Espaço do Leitor

Leitor pergunta o que pensamos sobre a oração em línguas dos carismáticos

[Leitor autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor: Valter de Andrade Martuscelli – oscd
Cidade/UF: Montes Claros – MG
Religião: Católica

Mensagem
========

Embora tenha a minha opinião formada a respeito do assunto, gostaria de saber se estou certo ou errado. Eu não creio que a emissão repetitiva de certos fonemas, como observa-se em algumas reuniões carismáticas católicas, possa ser considerada como oração em linguas. Tenho o respaldo na própria Biblia, onde São Paulo declara: ” Se não houver quem traduza, que não haja quem fale.” Depois, verifica-se o fato de que em locais e situações e datas diferentes, as pessoas proferem sempre os mesmos sons repetitivos. Creio que o Divino Espirito Santo é fonte de toda a sabedoria e não iria suscitar um dom que pudesse parecer com qualquer outra coisa, menos com uma oração por Ele inspirada.

Qual é a opinião de vocês?


Caríssimo Valter, a Santa Paz!

Nós do VS defendemos da RCC em muitos pontos, porém em outros não é possível fazê-lo. Não é porque tenhamos carinho pela RCC e a queremos ver cada vez mais católica, que signifique que concordemos com tudo que dela vem.

Creio na legítima oração em línguas, pois eu mesmo já a presenciei e foi uma experiência fantástica. Porém, esse “xalandricá xalandricá” dos carismáticos é inaceitável. É um fingimento que mais parece com os mantras pagãos.

Certa vez um carismático me escreveu em protesto a um artigo meu (1), dizendo que o “xalandricá xalandricá” que eles fazem era uma forma de preparar o espírito para a manifestação do Espírito Santo. Ora não foi Jesus mesmo que disse que não devemos orar em vãs repetições como os pagãos? Assim ensinou o Senhor no Evangelho: “Nas vossas orações, não multipliqueis as palavras, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras” (Mt 6,7).

Como eles podem pensar que serão ouvidos por causa de seus mantras?

Mantra não é oração cristã, mas pagã. Cristo nos ensinou a orar. Nos ensinou a orar as mesmas orações, ou será que alguém pensa que a oração do Pai Nosso foi ensinada pelo Senhor só para constar no Evangelho?

Tempos difíceis… Vivemos em tempos muito difíceis.

Em Cristo,

Nota

(1) LIMA, Alessandro. Apostolado Veritatis Splendor: Dons de línguas não se fabricam. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/4373. Desde 13/7/2007.

Veja também  Sobre a eficácia e a infalibilidade da oração