Conteúdo Antigo

VIDA E OBRA

Religioso e filósofo árabe. Doutor das igrejas grega e romana, suas sínteses teológicas serviram de elo de ligação entre a doutrina cristã grega e a escolástica medieval. Festejado em 27 de março.

As sínteses teológicas escritas por são João Damasceno, doutor das igrejas grega e romana, foram um importante elo de ligação entre a doutrina cristã grega e a escolástica medieval.

João Damasceno nasceu por volta do ano 675, em Damasco, cidade que os árabes haviam arrebatado ao império bizantino quarenta anos antes. Era filho de um funcionário grego do califado, provavelmente coletor de impostos, tarefa em que sucedeu ao pai. Ainda ocupava esse cargo quando, por volta do ano 730, escreveu seus três Discursos sobre as sagradas imagens, em que defendia a veneração das imagens, contra os editos do imperador bizantino Leão III e os iconoclastas (destruidores de imagens). Pouco depois, retirou-se para o mosteiro de Mar Saba, perto de Jerusalém, onde passou o resto da vida entregue a estudar, escrever e pregar.

Escreveu cerca de 150 obras, nas quais pretendia ser o eco fiel das escrituras. “Nada digo que seja meu”, afirmou em seu livro fundamental, A fonte do conhecimento, síntese da filosofia e da doutrina cristã que tornou-se a principal obra da teologia ortodoxa grega. Compõe-se de três partes: a primeira é filosófica (sobre Aristóteles); a segunda, histórica (sobre heresias); e a terceira, teológica. Esta é a mais conhecida e expõe de forma sistemática o pensamento dos escritores eclesiásticos dos primeiros séculos, agrupando os argumentos teológicos por temas, como a existência e a natureza de Deus, o livre-arbítrio etc. A tradução latina dessa parte da obra exerceu, a partir do século XII, grande influência sobre a escolástica. São João Damasceno faleceu no mosteiro de Mar Saba, em 4 de dezembro de 749.

Veja também  Cristo se ofereceu livremente ao sacrifício da Cruz?