Respostas Católicas

Devo acreditar no meu amigo fundamentalista que diz que o fim está próximo?

– Como eu posso responder a um amigo meu, fundamentalista, que insiste em afirmar que o Apocalipse está se referindo à presente situação do Oriente Médio? Ele diz que o seu pastor já delineou tudo (Anônimo).

Lembre-o que outros [homens] pensaram coisas similares e fizeram previsões sobre como essas coisas provavelmente ocorreriam e, mesmo assim, estavam absolutamente errados. Por exemplo: Pat Robertson, candidato a presidente [da república dos Estados Unidos] e presidente do "700 Club", certa vez disse que eram claros os sinais da Bíblia de que a União Soviética iria invadir Israel em 1982. Obviamente, isto não aconteceu.

Hal Lindsey, autor de "The Late Great Planet Earth" (O Grande Final do Planeta Terra) e pai da atual mania de fim do mundo, também cometeu gafes proféticas. Durante anos Lindsey sugeriu que o arrebatamento (a vinda de Jesus para levar a Igreja para o Céu antes dos últimos sete anos da era atual) iria ocorrer em 1988. Quando isto não se concretizou, ele então passou a afirmar que nunca tinha dito exatamente que o arrebatamento se daria em 1988 (o que de fato falou), como também nunca havia dito algo semelhante (o que de fato não falou).

E ainda Edgar C. Whisenant, que alegou ter "quebrado o código da Bíblia" e "destravado" a tabela do tempo [final] em seu livro "88 Reasons Why the Rapture Will Be in 1988" (88 Razões porque o Arrabatamento Ocorrerá em 1988). Ele também provou estar errado.

E o que dizer de todos os outros cenários proféticos da Bíblia delineados por pregadores fundamentalistas nos últimos cinquenta anos? Pergunte para o seu amigo: por que você deveria achar que suas afirmações são diferentes destas outras interpretações (todas erradas)?

Durante a 2ª Guerra Mundial, muitos pregadores de rádio (sim, eles já existiam!) estavam convencidos de que Hitler era o Anticristo e Mussolini (ou talvez Roosevelt) era o Falso Profeta (v. Apocalipse 16,13). Essas pessoas citavam toda espécie de textos bíblicos para provar suas declarações; e todas elas estavam erradas.

A moral da história é que devemos ser cuidadosos na interpretalção de um livro apocalíptico e cheio de símbolos como é o caso do Apocalipse e não sermos rápidos em afirmar que os nossos pontos de vista representam "a palavra certa da profecia". Para refutar o atual ponto de vista do seu amigo, o próprio tempo se cuidará de fazê-lo.

Veja também  O Concílio Vaticano II ensinou a "inerrância limitada" da bíblia?