Espaço do Leitor

Resposta a uma adventista da promessa

[Leitor NÃO autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor:
Cidade/UF: Fernandópolis/SP
Religião: Protestante Pentecostal

Mensagem
========

Querido Emerson…
Meu nome é … e sou adventista da promessa. Li o seu artigo contando sobre a sua conversão ao catolicismo. Não posso deixar de te perguntar o que você pensa em relação à idolatria… Sim, já que nos dez mandamentos a idolatria é abominada por Deus como está escrito em Êxodo 20:3-6. Além de que na Bíblia católica existem livros que não são considerados canônicos por não ter inspiração do Espírito Santo (ps: em alguns destes livros estão escritos sobre a idolatria a Maria, que assim como eu e você foi apenas um instrumento, um canal nas mãos de Deus, pois através dela nasceu Cristo, mas que não deixou de ser uma humana). Quanto ao sábado como pode dizer que não é santificado por Deus???? Já que o próprio Deus nos diz para guardá-lo (Êx. 20:8-11); o sábado é um benefício uma dádiva de Deus para nós conforme ele mesmo diz (Marcos 2:27; Is.56; Is 58:13-14).Nós devemos tomar muito cuidado pois um texto sem contexto vira pretexto para heresias… Sabe nas suas palavras você se diz ser inteligente e que não demos valor a esse seu talento… porém devemos ser mais humildes e percebermos que todo o nosso intelecto e sabedoria é o Senhor que nos dá e não querer honras e méritos porque toda honra, glória, majestade e louvor  pertencem ao Altíssimo e não a nós, e o motivo pelo qual ainda não fomos consumidos é porque Deus pela sua infinita graça renova o seu concerto com nós todos os dias quando o sol nasce conforme relata o profeta Jeremias, porque amado, a única coisa que podemos bater no peito e dizer que merecemos é a morte, porque o salário do pecado é a morte e aquele que diz que não tem pecado, peca em dizer isto. Isso não sou eu quem diz, mas a palavra de Deus que é viva e eficaz é no que eu creio.
A Paz do Senhor….

Prezada irmã, a paz do Senhor também a você. É uma alegria imensa ler sua carta e tenho um grande prazer em te responder. Sempre fico feliz em ver meus irmãos adventistas da promessa me escreverem e que estão dispostos a conversarem. Espero que sejamos bons amigos e que haja bastante entendimento em nossa conversa. Andiamo.

Bem, querida, vamos por partes. Você me perguntou sobre a idolatria. Ótimo começo, irmã. Mas para isso, é preciso um bom entendimento bíblico. De antemão, peço-lhe que, por favor, não leiamos a Bíblia superficial e fundamentalmente (ao pé-da-letra em tudo). Para estudar a Bíblia é preciso exegese e estudo. Mesmo eu, como adventista da promessa, por ter sido católico, sabia que por profundidade de estudos e pelo catecismo, que os católicos não eram idólatras (normalmente quem pensa assim são aqueles que nasceram protestantes). Vamos examinar Ex. 20.4:

“Não farás para ti um ídolo, nem semelhança de qualquer coisa que está no céu acima, e na terra abaixo, e tudo que está nas águas debaixo da terra…” (versão da Septuaginta)

Notou alguma coisa de diferente? A maioria das traduções evangélicas traduz Ex. 20.4 como “não farás imagem de escultura”, o que é uma tradução errônea. A Bíblia (no caso o AT) não foi escrita em português, mas em hebraico. Aqui, no original hebraico, não se fala de proibir de fazer imagens, mas de fazer ídolos (em hebraico, pecel: “ídolo”), o que é totalmente diferente. Por que?

Porque temos que entender o contexto em que se foi dado os chamados Dez Mandamentos. No momento em que foi dado, Israel viva no meio de muitos países idólatras, como o Egito. Para distingui-los como povo santo, Deus abominou a idolatria (neste contexto correto, a adoração de outro ser que não seja Deus). O catolicismo não pratica a idolatria. Por quê? Porque não adora as imagens (Deus nunca proibiu de se fazer imagens. Ele proibiu a adoração de imagens, mas não sua confecção, como vemos em tantos casos no AT onde Deus ordenou que se fizessem querubins – que são figuras do que há no céu – e serpente de bronze – uma figura que há na terra) mas as tem por respeito. Nenhum católico em sã consciência adora a estátua. Ele ora a Deus a quem a estátua representa como uma lembrança, mas não ADORA a estátua ou imagem.

Lembre-se: Deus proíbe fazer imagens do que esta nos céus ? sol, lua, estrelas; do que está na terra ? animais, homens; do que está debaixo das águas ? peixes e monstros marinhos. É que o povo recém-vindo do Egito, lá havia aprendido os costumes pagãos de fabricar tais imagens para adorá-las.

1. DEUS MANDOU QUE SE FIZESSEM IMAGENS

Ez. 41, 17-21: ? “Acima da porta no interior e no exterior do templo e por toda a parede em redor, tudo estava coberto de figuras (isto é, IMAGENS); Querubins e palmas, uma palma entre dois Querubins. Os Querubins tinham duas faces: uma figura humana de um lado e uma face de leão voltada para a palmeira do outro lado esculpidas em relevo em toda a volta do templo. Desde o solo até acima da porta, havia representações (isto é IMAGENS) de Querubins e palmeiras, assim como sobre a muralha do templo”.

2. DEUS PROIBIU O “CULTO IDOLÁTRICO” DE IMAGENS
Dt.. 4, 16-19s ? “Guardai-vos, pois de fabricar alguma imagem esculpida, representando o que quer que seja, figura de homem ou de mulher, representação de algum animal que viva sobre a terra ou de algum pássaro que voa nos céus, ou de um réptil que se arrasta sobre a terra, ou de um peixe que vive nas águas debaixo da terra”. IDEM, 4, 19: ? “Quando levantares os olhos para o céu, e vires o sol, a lua, as estrelas e todo o exercito dos astros, guarda-te de te prostrares diante deles e de render culto a esses astros…”Leia-se todo este cap. 4 do Deuteronômio para se ver com clareza o que Deus proibia. O que Ele proibia era o culto idolátrico à semelhança dos pagãos.

3. A MALDIÇÃO DO ÍDOLO ESTÁ EM FAZER DUMA IMAGEM UM DEUS

Is. 42, 17: ? “Voltaram para trás, serão cobertos de confusão os que põem a sua confiança em imagens de escultura, os que dizem às estátuas de fundição: “Vós sois os nossos deuses”.

Destes textos se vê que a proibição de Deus era de fazer imagens para adorá-las como deuses. Fazer imagens que contribuam para o culto do Deus verdadeiro, Deus mandou fazê-las, como vimos acima, imagens de Querubins e serpente de bronze. Haja vista que a própria serpente de bronze, mais tarde, foi destruída pelo Santo Rei Ezequias, porque se transtornara em objeto do culto idólatra por parte do povo. (Cf. 4 Reis, 18, 3-5).

Assim, resumidamente, irmã, não tem nada a ver o uso de imagens na Igreja católica com a condenação do Segundo Mandamento (a questão se os Dez Mandamentos são vigentes para nós é outro assunto. Cabe você pensar que se imagens de todo tipo são condenadas, então Jesus violou esta regra, pois Ele é a imagem de Deus – uma representação de algo espiritual, encarnada. Se fosse assim, como os evangélicos pensam, Jesus violou Sua própria Lei). Para saber mais, veja meu site Central Adventista e aqui http://www.centraladventista.110mb.com/catidol.htm .


Sobre sua segunda colocação “Além de que na Bíblia católica existem livros que não são considerados canônicos por não ter inspiração do Espírito Santo”. Vamos com calma, irmã, que este assunto é complicado e é necessário muito cuidado. Para começarmos, QUEM lhe disse que não são inspirados? Desculpe mas creio ter sido seu pastor (assim como o meu pastor IAP aqui me falou). Mas, você já os leu por si mesma ou apenas aceitou o que lhe disseram sem provar? Ora, sabia que quem primeiro colocou dúvidas sobre estes 7 livros que constam nas Bíblias católicas foi Martinho Lutero? Sim, pois ele não aceitava o que II Macabeus 12.43 dizia, a oração pelos mortos (parece que vociferar contra livros bíblicos que eram contra suas idéias era passatempo de Lutero, como o que ele fez com a epístola de Tiago, ao qual chamou de “epístola de palha”, porque era contra sua doutrina da salvação só pela fé).

Quem, então, lhe disse que esses livros que você tem em sua Bíblia (vamos dizer, o Novo Testamento) são os livros corretos para se ter aí? Nunca encontrei um adventista da promessa, ou qualquer evangélico, que pudesse me dar uma resposta satisfatória de como os livros da Bíblia foram organizados. Eles simplesmente usam a Bíblia porque ela está ali, prontinha e fresquinha, mas nunca se perguntam COMO ela se formou.

Pois bem, é aí que entra o divisor de águas. Até o séc. IV (por 300 anos) a Igreja ficou sem a Bíblia completa (hã?). Sim, pois até essa época havia disputa entre a cristandade sobre quais livros eram inspirados ou não. Precisou-se vir o Papa Damaso I, no concílio de Roma, em 382, para pôr fim à disputa. Ele organizou uma lista dos livros canônicos e daí praticamente vem a lista que hoje temos nas Bíblias católicas. Foi ele que organizou (pelo Espírito Santo) a ordem dos livros que temos no Novo Testamento. Portanto, é falsa a alegação protestante de que a Igreja católica adicionou esses livros (chamados corretamente de deuterocanônicos) no Concílio de Trento, em 1546. Ela não adicionou. Só ratificou algo que já estava lá por 1500 anos! Você aceita a lista de 27 livros do NT que o Papa discerniu pelo Espírito Santo (mesmo que nenhum pastor lhe conte esta história, pois iria acabar com a teoria protestante) mas não aceita a lista que o Concílio fez do Antigo Testamento? Entende como a posição protestante é arbitrária?

Jesus e os apóstolos não usaram a Bíblia hebraica quando citaram textos do AT. Usaram a versão grega conhecida como Septuaginta. Esta versão continha o que os protestantes chamam de “apócrifos” (um nome errado) e que nós corretamente chamamos de “deuterocanônicos”. Pois bem, um pastor é rápido em falar que esses livros não são inspirados pelo Espírito Santo, que a Igreja católica os adicionou, etc. mas é lerdo em PROVAR essas coisas e se tenta, o faz por métodos falsos. Querida, quem disse que esses livros não eram inspirados pelo Espírito Santo foram judeus fariseus (os mesmos que condenaram Jesus à cruz) no Concílio judaico de Jâmnia, no ano de 90 d.C. Este falso concílio judaico, sem autoridade, pois era inimigo dos cristãos, teve por objetivo retirar da versão hebraica os livros que, segundo eles, não atendiam às exigências de inspiração (exigências bem duvidosas, visto serem falhas, como dizer que não se aceitavam livros escritos em grego. Mas Judite e IMacabeus foram escritos em hebraico).

Mas se você for acatar a decisão desse espúrio concílio (como fazem todos os evangélicos) então por que aceita os livros do NT, sendo que este concílio também os baniu? Vê como nada disso é ensinado nas igrejas evangélicas? Simplesmente repetem o mesmo bordão luterano.

Resumindo, irmã, esses livros são tão inspirados quanto os outros 39 livros do AT porque fizeram parte das mesmas Escrituras que Jesus usou. E os Pais da Igreja deram testemunho de seu uso. Você disse: “(ps: em alguns destes livros estão escritos sobre a idolatria a Maria, que assim como eu e você foi apenas um instrumento, um canal nas mãos de Deus, pois através dela nasceu Cristo, mas que não deixou de ser uma humana).” Mas, querida irmã, ONDE leu isso? Vê como está sendo levada por idéias alheias, de pastores que lhe ensinaram o velho adágio protestante? ONDE em algum dos livros deuterocanônicos mesmo se fala de Maria, sendo que esses livros foram escritos 200 anos antes de Cristo?

Aviso aos navegantes: a Igreja católica nunca ensinou a adorar Maria. Quem fala isso são os protestantes mal intencionados que, para fazer as pessoas pensarem errado da Igreja, inventaram essa maluquice. Para você ter uma idéia de como muitos evangélicos dão ouvidos somente ao que seus pastores falsamente ensinam sobre a Igreja católica (para difamá-la) basta ver a seguinte comparação: se eu quisesse saber informações sobre você, sobre seu caráter, do que gosta, que tipo de comida prefere, qual seu trabalho, como é sua personalidade, etc, você acha que eu deveria perguntar para uma pessoa que nunca te viu e não conhece ou alguém próximo a você, que te conhece muito bem e sabe totalmente tudo sobre você?

Da mesma forma, se quer conhecer verdadeiramente a doutrina católica (que é a Igreja que Jesus fundou) tem que ler publicações católicas, artigos católicos, o Catecismo católico e não publicações de protestantes que só sabem difamá-la. Tem que se conhecê-la por dentro e não por fora. Católico venera e honra Maria, como a mãe de Deus (Jesus Cristo é Deus, aliás), mas não como deusa ou algo parecido.


“Quanto ao sábado como pode dizer que não é santificado por Deus???? Já que o próprio Deus nos diz para guardá-lo (Êx. 20:8-11)”

Bem, irmã, deve-se perguntar: o que é o sábado? É para os judeus ou toda a humanidade? Qual sua função? Onde está inserido? Os adventistas estão certos em ressuscitá-lo aos cristãos?

Eu nunca disse que o sábado não foi santificado por Deus. Onde leu isso? Como respondi já em meu site em http://www.centraladventista.110mb.com/mod.htm:

”Outro fato que os sabatistas se esquecem é que o ato de Deus descansar num dia não lhe confere santidade. Gn. 2:3, diz: “E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele DESCANSOU de toda a obra que, como Criador, fizera” . Assim, Ex. 20:11: “ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou”. Primeiro, Deus descansou no dia, mas isso não o fez santo. Depois disso, ele o abençoou mas ainda não era santificado. Terceiro, ele o consagrou, fez-lhe santo. Assim, o dia não foi santo em si mesmo nem o descanso de Deus nesse dia o fez santo”. O fato que precisa entender é que o sábado foi criado. Os adventistas dizem que ele faz parte da lei moral. Ora, uma lei moral não é criada. Ela faz parte da natureza de Deus, desde a eternidade. Como o sábado foi criado num dado momento (ele só foi mandado ser guardado no Sinai) então ele é “cerimonial”. Os adventistas, para fugirem disso, criaram as mais especulativas teorias, como a de Abraão guardando o sábado, sendo que a Bíblia não prova nada disso.

Querida irmã, este são fatos sobre o sábado que o adventismo não ensina:

1 – O sábado, como parte do Decálogo (selo da Antiga Aliança), foi para os judeus (Ex.31.13)2 – O sábado só começou a ser guardado depois do Êxodo, quando o povo israelita recebeu este comando pela primeira vez no Sinai (antes, a Bíblia não fala que os patriarcas guardaram o sábado) – Ex. 31.163 – O sábado era um memorial da Antiga Criação. O domingo é o memorial da Nova Criação, onde Jesus ressuscitou e Jesus é o nosso descanso (Hb. 4.8,9). Os adventistas normalmente me pedem para dar uma citação na Bíblia que fala da guarda do domingo. Note: o domingo não é um novo sábado, um dia para ser guardado como o sábado judaico mas é para relembrar a ressurreição de Jesus (o NT deixa em aberto dia para se guardar – Rm.14.5)4 – Jesus (e todos seus discípulos) guardou o sábado, mas porque eram judeus nascidos sob a lei e, por isso, precisavam guardar a antiga lei. Mas não se menciona a Igreja guardando o sábado DEPOIS da ressurreição de Jesus (os casos de Paulo não são de guardar o sábado, nem da Igreja, mas de pregação aos judeus) 5 – Não existe separação na Bíblia de “lei moral” e “lei cerimonial”, como ensina a adventista.

Resumindo, é isto. Aqui em minha cidade, em Marília, a igreja Adventista da Promessa colocou busdoors onde se lê: “sábado ou domingo?” e dá a citação de Mt. 5. 18, que reza:

“Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra”

O que a IAP quer passar é a idéia de que os Dez Mandamentos (e de tabela o sábado) ainda estão vigentes. Note que 9 destas ordens de Ex. 20 são repetidas no Novo Testamento, menos o sábado. A adventista fala disso? Não! E quanto a Mt. 5.18, eles estão certos?

Infelizmente não. Eles normalmente citam versículo fora do contexto, usam de uma leitura fundamentalista e desconexa. Para pensar: a que LEI Mt. 5.17 se refere? Segundo a IAP, são os Dez Mandamentos. Mas os Dez Mandamentos fazem parte da lei, não dá para separá-los das outras 602. Então, a lei aqui é TODA lei da Torá. Basta ler Mt. 13.17 para começarmos a entender o contexto:

“Pois em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes e não viram; e ouvir o que ouvis e não ouviram”

Isto nos dá uma pista. Jesus É o cumprimento da lei (Ele veio para realizar as profecias). Ele não a abrogou, mas a cumpriu (Ele é o pleno cumprimento da lei). Mas o versículo 18 de Mt. 5 não diz nada para nós guardarmos o sábado. Isto é forçar o texto a dizer o que não quer.

Continuemos. Leia Lc. 16.17:

”E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til sequer da Lei.”

Este versículo explica tudo. Mt.5 18 não diz que enquanto durarem o céu e a terra os Dez Mandamentos durarão, mas que é mais fácil eles passarem do que Jesus não ser o cumprimento das profecias do AT. Todos as profecias, preceitos, promessas, tipos,  figuras do AT tiveram sua realização na pessoa, milagres, sofrimentos e morte de Cristo. É isto o que ele quer dizer e não o que a adventista pensa que diz. Você disse: “o sábado é um benefício uma dádiva de Deus para nós conforme ele mesmo diz (Marcos 2:27; Is.56; Is 58:13-14)”. Sim. O sábado foi uma dádiva para os judeus. Nosso sábado agora é Cristo e honramos o domingo como o dia em que Ele ressuscitou (infelizmente, o Pr. Genésio Mendes, da igreja Adventista da Promessa, criou uma teoria infundada de que Jesus morreu numa quarta-feira para dar a conta de que Ele ressuscitou no sábado. Isto é infundado por várias razões. A principal é de que os judeus não tinham a expressão “três dias e três noites” como 72 horas, como o pr. Genésio quer. Para eles, qualquer parte de um dia é um dia inteiro, como diz a Enciclopédia Judaica. Assim, Jesus morreu numa sexta – 1 dia – ficou no sábado – dois dias – e ressuscitou no domingo – três dias. Este é o método judaico e não o literalismo que alguns pensam).
Foi a Igreja que Jesus deixou que começou a honrar o domingo (pois o sábado, junto com os moldes da lei, já passaram – Cl.2.16).

Você disse: “Nós devemos tomar muito cuidado pois um texto sem contexto vira pretexto para heresias…” Mas quem faz isso, irmã, são exatamente as seitas evangélicas. Depois do que te mostrei, é impossível você não perceber a falta de estudo das denominações evangélicas, que lêem a Bíblia ao pé-da-letra, tiram versículos do contexto e inventam doutrinas antibíblicas.

Só para lembrar? Você já foi escrava no Egito? Não? Então não precisa guardar o sábado, pois o sábado só foi ordenado para os judeus. Leia Dt. 5.12-15:

“Guardando o dia de sábado para santificá-lo, . . . tens de lembrar-te de que te tornaste escravo na terra do Egito e que o Senhor, teu Deus, passou a fazer-te sair de lá com mão forte e braço estendido. É por isso que o Senhor, teu Deus, te mandou observar o dia de sábado.”


Você disse: “Sabe nas suas palavras você se diz ser inteligente e que não demos valor a esse seu talento… porém devemos ser mais humildes e percebermos que todo o nosso intelecto e sabedoria é o Senhor que nos dá” Se leu direito meu testemunho (infelizmente muitos IAPS não o entenderam) verá que em nenhum momento disse isso para minha vanglória mas para a glória do Senhor. Todos os dias O louvo e agradeço pela sabedoria que Ele me deu para estudar a Bíblia (com ferramentas e estudos aplicados) para não ser enganado pelas seitas. Eu sigo o conselho bíblico: “Eis que o temor do Senhor é a sabedoria, e o apartar-se do mal é o entendimento” (Jo. 28.28); “Para aprender a sabedoria e o ensino; para entender as palavras de inteligência” (Pv. 1.2); “Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento. Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; é escudo para os que caminham na sinceridade” (Pv. 2.6,7). Assim, o que eu quis dizer é que a IAP não favorece estudos profundos. Eu estive lá. Sei disso. Dei aulas de Doutrinal. Mas quando vi usarem de estudos superficiais para analisarem textos bíblicos (como Mt. 5.18) percebi que a coisa era mais embaixo. Não é possível estudar a Bíblia sem exegese. Cai no que você falou “pretexto para heresias”. Quem é que interpreta “três dias e três noites” no NT sem se preocupar com seu verdadeiro sentido? Quem ensina que há “lei moral” e “lei cerimonial”, sendo que a Bíblia só fala que há uma lei e um legislador? Por isto, rogo a você, querida irmã, que pense: está seguindo realmente a Palavra de Deus, ou palavra de homens?

Veja também  Agradecimentos pelo veritatis splendor