Sacramentos

A Igreja Zumbi

“Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo”. (Lv 19,2)

Introdução

A Santa Igreja Católica ensina que através do Sacramento do Batismo, somos ingressados na vida sobrenatural da Fé, e consequentemente na comunidade dos Santos, a Igreja de Deus (cf. CIC 1236). Com efeito, foi o próprio Cristo que nos ensinou: “Quem não nascer da água e do Espírito Santo, não pode entrar no Reino de Deus” (Jo 3,5).

Porém, através do pecado somos afastados da vida de Graça, desta vida sobrenatural da Fé. E por esta mesma razão, Nosso Senhor instituiu o Sacramento da Reconciliação, para que através dele possamos voltar à comunidade dos Santos de Deus: “Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, lhe serão perdoados; aqueles a quem os retiverdes, lhes serão retidos” (Jo 20,22-23).

Quantos católicos realmente se reconciliam com Deus através do Sacramento da Reconciliação? Infelizmente é notório notar que a grande maioria não. Se estão mortos para a vida sobrenatural da Fé, não passam de mortos que acreditam estar vivos.

O Sacramento da Reconciliação

O Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo 1446 ensina que: “Cristo instituiu o sacramento da Penitência para todos os membros pecadores de sua Igreja, antes de tudo para aqueles que, depois do Batismo, cometeram pecado grave e com isso perderam a graça batismal e feriram a comunhão eclesial. E a eles que o sacramento da Penitência oferece uma nova possibilidade de converter-se e de recobrar a graça da justificação. Os Padres da Igreja apresentam este sacramento como a segunda tábua (de salvação) depois do naufrágio que é a perda da graça”.

Como dissemos, é através dele que nós pecadores voltamos à vida de Graça no seio do redil do Senhor, que é a Igreja. A Santa Igreja com maternal amor nos lembra de que “Não há pecado algum, por mais grave que seja, que a Santa Igreja não possa perdoar. ‘Não existe ninguém, por mau e culpado que seja, que não deva esperar com segurança a seu perdão, desde que seu arrependimento seja sincero.” Cristo que morreu por todos os homens, quer que, em sua Igreja, as portas do perdão estejam sempre abertas a todo aquele que recua do pecado’” (Catecismo da Igreja Católica, parágrafo 982).

O Cuidado com a nossa vida espiritual

Toda pessoa zelosa cuida bem de seus bens: cuida da manutenção e limpeza de seu carro, cuida da higiene de sua casa, da conservação dos móveis, etc. Porém o nosso o maior tesouro é a nossa alma espiritual e imortal. Por este motivo nos alertou o próprio Senhor: “Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Marcos 8,36).

Veja também  Rebelião de lúcifer?

Porém, nem todo pecado nos exclui da vida de Graça. Por isso a Santa Igreja classifica nossas faltas com Deus como graves ou mortais, e cotidianas ou veniais. Sobre isso nos ensina o Catecismo:

§1861 O pecado mortal é uma possibilidade radical da liberdade humana, como o próprio amor. Acarreta a perda da caridade e a privação da graça santificante, isto é, do estado de graça. Se este estado não for recuperado mediante o arrependimento e o perdão de Deus, causa a exclusão do Reino de Cristo e a morte eterna no inferno, já que nossa liberdade tem o poder de fazer opções para sempre, sem regresso. No entanto, mesmo podendo julgar que um ato é em si falta grave, devemos confiar o julgamento sobre as pessoas à justiça e à misericórdia de Deus.”

Já sobre o pecado venial: “§1863 O pecado venial enfraquece a caridade; traduz uma afeição desordenada pelos bens criados; impede o progresso da alma no exercício das virtudes e a prática do bem moral; merece penas temporais. O pecado venial deliberado e que fica sem arrependimento dispõe-nos pouco a pouco a cometer o pecado mortal. Mas o pecado venial não quebra a aliança com Deus. É humanamente reparável com a graça de Deus. ‘Não priva da graça santificante, da amizade com Deus, da caridade nem, por conseguinte, da bem-aventurança eterna.’

Com efeito, ensinou São João Evangelista e Apóstolos que “há pecado que é para a morte […] há pecado que não leva à morte.” (I Jo 5, 16-17). Ora, aqui S. João ensina que há uma classe de pecados que causam a morte espiritual, para a vida de Graça e outra que não.

Embora a Santa Igreja mande confessar nossos pecados graves ou mortais pelo menos uma vez ao ano (1), aquele que não se confessa regularmente (uma vez por mês, por exemplo), é negligente consigo mesmo. Até mesmo os pecados veniais, a Igreja nos recomenda que sejam entregues no confessionário (2).  A confissão regular educa a nossa alma a lutar com mais veemência contra os pecados e nos dá mais consciência deles. De outro modo corremos o sério risco de nos acostumarmos com o pecado, e termos a nossa consciência adormecida, o que seria um grande perigo para a nossa salvação.

Veja também  Sacramento da ordem

Vivos para o pecado, mortos para Deus

Jesus nos ensinou que Ele é a videira e nós os ramos (cf. Jo 15,5). São Paulo já utilizava a figura da Igreja como corpo místico de Cristo, para nos ensinar de uma forma simples, o mistério de que todos os santos estão unidos a Jesus, como os membros fazem parte de um só corpo (cf. 1 Cor 12,12). Com efeito, quando ainda era Saulo de Tarso e perseguia os cristãos, Jesus apareceu e lhe perguntou: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (cf. At 9,4). Mais uma prova da união mística e misteriosa que nós temos com Cristo quando estamos em Estado de Graça.

Entretanto, o pecado grave, embora nos mate para a vida de Graça, não nos separa da Igreja, exceto nos casos de heresia, apostasia e cisma (3). Isto é, continuamos membros da Igreja apesar deles. Os Cristãos que pecam gravemente são como ramos que embora já não tenham a vida de Graça em si, embora secos, ainda estão unidos à videira e só serão separados no dia do Juízo, como nos ensinou o próprio Senhor: “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará” (Jo 15,1).

Dito isto, a Igreja possui muitos membros em seu redil que estão mortos espiritualmente. Apesar de estarem vivos para a vida natural, estão mortos para a vida sobrenatural. É o que eu chamo de Igreja Zumbi, uma parcela da Igreja de Deus, formada por verdadeiros mortos-vivos. Iludidos pelos prazeres do mundo, pelas realizações mundanas, têm a falsa impressão de que vivem, mas não passam de almas miseráveis que na maioria das vezes não têm discernimento do estado deplorável em que vivem.

Conclusão

Depois de tudo que dissemos, fica claro que aquele que não confessa seus pecados, está morto para Deus, está excluído para a vida dos Santos de Deus. E aquele que acha que só tem pecados venais, está apenas inconsciente de seu estado de miséria. E ainda que estivesse certo, o próprio catecismo faz um alerta:  “O homem não pode, enquanto está na carne, evitar todos os pecados, pelo menos os pecados leves. Mas esses pecados que chamamos leves, não os consideras insignificantes: se os consideras insignificantes ao pesá-los, treme ao contá-los. Um grande número de objetos leves faz uma grande massa; um grande número de gotas enche um rio; um grande número de grãos faz um montão. Qual é então nossa esperança? Antes de tudo, a confissão.” (CIC, §1863).

Veja também  O Sacramento da Penitência

Pois, cuidemos de nossa salvação e sejamos vigilantes quanto ao nosso estado de Graça. Que não sejamos orgulhosos, mas humildes e conscientes de nossa miséria, para que não sejamos repreendidos pelo Senhor como lemos no livro do Apocalipse: “Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;  Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas. Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê pois zeloso, e arrepende-te.” (Apocalipse 3,17-19).

Notas

1  “Conforme mandamento da Igreja, “todo fiel, depois de ter chegado à idade da discrição, é obrigado a confessar seus pecados graves, dos quais tem consciência, pelo menos uma vez por ano”. Aquele que tem consciência de ter cometido um pecado mortal não deve receber a Sagrada Comunhão, mesmo que esteja profundamente contrito, sem receber previamente a absolvição sacramental, a menos que tenha um motivo grave para comungar e lhe seja impossível chegar a um confessor. As crianças devem confessar-se antes de receber a Primeira Eucaristia” (Catecismo da Igreja Católica,§1457).

2 “Apesar e não ser estritamente necessária, a confissão das faltas cotidianas (pecados veniais) é vivamente recomendada pela Igreja. Com efeito, a confissão regular de nossos pecados veniais nos ajuda a formar a consciência, a lutar contra nossas más tendências, a deixar-nos curar por Cristo, a progredir na vida do Espírito. Recebendo mais frequentemente, por meio deste sacramento, o dom da misericórdia do Pai, somos levados a ser misericordiosos como ele” (Ibidem, §1458).

3 Segundo o Código de Direito Canônico no. 751: “Chama-se heresia a negação pertinaz, após a recepção do Batismo, de qualquer verdade que se deve crer com fé divina e católica, ou a dúvida pertinaz a respeito dessa verdade; apostasia, o repúdio total da fé cristã; cisma, a recusa de sujeição ao Sumo Pontífice ou da comunhão com os membros da Igreja a ele sujeitos.”. Somente estas faltas são causa de excomunhão, isto é, podem fazer um católico deixar de ser membro da Igreja de Cristo.