Espaço do Leitor Respostas a Leitores (por Carlos Ramalhete)

Tatuagens, Moral e a Bíblia

– Alguns hoje, para condenar as tatuagens, citam Lv 19,28. Isso entra naquela questão de leis morais e leis cerimoniais?

Evidentemente. Os próprios judeus reconhecem isso, aliás. O sábio judeu Maimônides (freqüentemente citado por S. Tomás como autoridade em assuntos judaicos, aliás; S. Tomás o chama “Rabi Moisés”, por ser seu nome hebraico Moisés Ben-Maimon) escreveu no Livro das Leis sobre a Idolatria da Mishné Torá (editada em português pela Imago, ISBN 85-312-0226-4; os números de página se referem a esta edição) :

“É proibido seguir os costumes dos não-judeus ou imitá-los (…), como está escrito: ‘Não seguireis os costumes das nações’ (Lc 20,23), ‘Não seguireis suas leis’ (Lv 18,3), e ‘Acautela-te para que não te deixes seduzir a segui-los'(Dt 12,30). Todos estes textos referem a um tema e alertam contra a sua imitação. O judeu, ao contrário, deve diferenciar-se deles e ser reconhecido pelo modo de se trajar e por suas outras atividades, assim como está separado deles por seu conhecimento e seus princípios. E assim está escrito: ‘E Eu vos separei de todos os povos (Lv 20,26).” (XI,1, p. 248)

“A tatuagem, mencionada na Torá (Lv 19:28) (…) era o costume dos ateus que costumavam marcar a si mesmos para a idolatria, e dizer que o tatuado era um escravo vendido ao ídolo e marcado para o seu serviço.” (XII,11 – p. 254)

Esta lei cerimonial, como aliás todas elas, tem um sentido simbólico: ela serve para evitar que se confunda o judeu com um idólatra. O seu equivalente hoje em dia seria, por exemplo, uma proibição às católicas de andar vestida de mãe-de-santo, com turbante, roubas brancas e colares coloridos de “guias”.

Mesmo isso, contudo, não existe. Não existe por uma razão muito simples: a Lei de Moisés é uma lei preparatória, uma lei que serve para conduzir a Cristo, que já veio! Na Nova Aliança não temos este tipo de lei, pois o seu papel (ensinar que há diferença entre o Deus verdadeiro e os ídolos, etc.) já foi mais que cumprido. Querer cumprir este tipo de lei preparatória é como querer que motocicletas tenham rodinhas do lado, como as bicicletas de criança.

Além da falta de senso da Fé de quem sequer cogita seguir uma “proibição” dessas “porque tá na Bíblia” (uma Bíblia não deveria jamais ser deixada ao alcance de alguém assim despreparado, aliás), isso pode levar a um pecado gravíssimo: o puritanismo.

Veja também  Leitor pergunta se relato sobre adão e eva é apenas figurativo

O puritanismo moderno é oriundo de algumas seitas inglesas (que perturbaram tanto a paciência de seus conterrâneos que foram expulsos para a América; são os “peregrinos”que chegaram aos EUA no barco Mayflower), mas a tendência ao puritanismo é uma tendência comum de nossa natureza marcada pelo Pecado Original, e deve ser duramente combatida. O puritano acha que é “santo”, que tem “as regras”, e não só segue estas regras à letra (a mesma “letra que mata”, aliás), como fica atazanando a paciência de quem não as segue e acusando de pecado tudo o que, em seu puritanismo, ele resolve que é. Os puritanos modernos tendem a ser anti-tabagistas e anti-álcool, mas qualquer coisa vagamente mal-vista (ou vagamente divertida ou bonita… Mencken dizia que o puritano é alguém que fica roxo de raiva só de pensar que alguém, em algum lugar, está se divertindo…) pode ser alvo deste tipo de fanático perigoso. Este erro é especialmente perigoso por ser ao mesmo tempo um pecado pessoal gravíssimo e um incentivo ao pecado nos outros. O puritano não se cansa enquanto não faz os outros se sentirem culpados por coisas que não são em absoluto pecaminosas (o que já é meio caminho andado para tornar-se outro puritano), e se compraz em sua idéia de ser mais santo que os outros.

Recomendo, aliás, ler o excelente artigo de Chesterton sobre a moral americana (leia-se puritanismo).

Segue um excerto e sua tradução:

The standard of abstract right and wrong apparently is this. That a girl by smoking a cigarette makes herself one of the company of the fiends of hell. That such an action is much the same as that of a sexual vampire. That a young man who continues to drink fermented liquor must necessarily be ‘evil’ and must deny the very existence of any difference between right and wrong. That is the ‘standard of abstract right and wrong’ that is apparently taught in the American home. And it is perfectly obvious, on the face of it, that it is not a standard of abstract right or wrong at all. That is exactly what it is not. That is the very last thing any clear-headed person would call it. It is not a standard; it is not abstract; it has not the vaguest notion of what is meant by right and wrong. It is a chaos of social and sentimental accidents and associations, some of them snobbish, all of them provincial, but, above all, nearly all of them concrete and connected with a materialistic prejudice against particular materials. To have a horror of tobacco is not to have an abstract standard of right; but exactly the opposite. It is to have no standard of right whatever; and to make certain local likes and dislikes as a substitute.

Veja também  A abolição da verdade

=

Eis aparentemente o padrão abstrato de certo e de errado: que uma mocinha que fuma um cigarro faz-se parte das hostes infernais, que tal ação é praticamente a mesma de uma vampira sexual; que um rapazote que continua bebendo bebidas quentes deve necessariamente ser “mau” e negar a própria existência de qualquer diferença entre certo e errado. Este é o “padrão abstrato de certo e errado”que aparentemente é ensinado em uma casa americana. É perfeitamente óbvio, quando o vemos, que não se trata de padrão de certo ou errado algum; isto é exatamente do que não se trata, é a última coisa que qualquer um que tenha a cabeça no lugar diria que isso seja. Não é um padrão, não é abstrato e não tem a mais vaga noção do que signifiquem certo e errado. É uma bagunça de associações e acidentes sentimentais e sociais, alguns esnobes, todos provincianos, mas, acima de tudo, praticamente todos concretos e ligados a um preconceito materialista contra alguns materiais particulares. Ter horror a tabaco não é um padrão abstrato do que é certo, mas exatamente o oposto; é não ter padrão algum do que seja certo, e usar alguns gostos e repulsas em seu lugar.

É exatamente isto o que ocorre com tatuagens, também, ou com qualquer outra maluquice que os puritanos vejam com maus olhos (como, sei lá, cabelos pintados de azul). Os judeus não tinham tatuagens por uma razão muito simples: eles estavam aprendendo a separar certo e errado, estavam aprendendo a não ser idólatras em um mundo em que o monoteísmo só existia ali, com eles. Os idólatras usavam tatuagens? Então os judeus não usavam. Os idólatras usavam cavanhaque? Então os judeus não aparavam os cantos da barba. Os idólatras faziam isso ou aquilo? Então os judeus não.

Veja também  10 razões pelas quais o “casamento” homossexual é prejudicial e deve ser combatido

Não se tratava de atos maus em si, apenas de atos que traziam um significado diferente aos olhos de quem estava em torno (“tatuagem é coisa de idólatra; este tatuado é judeu, logo é possível ser idólatra e judeu ao mesmo tempo”). É exatamente a mesma coisa que faz com que nenhum de nós, por exemplo, se precisar jogar fora algumas velas, pratos de barro e restos de comida, não vai fazer uma obra de arte moderna na encruzillhada: todo mundo que passar vai ter certeza de que o que se está fazendo é macumba!

No caso dos judeus, eles estavam aprendendo o que para nós parece óbvio (ou alguém aqui anda vestido de mãe-de-santo só porque acha chique o turbantão branco?), e por isso Deus precisou especificar uma montoeira de regrinhas, que se fossem hoje incluiriam não usar turbante branco com colares coloridos. Tomar isso fora de contexto para substituir gostos e repulsas por um padrão do que é certo ou errado é um erro gravíssimo.

Como explicar isso de forma mais completa para os que condenam tatuagens?

Mande-os guardar a Bíblia no fundo do fundo do fundo mais fundo de uma gaveta trancada e não chjegar perto de novo antes de ter lido, estudado e entendido o Catecismo inteiro mais todos os documentos citados nas notas de pé de página e a Suma Teológica inteira. Ah, e um bom tratado de Teologia Moral. Alguém capaz de condenar tatuagens em nome de Deus, mais ainda apelando a uma tremenda incompreensão da Sagrada Escritura, seus fins, sua história e seu uso, decididamente não é católico. Colocar uma Bíblia nas mãos de alguém assim é como dar uma coleção de giletes a uma criança pequena.