• “O Novo Testamento nos diz muito pouco sobre como o batismo era administrado. Não nos diz quais métodos de batismo eram empregados, se por imersão total, ou infusão, ou aspersão. Possivelmente foi cada uma destas formas, dependendo das circunstâncias” (OLIPHANT, Hugues; “Reformed according to Scripture”, p.10).

Pois bem: iniciarei [esta série de artigos] esclarecendo que entre os católicos – os verdadeiros cristãos – prevaleceram três formas de ablução (lavagem) e a Igreja aponta todas como válidas porque cumpre com o requisito necessário para a lavagem batismal. Estas formas são: imersão, infusão e aspersão[*].

Através dos mais de 2000 anos de História da Igreja, a forma de batismo prevaleceu nessas três formas acima mencionadas e não há como negar isso.

Cabe mencionar que inclusive quando nasceu a mal chamada “Reforma Protestante”, o batismo por infusão também era bastante comum entre eles. A maioria dos grupos protestantes empregam o derramamento, com exceção das denominaçõe batistas (foram os batistas ingleses do século XVII a primeira comunidade a declarar a imersão como essencial para a validade do batismo), juntamente com um número de pequenas denominações, para depois serem seguidas por denominações evangélicas e grupos independentes (seitas) como os mórmons, as testemunhas de Jeová e os adventistas do 7º dia. Foi assim que começou-se a limitar a forma do batismo e a se apegar e a se fechar em uma única opção para tão importante sacramento.

Os que costumam negar que o batismo pode ser aplicado por infusão [ou aspersão], argumentam que a palavra “batismo” tem somente o significado de “mergulhar” e nada mais.

Passarei então a citar três fontes neutras sobre a definição da palavra “batismo”; digo “neutras” porque nenhuma dessas fontes é católica.

1º) O teólogo protestante e erudito em grego James W. Dale, nos afirma que a palavra “batismo” deriva da palavra grega “bapto” ou “baptizo”, a qual siginifica “banhar, molhar, pintar, lavar, submergir”. Portanto, “lavar” é a ideia essencial.

James W. Dale escreveu uma obra de 5 volumes investigando o uso da palavra “baptizo” (grego) na Bíblia. Tanto pelo texto grego quanto pelo costume do povo judeu e dos primeiros cristãos, concluiu que o significado da palavra indica que é correto e mais acertado ser batizado por infusão do que por imersão[1].

2ª) Vejamos agora o Dicionário Bíblico Strong’s, que é um dicionário de grego e hebraico, e um dos mais respeitados no ambiente evangélico:

  • βάπτω, bápto; verbo prim., sobrecarregar, inundar, i.e. cobrir completamente com um fluído; no N.T. apenas em um sentido especial e qualificado, i.e. (lit.) molhar (uma parte de uma pessoa), ou (por impl.) manchar (como que com tinta): —tingir, molhar, banhar. (Diccionario bíblico Strong’s)

Como vemos, ensina que a palavra “batismo” não significa apenas mergulhar, mas tem um sentido mais amplo do que este, pois também significa “molhar” (uma parte de uma pessoa) ou “manchar” (como que com tinta), e “banhar”.

Como uma pessoa pode “molhar” outra pessoa? Sem dúvida alguma, uma das opções seria através da infusão.

Também fala em “banhar”. Como é possível “banhar” alguém? Sem dúvida nenhuma, uma das opções seria também pela infusão, pois o dr. William Smith, em seu Dicionário de Antiguidades Gregas e Romanos, mostra que:

  • “A tina usada para banho não continha água; era usada para que o banhista se sentasse nela e a água era-lhe jogada a partir de cima. Alguns mandam que se jogue água fria; outros, quente. Os que viajam pelo Oriente verificam que este costume prevalece, mesmo quando o banhista vai até um rio. Não é por imersão, mas mediante água corrente que se lança, se derrama ou se goteja sobre o banhista. Parece que a água em movimento é o que busca em todas as partes”.

3ª) Pois bem: vejamos agora o que o Dicionário Bíblico Reina-Valera nos explica sobre o batismo:

  • “As palavras comumente empregadas no NT para denotar esta ordenança são o verbo ‘baptizõ’ e os substantivos ‘baptisma’ e ‘baptismos’; porém, nenhum destes termos é empregado apenas neste sentido. O verbo é usado também para significar a purificação cerimonial dos judeus antes de comer, para que se derrame água sobre as mãos (Lucas 11:38; Marcos 7:4); figuradamente, para significar os sofrimentos de Cristo (Marcos 10:38-39; Lucas 12:50); e, por fim, para denotar a ordenança batisma. ‘Baptizõ’ é a forma intensiva de ‘baptein’, ‘mergulhar’, e tem um sentido mais amplo do que este. Em Hebreus (9:10) ‘baptismos’ se refere às diversas lavagens rituais ordenadas no AT em referência aos ritos do tabernáculo, traduzindo-se como ‘abluções’; sem nenhuma sombra de dúvida, se refere às lavagens ordenadas em Levítico 6:27-28; 8:6; 11; 13; 14; 15; 16; 17; 22:6; Números 8:7.21; 19, etc. As Escrituras não apontam um ensinamento concreto sobre o modo de batismo. O grande tema do batismo é a quem somos batizados (cf. Atos 19:3); porém, a ideia dada pela palavra é a de lavagem, como com os sacerdotes de então (Êxodo 29:4), mais do que como uma aspersão, como com os levitas (Números 8:7)” (Diccionario bíblico Reina Valera).

Como vemos, o Dicionário Bíblico Reina-Valera é bem objetivo e reconhece que a palavra “batismo” possui um sentido mais amplo, pois afirma que o verbo é usado também para significar a “purificação cerimonial” dos judeus, para o “sofrimento de Cristo” em seu Sacrifício e que em Hebreus 9,10 se refere às diversas “lavagens rituais” ordenadas no Antigo Testamento, em referência aos ritos do tabernáculo e que sem sombra de dúvidas se referem às lavagens ordenadas em várias partes do Antigo Testamento (veremos posteriormente esses textos).

Finalmente, este Dicionário nos diz que as Escrituras não possuem um ensino concreto acerca do modo do batismo. Que a ideia dada pela palavra é a de lavagem, como com os sacerdotes de então (cf. Êxodo 29,4), mais do que uma aspersão, como com os levitas (Números 8,7).

Como era a lavagem dos sacerdotes de então? É o que veremos…

—–
NOTAS
[*] Na literatura especializada, especialmente naquela oriunda de países ibéricos, é muito comum inverter o sentido de batismo por infusão pelo batismo por aspersão e vice-versa. Adotaremos nesta tradução o sentido que têm no Brasil: infusão = derramamento da água sobre a cabeça; aspersão = lançamento remoto da água, para que pelo menos algumas gotas atinjam o corpo (N.doT.).
[1] Links para os livros de James W. Dale sobre o tema do Bautismo: https://g.co/kgs/YS1XMb ; https://g.co/kgs/gNvfQ5 ; https://g.co/kgs/vAjE2i ; https://g.co/kgs/zgQUD8

Facebook Comments

Livros recomendados

Anunciar o Evangelho – Mensagens aos CatequistasA quedaConfirmação (Coleção Sacramentos)