Espaço do Leitor Respostas a Leitores (por Carlos Ramalhete)

Carta a um Protestante sobre a Comunhão dos Santos

Carta a um protestante sobre a Comunhão dos Santos:

A Comunhão dos Santos não se restringe aos cristãos vivos. A Comunhão dos Santos é de todos os que estão na Graça de Deus, pois “O Deus de Abraão, Isaac e Jacó não é um Deus de mortos”.

Aqui na terra estamos ainda lutando, e lutando dolorosamente, com as consequências do Pecado Original. A cada momento temos que, auxiliados pela graça de Deus, fazermos a escolha entre adorar a Deus (tê-l’O como fim último de nossos atos e afetos) ou a uma criatura. A cada momento escolhemos não matar, não roubar, não mentir, ajudados pela graça de Deus. Nossa natureza, decaída em consequência do Pecado de Adão, nos impulsiona para fazer o mal, e quanto mais mal fizermos mais fácil se torna resistir à Graça (“Não faça o mal e o mal não se apoderará de ti”, diz o Provérbio). É em decorrência deste combate, desta “corrida”, como diz o Apóstolo, que somos a Igreja Militante.

Mas os que estão no Céu com Deus não têm mais o desejo de fazer o mal, não carregam mais consigo as consequências do Pecado Original. Eles já venceram a corrida de que nos fala o Apóstolo (aliás, mudando de assunto: não consigo achar a msg que você mandou sobre “covardia versus temor” para te responder; estou te devendo ainda uma resposta, desculpe-me). Eles são, portanto, a Igreja Triunfante.

São Paulo nos fala, no início do capítulo 12 da Epístola aos Hebreus, de como estamos “rodeados de uma nuvem de testemunhas”, citadas ao longo de todo o capítulo anterior (cabe lembrar que a divisão em capítulos data de muitos séculos depois de São Paulo…). Estas testemunhas (em grego, “mártires”) são os Santos. Eles estão nos ajudando, e nos ajudando com suas orações. Você, mais que muitos, sabe o que é necessário para a oração. Uma visão natural não é necessária; uma audição também não; e, evidentemente, tampouco é necessário que tenhamos sequer a capacidade de falar. A Oração é um anseio da alma, e pertence a ela. Os Santos dedicam-se à oração, incessantemente, a nosso favor. Pela oração eles nos ajudam, pelos seus pedidos a Deus e pelos seus exemplos para nós, eles nos levam a melhor ver a meta a ser alcançada.

Você pergunta: “Será que o caminho para essa futura “comunhão no ceu” não partiria de uma vida santa, depois de arrependimento dos pecados, conversão e vida cristã alicercada na vontade de Deus?”, ao que só posso responder: “Claro!”.

Mas se quisermos aprender a consertar automóveis, devemos buscar a ajuda e o exemplo de quem sabe consertar automóveis, e já os consertou. Se quisermos aprender a cantar, ou a tricotar, ou a tocar um instrumento, o mesmo vale. Isso também se aplica à Salvação. Pelo exemplo e pelas orações dos Santos, aprendemos a sermos nós também Santos; pelo arrependimento dos Santos aprendemos nós também a nos arrependermos de nossos pecados; a conversão dos Santos nos guia e nos serve de modelo para a nossa conversão, assim como a aceitação por eles da Palavra de Deus nos leva a, nós também, aceitá-la.

Dois Santos de minha particular devoção, por exemplo, são Santo Agostinho e São Jerônimo. Santo Agostinho, como eu (que aliás nasci em seu dia!), teve uma vida turbulenta antes de sua conversão. Dado à sensualidade, dado aos prazeres da carne, para ele, como para mim, a conversão foi um processo intelectual difícil, uma lenta e progressiva negação da mentira e aceitação da verdade. O exemplo dado por Santo Agostinho me é estremamente precioso. Ver aquilo por que este Santo passou em seu caminho, as graças que lhe foram concedidas e a sua tenaz resistência a elas no começo me ajudaram imensamente a aceitar por meu lado graças muito parecidas com as que o Santo recebeu.

Do mesmo modo, São Jerônimo, como eu, foi à Terra Santa estudar as Escrituras. São Jerônimo, como eu, dedicou-se aos embates (intelectuais) pela Fé. São Jerônimo, como eu, dedicou-se ao estudo da Escritura.

Mas eles têm algo que eu não tenho: eles estão já junto a Deus, tendo vencido as armadilhas do demônio que os rondou “qual leão a rugir”, estando portanto contados entre os eleitos, sendo parte daquela nuvem de testemunhas de que nos fala São Paulo. Confio nas suas orações. Confio que Santo Agostinho, ao ver-me passando por momentos difíceis como os que ele passou, tendo dificuldades como ele teve para abandonar a luxúria e a sensualidade, orou pedindo a Deus auxílio para este pobre irmão. Do mesmo modo tenho certeza de que São Jerônimo não deixa de incluir em suas orações um pedido a Deus de que cada vez mais o meu programa de rádio, a ele dedicado, floresça e distribua seus bons frutos pelo País.

Assim os Santos, entre os quais como figura de proa evidentemente está Maria Santíssima, nos dão todos a mesma mensagem: “cumpra-se em mim segundo a Tua Palavra”, ao dirigirmo-nos a Deus, e “fazei tudo o que Ele vos mandar”, ao buscarmos saber a correta ação no mundo.

Os Santos nos dirigem para Deus com exemplos que podem ser aplicados à nossa vida. Para quem luta contra a sensualidade, Santo Agostinho é um exemplo (nunca um fim em si, posto que ele nos direciona para Deus); para quem luta contra a cobiça, São Francisco de Assis é um modelo, que mostrando o reto caminho e fazendo-nos ter confiança filial no Pai que nos dá a graça da conversão, nos faz ver mais nitidamente (nos “testemunha”) o caminho a tomar.

E os Santos também nos dirigem a Deus de forma sobrenatural, ao pedir pela oração que Deus nos mande as graças necessárias para vencermos todas as tentações e provações que encontrarmos.

Não há Santos sem Deus; não se pode falar dos Santos sem falar de Deus. O mais augusto título da mais augusta Santa, a Virgem Maria, Mãe de Deus, é um título que justamente nos remete à sua participação na obra máxima da Encarnação, Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Ser Mãe de Deus significa ser mãe de Jesus, ser mãe do verbo feito Carne; significa ter sido aquela que por seu “sim” fez entrar a Salvação no mundo, como o “não” de Eva fez entrar o Pecado.

É portanto uma vida santa, a busca constante da santidade e do perdão dos pecados cometidos (pois se Cristo caiu por três vezes ao carregar a Cruz foi para nos mostrar que todos nós caímos, e temos nos Santos os Cirineus que nos ajudam a nos levantar), que nos leva à Salvação. E os Santos são para nós os exemplos, a, digamos, sinalização da estrada, indicando-nos por seu exemplo a cada encruzilhada o caminho certo. São também irmãos nossos que oram e intercedem por nós, pedindo a Deus que nos dê as graças necessárias para resistir às tentações, para corrigimos a nossa rota quando ela se afasta do Reto Caminho, para, em suma, jogar “fora todo peso e o pecado que nos assedia”; para correr “com perseveranca para o combate que nos cabe, de olhos fitos no autor e consumador da Fé, Jesus.”

Sabemos que nunca estamos sozinhos, sequer estamos apenas “nós e Deus”. Temos irmãos, e belos irmãos. Temos uma família incontável de irmãos que, já na Graça de Deus, já na Visão Beatífica, por nós oram e nossos erros e acertos testemunham.

Mesmo quando tudo parece perdido, temos sempre ao nosso redor uma multidão inumerável de Santos, qual nuvem a nos rodear, mostrando-nos o reto caminho e incitando-nos pelo exemplo e pela oração à perseverança final na dura corrida e no Bom Combate. A Comunhão dos Santos, assim como o amor, vem de Deus e a Deus torna. Não há Santo sem Deus. A Comunhão dos Santos, portanto, se faz por intermédio de Deus. Pelas orações, que Deus faz chegar aos Santos, pelas graças recebidas, etc. O Amor, do mesmo modo, vem de Deus e a Deus deve levar.

Note que Nosso Senhor não se sentou à mesa com os pecadores para incentivá-los no pecado; Ele sempre disse “vá e não peques mais”. Se nós temos (e como temos!) amigos que trilham um caminho errado, nós os amamos, mas não amamos o caminho errado que trilham. Se eu tenho um amigo traficante, por exemplo, eu o amo, mas não amo o seu tráfico. Pelo contrário, odeio o traficante e amo o meu amigo.

Isso ocorre porque eu não o amo “como ele é”, mas como Deus quer que ele seja. Eu não o amo por ser traficante, mas o amo apesar de sê-lo, e rezo diuturnamente para que deixe de sê-lo.

O ser traficante, no caso dele, é algo que o afasta de Deus, algo que o torna menos capaz de Deus. Ora, eu não quero que ninguém vá para o Inferno!, se fosse por mim, iriam todos para o Céu!

É por isso que não amo o traficante em meu amigo, mas amo meu amigo e odeio o tráfico.

Esse é o Amor verdadeiro: o amor que não se limita ao irmão, não pára no irmão como se daí não pudesse avançar. É o amor que leva a Deus, e leva o irmão a Deus. Quando Jesus escandalizou os fariseus ele estava fazendo como meu compadre Padre Adilson, que uma vez escandalisou os fariseus de nosso tempo ao dizer “adoro olhar para o fundo da igreja e ver que está cheio de maconheiros!”. Nosso Senhor estava buscando trazer a Si os pecadores, que Ele ama não por serem pecadores mas por serem capazes de receber a Graça da Salvação, como meu compadre estava trazendo os maconheiros para a Igreja.

Mas a Comunhão dos Santos, apesar de ter pontos em comum, não é a mesma coisa que este amor aos pecadores. Ela é uma comunhão de Santos, ou seja, de quem pode ir para o Céu ou nele está; de quem pelo Batismo ou pela Confissão reuniu-se a Deus e d’Ele tornou-se filho adotivo.

A Comunhão dos Santos é a Igreja, tanto a Igreja Militante (nós, que ainda estamos lutando e buscando perseverar até a Salvação) quanto a Padecente (os que morreram na graça de Deus mas são salvos “como que através do fogo”, por terem ainda apegos desordenados, a “ferrugem do pecado” de que nos fala Sta. Catarina de Sena) e a Triunfante (os Santos no Céu).

A Comunhão dos Santos é a Comunhão dos que estão na Graça de Deus, e ela existe e opera apenas por Deus e em Deus. Uma “comunhão” com o erro (como você diz, com os que têm “conduta e etica diferentes”, “outras formas de fe”) na verdade não é comunhão, mas auto-afastamento de Deus. Devemos sim ir sem medo levar a Verdade a todos, a fariseus, a publicanos e a prostitutas. Todos são seres humanos, que podem e precisam ser salvos. Nenhum deles deve ser maltratado por estar longe de Deus, mas atraído para Ele, pelo exemplo, pela pregação, pelo testemunho.

Mas não podemos substituir a Comunhão dos Santos por uma espécie de amizade aos irmãos caídos em erro, amizade esta que seria aos irmãos por eles, e não aos irmãos por Deus e para Deus.

Não podemos passar a mão na cabeça do ladrão e dizer “vai em frente que você está fazendo a coisa certa”, mas devemos fazê-lo ver o erro do seu modo de vida. Isso só pode ser feito indo a ele, tratando-o como gente e mostrando o nosso amor a ele (e não ao roubo).

Mas isso não é a Comunhào dos Santos. A Comunhão dos Santos é unir em Deus o que é diferente, mas agradável a Deus. É a profecia de Isaías, o cordeiro e o leão lado a lado. Mas o cordeiro não é devorado pelo leão nem o leão se torna um cordeiro. O leão continua leão e o cordeiro continua cordeiro. O que os une é Deus.

A Comunhão dos Santos, portanto, é feita sempre através de Deus e O tendo como fim último.

Amamos o irmão porque Deus o ama, e amamos nele o que Deus ama e o que o faz amar a Deus.

Ao que respondeu ele:

O contexto citado do Livro de Hebreus é muito claro e nada tem a ver com o que você disse. O exemplo dos “cristãos vitoriosos” do passado deve servir para nosso viver diário aqui! E a nuvem de testemunhas é, na realidade, os homens que estão ao nosso redor, vivos! Mortos não são testemunhas!!

Olhaí o preconceito advindo da aceitação de doutrinas meramente humanas em ação…

Você se recusa a aceitar o evidente ensinamento da Escritura porque aceita, antes de aceitar a Escritura, a premissa errônea de que os que faleceram não podem ser testemunhas, já que Lutero inventou isso e você segue a tradição fundada por ele.

Releia os capítulos 11 e 12 de Hebreus e veja.

No capítulo 11 inteiro o Apóstolo escreve sobre os Patriarcas, a fé dos Patriarcas, o testemunho vivo dos Patriarcas, e sobre como eles “não alcançaram a promessa” por não terem Cristo.

Aí ele começa o capítulo 12, dizendo “Deste modo, cercados como estamos de uma tal nuvem de testemunhas”. “Deste modo”, diz o Apóstolo.

É mais que evidente que ele está falando do que ocorreu antes. Não fosse assim, ele não poderia usar esta expressão (“deste modo”), que faz justamente a concatenação, a ponte, entre o que foi dito antes e o que ele está a dizer.

Daí ele continua, falando do exemplo de Cristo, que aceitou a morte de cruz “sem fazer caso da ignomínia” (pois para os judeus a cruz era sinal de ignomínia e perdição), e nos conclama a pensarmos em Sua Paixão para que não façamos caso das ofensas dos pecadores.

Depois ele continua, nos lembrando que “O Senhor castiga a quem ama e açoita todo aquele que recebe como filho”, e nos faz ver que o opróbio dos pecadores é uma graça de Deus.

Em seguida ele nos insta a não termos entre nós pessoas sensuais ou profanadores, e nos lembra de nossa proximidade com o Céu (e note como ele coloca, imediatamente antes de Cristo, os “espíritos dos justos que chegaram à perfeição”, e nos insta a mirarmo-nos no exemplo dos Santos que nos transmitiram a Verdade e de sua morte na Graça de Deus).

Quanto à sua idéia de que o Capítulo 11 inteiro seria apenas um exemplo para o nosso viver aqui na terra, ela não procede por uma razão muito clara: se a “nuvem de testemunhas” de Hb 12,1 fosse composta pelos que estão na terra, como você pensa, seria no mínimo coerente que o texto do capítulo 11 falasse do testemunho dos Patriarcas diante dos descrentes, não da Fé deles em Deus e contra os pagãos.

Ora, o que se fala em relação aos descrentes neste capítulo é exatamente o contrário!: Noé “condenou o mundo” (Hb 11,7); “Moisés (…) foi escondido” (Hb 11,23); os pais de Moisés “não se deixaram amedrontar pelo decreto do rei”(idem, ibidem); Moisés “recusou passar por filho da filha do Faraó, preferindo sofrer maus tratos com o povo de Deus a desfrutar das vantagens passageiras do pecado, considerando maior riqueza do que os tesouros do Egito a humilhação de Cristo, pois punha os olhos na recompensa.” e não temeu “a cólera do rei”. (Hb 11,24-26).

Ao longo dos capítulos 11 e 12 o Apóstolo simplesmente nos mostra o oposto do que você quer ver. Lembre-se de que o Apóstolo não era protestante…

Você, simplesmente por aderir a uma heresia que prega serem os falecidos incapazes de testemunhar, nega a verdade da Escritura e torce o texto até significar o contrário, sô!

Se fosse como você quer, para que o Apóstolo pudesse escrever as palavras fatídicas “deste modo”, o capítulo 11 teria que narrar como José pareceu bom aos olhos do faraó, como Moisés pareceu santo aos olhos de todos, como Abraão foi honesto ao comprar a terra para seu túmulo…

Reitero o meu convite: abandone estas fábulas e volte para a verdadeira Fé., Esqueça os falsos pastores, esqueça os falsos doutores e as seitas perniciosas, as mentiras que homens gananciosos inventaram. Bem sei que elas parecem fazer sentido, afinal “enganariam até mesmo aos eleitos, se tal coisa fosse possível”.

Mas são mentira.





About the author

Católico Porque...