Espaço do Leitor

Amável protestante afirma que todas as instituições religiosas são falíveis

Nome do leitor: I.
Cidade/UF: Brasília/DF
Religião: Protestante Pentecostal
Mensagem

Prezado,

Gostei do site. Acredito ser importante conversar sobre doutrina cristã (e de início faço o registro que o tenho como irmão.

Sou convicto cristão (leia a Bíblia e o livro C.S. Lewis “Cristianismo Puro e Simples” e irá compreender meus pensamentos).

Desejo que você escreva sobre a passagem “Ave Maria, rogai por nos pecadores”…A igreja católica acredita em outros intercessores perante o Pai (sejam santos, etc)…Timóteo escreveu (1 Timóteo 2:5) que “só há um intercessor (ou mediador)”.

Em minha posição pessoal, todas as instituições religiosas são falíveis (a igreja primitiva também o era…Foram anos no debate se o evangelho era para a salvação dos gentios), mas o cristão não pode fechar os olhos para os erros que existem no corpo (e não é exclusivo de uma denominação).

Sugiro que você retire do sítio charges e informações puramente ofensivas e sem qualquer intuito de iniciar um debate construtivo sobre doutrina cristã. Sinceramente, não compreendi a razão de tais indelicadezas.

Abraços

Í.

Resposta

Caríssimo I., a Paz do Senhor!

Fico muito grato pelo seu amoroso contato e espero que continue lendo as matérias em nosso site.

A Igreja desde os tempos mais remotos crê na doutrina da comunhão dos Santos. Segundo esta doutrina todos os membros que fazem parte do corpo de Cristo (que é a Igreja) estão ligados entre si.

Com efeito S. Paulo ensinou que “somos membros uns dos outros” (cf. Ef 4,25) e que nossos corpos são membros de Cristo (cf. 1Cor 6,15). “Porque, como o corpo é um todo tendo muitos membros, e todos os membros do corpo, embora muitos, formam um só corpo, assim também é Cristo” (1Cor 12,12). Ainda: “Ora, vós sois o corpo de Cristo e cada um, de sua parte, é um dos seus membros.” (1Cor 12,27).

Como se vê a doutrina da comunhão dos santos está na Bíblia. E também era crida nos primeiros séculos como atestam os escritos dos Pais da Igreja, especialmente os hagiógrafos (escritos sobre a vida e martírio dos heróis da fé).

Ao menos que você creia na doutrina adventista de que os mortos estão dormindo, todos os membros do Corpo de Cristo estão unidos: seja na terra, no purgatório ou no céu.

E se você aqui na terra pode orar por mim o que lhe impediria de orar por mim se estivesse no céu? Com efeito, na paróbola do Rico e de Lázaro, Nosso Senhor mostra que Pai Abrão que alguma forma sabia o que se passava com o pobre Lázaro, mostrando que Deus concede aos Santos conhecer o que se passa aqui na terra.

Quanto a 1Tm 2,5 há uma enorma imprecisão na interpretação protestante. Ora, Jesus é o ÚNICO Mediador entre Deus e os homens no sentido salvífico. Antes a mediação se dava pela Lei de Moisés, agora é através de Cristo (Lei da Graça). Logicamente essa mediação não tem a ver com a oração de uns pelos outros. Se assim fosse, não poderíamos orar pelos nossos irmãos pois só Jesus poderia fazê-lo, tese que é absurda. Para se aprofundar mais sobre esse assunto (e visto que gosta de estudar sobre as coisas do Senhor) recomendo a leitura do meu artigo “A Intercessão dos Santos” (https://www.veritatis.com.br/article/3934).

Uma parte de sua carta me chamou muito atenção: “Em minha posição pessoal, todas as instituições religiosas são falíveis”. Ora, caro Igor, se todas as instituições religiosas são falíveis como saberemos a Verdade? Talvez você objete: temos a Bíblia. Mas, a Bíblia precisa de interpretação e você sabe muito bem que cada demonimação protestante a entende de uma forma totalmente diferente.

Nosso Senhor não nos deixou uma Bíblia, mas a Igreja. A Bíblia só começou a ser formada 4 séculos depois de Cristo! E se toda instituição religosa é falível, isso incluiu a própria Igreja primitiva (como você afirmou) incluindo o tempo dos Apóstolos. Logo, como ficam as decisões que os apóstolos tomaram em At 15, onde mandaram abandonar a Lei de Moisés? Veja que essa decisão não foi dada por Cristo, mas pela Igreja fundada por Ele! Então, caro Igor, se sua proposição é verdadeira, que garantias temos de que os apóstolos tomaram a decisão certa, se toda instituição é falível?

Essa tese protestante contraria o que Nosso Senhor disse: “E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (cf. Mt 16,18). Ora, se a Igreja fundada por Cristo é falível, ela não é divina e nem tem Cristo como sua cabeça (cf. Cl 1.18). Se ela é falível ela não pode ser a “Coluna e o Fundamento da Verdade” (cf. 1Tm 3,15) como ensinou S. Paulo.

Obviamente é preciso distinguir entre a Igreja fundada por Cristo e as falsas igrejas fundadas pelos homens. Também é preciso distinguir que apesar da Igreja Verdadeira ter sua parcela humana, formada por homens pecadores, ela possui a sua parcela Santa e Santificadora que é Deus (Uno e Trino). Pois, também consta na Biblia que na Igreja de Deus até o dia do Juízo, o joio crescerá junto com o trigo (cf. Mt 13,25-30).

Apesar de S. Pedro ter sido um homem muito pecador, chegando a negar o Senhor por três vezes (cf. Mt 26,34-75), Cristo deu SOMENTE a ele a autoridade de confirmar TODOS os outros na Fé (cf. Lc 22,31-32). A Igreja Verdadeira JAMAIS ERRA na Fé, JAMAIS ENSINA O ERRO apesar de sua parcela humana muito pecadora.

Quanto às charges, a Igreja Católica ensina que é pecado fazer caricatura alheia para ironizar ou menosprezar: “A jactância ou fanfarronice constitui uma falta contra a verdade. O mesmo vale para a ironia, que visa depreciar alguém caricaturando, de modo malévolo, um ou outro aspecto de seu comportamento” (Catecismo da Igreja Católica no. 2481). Por essa razão, nossas charges visam apenas mostrar as coisas como elas realmente são e sem caricaturas.

Se há algum material puramente ofensivo em nosso site, por favor nos aponte e justifique. Caso tenha razão teremos o maior prazer em fazer justiça e retirarmos esses artigos.

Eu também moro em Brasília e gostaria muito de conhecê-lo pessoalmente.

Nós do Veritatis Splendor estaremos sempre à sua disposição para tirar-lhe quaisquer dúvidas.

Em Cristo Nosso Senhor,

Alessandro Lima.





About the author

Veritatis Splendor