ARTIGO 9º – SE A DIVINA PROVIDÊNCIA DISPÕE OS CORPOS INFERIORES PELOS CORPOS CELESTES

Respondo dizendo que a intenção geral de todos foi a de, na medida do possível, reduzir a multidão à unidade, e a variedade à uniformidade.

1. Os antigos, por isso, considerando a diversidade das ações nos corpos inferiores, pensaram em reduzí-los a alguns poucos e simples princípios, isto é, aos elementos, muitos ou mesmo um só, e às qualidades elementares. Esta posição, porém, não é razoável.

As qualidades elementares, de fato, são encontradas nas ações das coisas materiais como princípios instrumentais. Sinal disto é que não possuem o mesmo modo de ação em todas as coisas, não podendo as ações destas mesmas coisas chegar a um mesmo término. As qualidades elementares possuem um efeito no ouro, outro na madeira, outro na carne do animal, o que não aconteceria senão por agirem na medida em que são regulados por outro. A ação do agente principal, porém, não se reduz à ação do instrumento como ao seu princípio, mas inversamente, assim como o efeito da arte não deve ser atribuído à serra do artífice. De onde que os efeitos naturais não podem ser reduzidos às qualidades elementares como a primeiros princípios.

2. De onde que outros, isto é, os platônicos, reduziram a diversidade das ações nos corpos inferiores às formas simples e separadas como a primeiros princípios, a partir das quais, conforme diziam, proviria o ser e a geração nas coisas inferiores, assim como toda a propriedade natural. Mas isto também não pode ser, pois de uma causa que se de um mesmo modo segue-se um efeito que se também do mesmo modo; estas formas, porém, eram colocadas como sendo imóveis, de onde que seria necessário que a geração a partir delas fosse sempre uniforme nos corpos inferiores. É o contrário, porém, o que vemos pelos sentidos.

3. De onde que importa colocar que os princípios da geração e da corrupção e dos outros movimentos que se seguem nos corpos inferiores são algo que não se sempre do mesmo modo. É necessário, todavia, que os primeiros princípios da geração e da corrupção sempre permaneçam, de tal maneira que a geração possa ser contínua. É necessário, por isso, que eles sejam invariáveis segundo a substância, e que se movam segundo o lugar para que, pela aproximação e pelo afastamento e pelos movimentos vários e contrários produzam efeitos contrários e diversos nos corpos inferiores. Estes são os corpos celestes, e por isso é necessário reduzir todos os efeitos a estes assim como a causas.

4. Mas nesta redução houve dois erros.

Alguns, de fato, reduziram os corpos inferiores aos celestes como a causas primeiras simplesmente consideradas, pelo fato de julgarem não existir nenhuma substância incorpórea. Diziam, por isso, que os primeiros nos corpos seriam também os primeiros nos entes.

Isto, porém, é manifestamente falso. É necessário, de fato, que tudo o que é movido seja reduzido a um princípio imóvel, já que nada se move a si mesmo e não se pode prosseguir de causa em causa até o infinito. O corpo celeste porém, embora não varie segundo a geração e a corrupção ou segundo algum movimento que varie algo que esteja em sua substância, é movido segundo o lugar. É necessário, portanto, fazer-se a redução a algum primeiro princípio de maneira que assim como as coisas que são alteradas podem ser reduzidas, por uma certa ordem, a um alterante não alterado movido, todavia, segundo o lugar, este também, ulteriormente, possa ser reduzido ao que de nenhum modo é movido.

5. Alguns, porém, colocaram os corpos celestes serem causas dos corpos inferiores não somente quanto ao movimento, mas também quanto à sua primeira instituição. É assim que Avicenna diz na sua Metafísica que a partir daquilo que é comum a todos os corpos celestes, isto é, a natureza do movimento circular, é causado nos corpos inferiores aquilo que lhes é comum, isto é, a matéria primeira, e a partir daquilo em que os corpos celestes diferem entre si é causada a diversidade das formas nos corpos inferiores, de modo que os corpos celestes são intermediários entre Deus e os corpos inferiores inclusive, de certa maneira, na criação.

Isto, porém, é alheio à fé, a qual coloca a natureza de todas as coisas segundo a sua primeira instituição ter sido feita imediatamente por Deus.

Que uma natureza, porém, seja movida por outra, pressupostas as virtudes naturais de ambas as criaturas conferidas por obra divina, não é contra a fé. Colocamos, por isto, os corpos celestes serem causas dos corpos inferiores somente por via de movimento, sendo assim intermediários na obra do governo, não, porém, na obra da criação.

Facebook Comments

Livros recomendados

Dispersão & Outros Poemas (18)Curar-se Para Ser FelizAntônio Torres – Uma Antologia