• Autor: Jesús Mondragón (Saulo de Tarso)
  • Fonte: Católico, Defiende tu Fe (http://www.catolicodefiendetufe.org/)
  • Tradução: Carlos Martins Nabeto

1) Adão e Eva pecaram por comerem uma maçã

Se perguntarmos para quase qualquer pessoa que não esteja familiarizada com a Bíblia: “Qual foi o pecado de Adão e Eva?”, a maioria delas responderá: “Eles comeram uma maçã”.

Porém, ainda que milhões de pessoas acreditem que isto está na Bíblia, a verdade é que não está! A Escritura não menciona nenhuma maçã; o que ela diz é:

  • “E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: ‘De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás'” (Gênesis 2,16-17).
  • “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela” (Gênesis 3,6).

Não há, pois, nenhuma maçã. O que a Bíblia menciona é “a árvore do conhecimento do bem e do mal”. Então, por que a confusão?

Quando o Papa Dâmaso I pediu ao seu principal erudito, o grande São Jerônimo, que traduzisse a Bíblia hebraica original para o latim (projeto que Jerônimo demorou 15 anos para concluir e que resultou na primeira Bíblia canônica do mundo), ele empregou o latim falado pelo homem comum ou vulgar (daí o nome de “Vulgata latina”), e daí veio a causa dessa confusão: a grande semelhança que há entre o substantivo “mālus” (maçã) e o adjetivo “malus” (mal), do fruto da “árvore do conhecimento do bem e do mal”.

Ambas as palavras são quase idênticas!

2) Davi matou Golias com uma pedra

Quem não conhece a famosa história de Davi, o jovem valente que armado tão somente com uma funda, enfrentou o gigante Golias, matando-o com uma pedra?

Porém, a verdade é que quase todo mundo foi enganado. Davi não matou Golias com uma pedra. Vejamos o que diz exatamente o texto bíblico:

  • “E tomou o seu cajado na mão, e escolheu para si cinco seixos do ribeiro, e pô-los no alforje de pastor, que trazia, a saber, no surrão, e lançou mão da sua funda; e foi aproximando-se do filisteu. (…) E Davi pôs a mão no alforje, e tomou dali uma pedra e com a funda lha atirou, e feriu o filisteu na testa, e a pedra se lhe encravou na testa, e caiu sobre o seu rosto em terra” (1Samuel 17,40.49).

Até aqui, a parte da história que a maioria das pessoas conhecem. Mas há algo mais, que tem passado despercebido:

  • “Por isso correu Davi, e pôs-se em pé sobre o filisteu, e tomou a sua espada, e tirou-a da bainha, e o matou, e lhe cortou com ela a cabeça; vendo então os filisteus, que o seu herói era morto, fugiram” (1Samuel 17,51)

A pedra sobre feriu o gigante, derrubando-o no solo; mas não foi a pedra que o matou. Davi aproveitou a oportunidade, correu, tirou a espada de Golias e com ela mesma o matou, cortando-lhe a cabeça.

3) Salvação apenas pela fé

Milhões de pessoas creem que basta apenas a fé para se salvarem: “Aceita Jesus no teu coração, como teu Senhor e Salvador, e serás salvo”. O seguinte texto bíblico é a base dessa crença:

  • “A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo” (Romanos 10,9).

Porém, com esta crença se dá o que no caso de Davi e Golias, que já vimos. Milhões creem que Golias foi morto por uma pedra, e que isto tem base bíblica, mas não é verdade. Não porque a Escritura minta, mas porque não é tudo o que a Bíblia afirma sobre esse tema. Se se continua a ler, descobre-se que Golias morreu decapitado por sua própria espada. Da mesma forma, se continuarmos a ler tudo o que a Bíblia Sagrada nos tem a dizer sobre a salvação, veremos que ter fé em Cristo é tão somente um primeiro passo, mas não o único, nem muito menos o último.

Em primeiro lugar: não há nenhum texto na Bíblia que afirme: “Somente pela fé serás salvo”.

Até porque a salvação não vem pela fé, mas pela graça de Deus, isto é, a Salvação é um presente de Deus que não merecemos; a fé é apenas um meio entre outros, pelos quais os homens alcançam a salvação:

  • “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2,8).

Aceitar Jesus como seu Senhor, tampouco assegura a alguém a salvação. Há algo mais importante que deve ser feito, sem o qual, nem a fé em Cristo, nem sua aceitação como Senhor, nos servem. E o que é mais importante? A obediência!

  • “Nem todo o que me diz: ‘Senhor, Senhor!’ entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas?’ E então lhes direi abertamente: ‘Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade'” (Mateus 7,21-23).
  • “E por que me chamais ‘Senhor, Senhor’, e não fazeis o que eu digo?” (Lucas 6,46).

Há ainda outra coisa que é mais importante do que a fé e que se não tivermos, tampouco a fé nos servirá para nada:

  • “E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria” (1Coríntios 13,2).
  • “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor” (1Coríntios 13,13).

A salvação somente pela fé não procede da Bíblia. O que ela afirma é justamente o contrário: somente a fé não salva!

  • “Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé” (Tiago 2,24).

Então agora você já sabe: o “sola fides” não está na Bíblia.

4) Ajuda-te e Eu te ajudarei

Esta é uma frase bastante comum. Muitas pessoas que desejam aparentar conhecimento bíblico, esgrimem esta famosa frase: “Pois como diz a Bíblia, ‘ajuda-te e Eu te ajudarei'”.

Mas não. Esta frase não se encontra em nenhum lugar da Bíblia!

5) Elias subiu ao céu em uma carruagem de fogo: sim ou não?

O profeta Elias é bem famoso pelo fato de não ter morrido. Ele foi levado ao céu em corpo e alma. Abundam publicações como esta, de nossos irmãos protestantes, onde se afirmam “coisas que a Bíblia não diz”. E eles enquadram nesta categoria o tema “Elias não foi arrebatado em uma carruagem de fogo”. Para isso, citam:

  • “E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho” (2Reis 2,11).

Concluem então que Elias não subiu ao céu em uma carruagem de fogo, mas em um redemoinho. Por possuírem uma Bíblia incompleta, é natural que os nossos irmãos protestantes cheguem a essa conclusão. No entanto, Elias subiu ao céu em uma carruagem de fogo; é o que afirma a Bíblia em um outro texto que não consta nas Bíblias protestantes:

  • “Tu que foste arrebatado num redemoinho de fogo, numa carruagem puxada por cavalos ardentes” (Eclesiástico 48,9).

Então agora você já sabe: Elias foi levado ao céu em um redemoinho de fogo, numa carruagem de fogo.

6) A Bíblia é a única regra de moral, doutrina e conduta

A ideia de a Bíblia ser a única norma de fé, moral e conduta também é bastante comum em milhões de pessoas. Mas se isso fosse verdade, seria de se esperar que a própria Bíblia o afirmasse. Mas a verdade é que não! Em nenhuma parte da Escritura ocorre a ideia do “somente a Bíblia”. O texto mais usado para afirmar esta ideia é o seguinte:

  • “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça;
    Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra” (2Timóteo 3,16-17).

Como se pode ver facilmente, este versículo não afirma que a Bíblia é a única [regra], mas que é “proveitosa”. De fato, o próprio texto destrói essa ideia ao afirma que a Escritura é proveitosa para que o homem seja preparado para “toda a boa obra”. Com efeito, a Bíblia é um começo “proveitoso”. Com que fim? Para que o homem realize boas obras. Logo, já não é apenas a Bíblia, nem apenas a Fé. São também as boas obras!

A Escritura é proveitosa, mas não é a única [regra]. O oxigênio é proveitoso para a vida humana, mas não é a única coisa que alguém necessita para viver. A água também é proveitosa para a vida e tampouco é a única coisa que se necessita. O alimento é proveitoso para viver, porém tampouco é a única coisa… de modo que se faltar qualquer dessas coisas proveitosas para se viver, o homem morre.

“Toda a Escritura é proveitosa” significa “Somente a Bíblia”? Então, como entender o texto abaixo?

  • “Só Lucas está comigo. Toma Marcos, e traze-o contigo, porque me é muito proveitoso para o ministério” (2Timóteo 4,11).

Enquanto que da Bíblia o Apóstolo São Paulo ensina que é “proveitosa”, de Marcos ele afirma que é “muito proveitoso”! Portanto, Marcos seria mais proveitoso do que a Bíblia? Absurda verdade?

Com efeito, não há na Bíblia nada disso de “somente a Bíblia”. E citar 2Timóteo 3,16-17 não ajuda nada.

7) Somente Cristo salva

Esta é outra afirmação muito comum em milhões de pessoas: “Somente Cristo salva”. E ainda que a frase exista na Bíblia, não existe com o significado que lhe dão os irmãos protestantes.

  • “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4,12).

Cristo é Nosso Senhor e Salvador do mundo, é verdade:

  • “Da descendência deste, conforme a promessa, levantou Deus a Jesus para Salvador de Israel” (Atos 13,23).

No entanto, Deus Pai também nos salva. De fato, a salvação procede do Pai:

  • “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Efésios 2,8).

Maria, inspirada pelo Espírito Santo, chama o Pai de “Salvador”:

  • “E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador” (Lucas 1,47).

O Apóstolo São Paulo afirma que Deus Pai é nosso Salvador e Cristo é nossa esperança:

  • “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, segundo o mandado de Deus, nosso Salvador, e do Senhor Jesus Cristo, esperança nossa” (1Timóteo 1,1).

Somos salvos por crer no Evangelho:

  • “Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado; o qual também recebestes, e no qual também permaneceis, pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão” (1Coríntios 15,1-2).

Através do Batismo, também somos salvos:

  • “Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, o batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo” (1Pedro 3,21).

O Espírito Santo também age para nos salvar mediante o Batismo:

  • “Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, que abundantemente ele derramou sobre nós por Jesus Cristo nosso Salvador” (Tito 3,5-6).

Cristo nos salva, sim. É óbvio. Mas a salvação é obra da Santíssima Trindade: Pai e Filho e Espírito Santo.

Não está na Bíblia que “somente Cristo salva”; não, ao menos, com esse significado protestante. De outra forma, as citações anteriores são mentirosas? Deus Pai não salva? O Espírito Santo não salva? Quando a Sagrada Escritura diz que apenas em Cristo há salvação, refere-se ao seu sacrifício na Cruz, ao fato de que apenas Ele morreu por nós. É o que mostra o contexto de Atos 4,12. Vejamos o contexto, pois dois versículos antes, diz:

  • “Seja conhecido de vós todos, e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, em nome desse é que este está são diante de vós” (Atos 4,10).

A Bíblia afirma que o Pai é o único salvador. Então, quantos “únicos salvadores” há?

  • “Vós sois as minhas testemunhas – diz o Senhor – e meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador” (Isaías 43,10-11).

Então, quando Atos 4,12 afirma que em nenhum outro há salvação, está afirmando que Cristo é Deus, já que faz referência a Isaías 43,11. que acabamos de ver.

8) Noé soltou um corvo após o Dilúvio e este não voltou

Na verdade, o corvo voltou e ficou dando voltas:

  • “E aconteceu que ao cabo de quarenta dias, abriu Noé a janela da arca que tinha feito. E soltou um corvo, que saiu, indo e voltando, até que as águas se secaram de sobre a terra” (Gênesis 8,6-7).

Foi a pomba que não regressou:

  • “Então esperou ainda outros sete dias, e enviou fora a pomba; mas não tornou mais a ele” (Gênesis 8,12).

9) Deus aborrece o pecador

Há uma frase bastante comum entre as pessoas, que diz: “Deus odeia o pecado, mas ama o pecador”. E imediatamente surgem, principalmente entre os irmãos protestantes, aqueles que a acrescentam à lista das “coisas que a Bíblia não diz”. Para isso, citam o seguinte texto:

  • “Os loucos não pararão à tua vista; odeias a todos os que praticam a maldade. Destruirás aqueles que falam a mentira; o Senhor aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento” (Salmo 5,5-6).

Com base neste texto bíblico, concluem que Deus odeia o pecador, da mesma forma como odeia o pecado.

O problema por citar um texto do Antigo Testamente é que este ensina a vingança e o ódio para com os inimigos:

  • “Ah! filha de Babilônia, que vais ser assolada; feliz aquele que te retribuir o pago que tu nos pagaste a nós. Feliz aquele que pegar em teus filhos e der com eles nas pedras” (Salmo 137,8-9).

Um texto nada edificante se se enxerga a luz de Cristo, que no Novo Testamento nos ensinou a superar essa mentalidade e a amar nossos inimigos.

Deus ama o pecador? Claro que sim, nos diz a Bíblia. Vejamos:

  • “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” (Romanos 5,8).

Conclusão: efetivamente, Deus odeia o pecado, mas ama o pecador, principalmente quando ele se arrepende e se converte.

10) Jesus Cristo não é religião, mas relação

Esta é outra frase bastante empregada pelos nossos irmãos protestantes e também por um ou outro “católico” desavisado. Mas está realmente na Bíblia?

A ideia aqui é apresentar a religião como algo ruim. Mas o verdadeiramente ruim aqui é que aqueles que esgrimam essa frase apenas estão passando vergonha, ao manifestar dessa forma a sua ignorância. Isto porque religião e relação são sinônimos, isto é, são exatamente a mesma coisa. “Religião” vem do latim “religare” e significa “reunir, restabelecer uma relação”, de modo que são a mesma palavra em idioma ou raiz etimológica diferente. Ademais, a Bíblia identifica a religião como algo bom:

  • “Ora, nós sabemos que Deus não ouve a pecadores; mas, se alguém é temente a Deus, e faz a sua vontade, a esse ouve” (João 9,31).
  • “Pela fé Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé” (Hebreus 11,7).

E, como podemos ver a seguir, Deus é religião:

  • “Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã. A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo” (Tiago 1,26-27).

11) Não cai a folha de uma árvore se esta não for a vontade de Deus

Também esta frase é muito famosa. A maioria das pessoas que a conhecem jurariam que se encontra na Bíblia. Mas não. Tal frase não está em nenhuma parte da Sagrada Escritura, mas sim no Corão, livro sagrado dos muçulmanos!

  • “E com ele estão as chaves daquilo que não se vê. Ninguém os conhece, senão Ele. E sabe o que há na terra e no mar. Não cai sequer uma folha que Ele não saiba.E não há grão nas trevas da terra e não há [coisa] úmida ou seca, senão que esteja [escrito] em algum registro claro” (Sura 6,59).

Um outro lugar em que aparece é na obra prima da língua espanhola “El Ingenioso Hidalgo, Don Quijote de la Mancha”, de Miguel de Cervantes Saavedra:

  • “Disse dom Quixote: ‘Entrega a Deus, Sancho, que tudo dará certo e talvez até melhor do que você imagina, pois não se move a folha na árvore sem que isso seja a vontade de Deus”.

12) Os três Reis Magos

Não, a Bíblia não diz que eram Reis, nem que eram três. O que ela diz é que eram Magos:

  • “E, tendo nascido Jesus em Belém de Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do oriente a Jerusalém” (Mateus 2,1).

Tampouco seu nomes (Belchior, Gaspar e Baltazar) são mencionados.

13) Deus aperta a corda mas não enforca

Ainda que esse ditado seja bastante popular e comunique uma verdade, o fato é que ele não se encontra em nenhuma parte da Bíblia.

14) Maria Madalena era uma prostituta

A Bíblia não diz que Maria Madalena era uma prostituta. Grupos anticatólicos, feministas e protestantes, atribuem ao Papa Gregório Magno a “terrível maldade” de ter iniciado a difamação de Madalena, quando em sua Homilia 33, no ano de 591, a identificou como uma prostituta.

A verdade é que nunca houve má intenção por parte do Papa, pois hpa uma forte evidência para se idenfiticar Maria Madalena como prostituta. A razão se dá por causa de dois acontecimentos quase idênticos, um narrado por Lucas e outro pelo Apóstolo São João. Acontecimentos estes que muitos especialistas da Bíblia ainda não concordam se Lucas e João narram um mesmo fato ou se são dois fatos bastante parecidos. Eis o primeiro, em que Lucas fala de uma prostituta:

  • “E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com unguento; e, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o unguento” (Lucas 7,37-38).

O segundo relato, quase idêntico, nos é transmitido por São João. Ele menciona a uma Maria e daí nasce a confusão, bastante comum, de que poderia ser a Madalena:

  • “Então Maria, tomando um arrátel de unguento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do unguento” (João 12,3).

O mais provável é que se trate de eventos diferentes, um na cidade de Naim, na casa de um fariseu, onde não se aponta o nome da prostituta; e o outro, na cidade de Betânia, na casa de Lázaro, e protagonizado por Maria, irmã de Lázaro e Marta.

De forma que não foi por maldade da Igreja Católica, nem do Papa Gregório Magno. Identificar Maria Madalena com a prostituta é um erro tão comum que, desde o século II, outros autores a associaram com uma mulher mencionada no Talmud judaico, chamada “Miriam Megaddlela”, que quer dizer “Maria do cabelo trançado”. Na comunidade judaica, esse título era atribuído a uma mulher de má reputação, uma adúltera ou prostituta.

É verdade que a Bíblia não diz que Maria Madalena era prostituta, mas há até uma forte evidência que apoia essa confusão.

Facebook Comments

Livros recomendados

A boa vontadeEnergia NuclearAsterix gladiador