm a liberdade para acreditar que a criação teve alguns dias ou um período muito mais longo, segundo a maneira como eles veem a evidência, e estão sujeitos a qualquer julgamento futuro da Igreja (Encíclica Humani Generis 36-37,1950, de Pio XII). Eles não precisam ser hostis à cosmologia moderna. O Catecismo da Igreja Católica afirma: “Muitos estudos científicos… enriqueceram esplendidamente o nosso conhecimento sobre a idade e as dimensões do cosmo, o desenvolvimento de formas de vida, e o aparecimento do homem. Estes estudos nos convidam a uma maior admiração pela grandeza do Criador.” (CIC 283). Ainda assim, a ciência tem seus limites (CCC 284, 2293-4). As seguintes citações dos Padres mostram como eram amplamente divergentes as visões dos primeiros cristãos.

Justino Mártir

“Porque, como foi dito a Adão que no dia em que ele comesse da árvore ele iria morrer, sabemos que ele não completou mil anos [Gn 5:05]. Percebemos, ainda, que a expressão “O dia do Senhor é como mil anos” [Sl 90:4] está relacionada a este assunto.” (Diálogo com o judeu Trifão 81 [155 d.C.]).

Teófilo de Antioquia

“No quarto dia, os luzeiros vieram à existência. Visto que Deus tem presciência, ele entendeu o absurdo dos filósofos tolos que iam dizer que as coisas produzidas na terra vêm das estrelas, de modo que eles pudessem pôr Deus de lado. Portanto, a fim de que a verdade pudesse ser demonstrada, plantas e sementes surgiram antes das estrelas. Pois o que passa a existir mais tarde não pode causar o que é anterior a si.” (Para Autólico 2:15 [181 d.C.]).

“Todos os anos a partir da criação do mundo [ao tempo de Teófilo] quantidade a um total de 5.698 anos e meses e dias ímpares… Ainda que um erro cronológico tenha sido cometido por nós, por exemplo, de 50 ou 100 ou até 200 anos, não houve milhares e dezenas de milhares, como Platão e Apolônio e outros autores mentirosos escreveram até agora. E, talvez, o nosso conhecimento de todo o número dos anos não seja muito preciso, porque os meses e dias ímpares não estão estabelecidos nos livros sagrados.” (Ibid., 3:28-29).

Veja também  27 livros perdidos e citados pela Bíblia

Irineu

“E há alguns, mais uma vez, que relegam a morte de Adão até o ano milésimo, pois uma vez que “um dia do Senhor é de mil anos”, ele não ultrapassou os mil anos, mas morreu dentro de si, corroborando, portanto, a sentença de seu pecado” (Contra as Heresias 5:23:2 [189 d.C.]).

Clemente de Alexandria

“E como poderia a criação ocorrer no tempo, vendo que o tempo nasceu junto com as coisas que existem?… Isso, então, podemos ser ensinados que o mundo se originou e não suponha que Deus o fez no tempo, a profecia acrescenta: “Este é o livro da geração, também das coisas em si mesmas, quando foram criados, no dia em que Deus fez o céu e a terra.” [Gn 2:04].

Pois a expressão ‘quando foram criados’ sugere uma produção indefinida e sem data. Mas a expressão “no dia em que Deus os fez”, isto é, em e por que Deus fez “todas as coisas” e “sem que nem mesmo uma coisa foi feita”, aponta a atividade exercida pelo Filho.” (Miscelâneas 6:16 [208 d.C.]).

Orígenes

“Pois quem tem entendimento vai supor que o primeiro e o segundo e terceiro dia existiram sem o sol e a lua e as estrelas, e que o primeiro dia foi, por assim dizer, também sem um céu?… Eu não suponho que alguém duvide que essas coisas indicam figurativamente certos mistérios, sendo que a história ocorreu em aparência e não literalmente.” (As Doutrinas Fundamentais 4:1:16 [225 d.C.]).

“O texto diz que “houve a tarde e a manhã”, não disse “o primeiro dia”, mas disse que “um dia.” É porque ainda não havia tempo antes que o mundo existisse. Mas o tempo começa a existir com os seguintes dias” (Homilias sobre o Gênesis [234 d.C.]).

“E uma vez que ele [o pagão Celso] faz as declarações sobre os “dias da criação”, fundamento da acusação, como se ele os entendesse clara e corretamente, algumas das quais decorreu antes da criação da luz e do céu, o sol e a lua e as estrelas, e alguns deles após a criação destes, só devemos fazer esta observação, que Moisés deve ter esquecido que ele tinha dito um pouco antes”, que em seis dias a criação do mundo tinha sido acabada” e que, em consequência deste ato do esquecimento ele acrescente a estas palavras o seguinte: “Este é o livro da criação do homem no dia em que Deus fez o céu e a terra [Gn 2:4]'” (Contra Celso 6:51 [248 d.C.]).

“E no que diz respeito à criação da luz no primeiro dia… e das [grandes] luzes e estrelas sobre o quarto… temos tratado com o melhor de nossa capacidade em nossas notas sobre o Gênesis, bem como nas páginas anteriores, quando encontramos a falha com aqueles que, tomando as palavras em seu significado aparente, disseram que o tempo de seis dias foi ocupado na criação do mundo” (ibid., 6:60).

Veja também  A Eucaristia segundo a Bíblia (os ilogismos da "Sola Scriptura")

“Pois ele [o pagão Celso] não sabe nada sobre o dia do sábado, e o descanso de Deus, que segue a conclusão da criação do mundo, e que dura durante a duração do mundo, e no qual todos aqueles manterão o festival com Deus, que tem feito todo o seu trabalho em seus seis dias.” (ibid., 6:61).

Cipriano

“Os sete primeiros dias no arranjo divino contêm sete mil anos” (Tratados 11:11 [250 d.C.]).

Vitorino

“Deus produziu toda a massa para o adorno de sua majestade em seis dias. No sétimo dia, ele consagrou com uma bênção.” (Sobre a Criação do Mundo [280 d.C.]).

Lactâncio

“Portanto, que os filósofos, que enumeram milhares de eras desde o início do mundo, saibam que o ano 6.000 ainda não está completo… Portanto, uma vez que todas as obras de Deus foram concluídas em seis dias, o mundo deve continuar em seu estado atual através de seis eras, ou seja, seis mil anos. Pois o grande dia de Deus é limitado por um círculo de mil anos, como mostra o profeta, que diz: “Na tua face, Senhor, mil anos são como um dia [Sl 90:4]'”(Institutos Divinos 7:14 [307 d.C.]).

Basílio Magno

“E foi a tarde e a manhã, o primeiro dia.” Por que ele disse ‘um’ e não ‘primeiro’?… Ele disse ‘um’, porque ele estava definindo a medida de dia e noite… dado que 24 horas preenchem o intervalo de um dia.” (Os Seis Dias de Trabalho 1:1-2 [370 d.C.]).

Ambrósio de Milão

“A Escritura estabeleceu uma lei de que a 24 horas, incluindo o dia e a noite, deve ser dado o nome do único dia, como se fosse para dizer o comprimento de um dia é de 24 horas de extensão… As noites neste cálculo são consideradas partes componentes dos dias que são contados. Portanto, assim como há uma única revolução do tempo, há apenas um dia. Há muitos que chamam mesmo uma semana de um dia, porque ela retorna a si mesma, assim como um dia faz, e pode-se dizer que sete tempos giram sobre si mesmos.” (Hexamerão [393 d.C.]).

Agostinho

“Não raro acontece que algo sobre a terra, sobre o céu, sobre outros elementos deste mundo, sobre o movimento e rotação ou até mesmo a magnitude e as distâncias das estrelas, sobre eclipses definitivos do sol e da lua, sobre a passagem do anos e estações, sobre a natureza dos animais, de frutas, de pedras, e de outras coisas parecidas, possa ser conhecido com a maior certeza pelo raciocínio ou pela experiência, até mesmo por quem não é cristão. É muito vergonhoso e desastroso, porém, e muito digno de ser evitado, que ele [o não cristão] deva ouvir um cristão falar tão estupidamente sobre estas questões, e como se de acordo com escritos cristãos, para que pudesse dizer que ele mal poderia rir quando viu como totalmente em erro eles estão. Em vista disso e em mantê-lo em mente constantemente ao lidar com o livro de Gênesis, eu expliquei, na medida em que eu era capaz, em detalhes e estabeleci para consideração os significados das passagens obscuras, tomando cuidado para não afirmar precipitadamente um significado em prejuízo de outro e talvez melhor explicação” (A Interpretação Literal do Gênesis 1:19-20 [408 d.C.]).

Veja também  A Bíblia ou a Tradição?

“Com as escrituras, é uma questão de tratar sobre a fé. Por essa razão, como já observei várias vezes, se alguém, sem entender o modo de eloqüência divina, encontrar alguma coisa sobre estas questões [sobre o universo físico] em nossos livros, ou ouvir o mesmo desses livros, de tal natureza que pareça estar em desacordo com as percepções de suas próprias faculdades racionais, que ele acredite que essas outras coisas não são de modo algum necessárias às admoestações ou contas ou previsões das escrituras. Em suma, deve-se dizer que os nossos autores sabiam a verdade sobre a natureza dos céus, mas não foi a intenção do Espírito de Deus, que falou através deles, ensinar aos homens tudo o que não seria de utilidade para eles para sua salvação” (ibid., 2:9).

“Sete dias por nosso cálculo, segundo o modelo dos dias da criação, perfazem uma semana. Pela passagem de tais semanas o tempo passa, e nestas semanas um dia é constituído pelo curso do sol a partir da sua ascensão à sua configuração, mas devemos ter em mente que esses dias de fato recordam os dias da criação, mas sem ser de forma alguma realmente semelhante a eles.” (ibid., 4:27).

“Pelo menos sabemos que ele [o dia da criação do Gênesis] é diferente do dia comum com o qual estamos familiarizados.” (ibid., 5:2).

“Porque nesses dias [de criação] a manhã e a noite são contadas até que, no sexto dia, todas as coisas que Deus então fez foram terminadas, e no sétimo no repouso de Deus foi misteriosamente e sublimemente sinalizado. Que tipo de dias esses foram é extremamente difícil ou talvez impossível para nós conceber, e quanto mais a dizer!” (A Cidade de Deus 11:06 [419 d.C.]).

“Nós vemos que os nossos dias normais não têm noite, mas pela fixação [do Sol] e não da manhã, mas pelo nascer do sol, mas os três primeiros dias de todos foram passados sem sol, uma vez que é relatado ter sido feito no quarto dia. E antes de tudo, na verdade, a luz foi feita pela palavra de Deus, e Deus, lemos, separou da escuridão e chamou a luz “dia” e às trevas “noite”, mas que tipo de luz que era, e por qual movimento periódico fez tarde e manhã, está além do alcance dos nossos sentidos, nem podemos entender como ele era e no entanto devemos acreditar sem hesitação.” (ibid., 11:7).

“Eles [os pagãos] são enganados, também, por esses documentos altamente mentirosos que professam dar a história do [homem] como a de muitos milhares de anos, embora calculando pelos escritos sagrados, descobrimos que 6.000 anos ainda não se passaram” (ibid., 12:10).

* Traduzido por Marcos Zamith, para o Veritatis Splendor, do original em inglês “Creation and Genesis” do website Catholic Answers (http://www.catholic.com).