NOTA DO VERITATIS SPLENDOR: A carta que agora apresentamos aos nossos leitores é de nosso conhecimento já algum bom tempo. Sempre procuramos atacar erros e não pessoas ou entidades. Porém, devido ao grande mal que a Associação Cultural Montfort está trazendo às almas, tivemos que também apontar quem erra. Essa carta foi escrita por um ex-membro fundador daquela Associação que já há muito tempo deixou de ser católica para se tornar uma seita leiga.

Prezado Sr. X

Salve Maria!

Respondo à sua carta.

Não sei como o senhor me conheceu, mas suas informações são exatas: fui da TFP de 1974 a 1982 e da Montfort desde a fundação desta associação até 2002, quando me afastei devido a graves problemas doutrinários e morais desta associação.

Eles não são mais católicos que o próprio catolicismo, se me permite discordar. Eles estão lentamente e, em muitos casos, inconscientemente, deixando de ser católicos, criando uma igreja autocéfala. Eles ainda se dizem submissos à Hierarquia da Igreja, mas repare como eles escolhem nos documentos da Igreja aquilo que lhes convém aceitar e obedecer.

Assim, por exemplo, no Motu Próprio do Papa Bento XVI eles aceitam e até se rejubilam pelo retorno de Missa Tradicional (o que de fato é uma coisa ótima), mas recusam a aceitar que não haja nada de errado com a Missa de Paulo VI, como é dito no mesmo documento. Eles aceitam a criação do Instituto Bom Pastor (IBP) só porque por um raciocínio sofístico pretendem

que a criação desse instituto seja um reconhecimento de que há erros no próprio texto do Concílio Vaticano II. Por outro lado, quando o Papa diz que não há outro modo de ser católico a não ser aceitando o Concílio Vaticano II, eles fingem que não é com eles.

Assim de escolha em escolha, a Montfort dá os primeiros passos no caminho de todos os hereges. Não por coincidência, a palavra “herege” significa etimologicamente “escolha”. Lutero dizia, no seu tempo, que a Igreja tinha se corrompido, apontava os escândalos do Papa e da Cúria Romana – muitas vezes verdadeiros – como prova disso; citava Santo Agostinho para mostrar como a Igreja tinha “adulterado” a doutrina da graça – de fato, essa questão foi muito discutida depois de Santo Agostinho; dizia que a doutrina do purgatório era uma invenção medieval – a palavra “purgatório” só começou a ser usada no século XII. Como remédio para as “deturpações” da Igreja Romana , ele recomendava um retorno às Escrituras na forma do “livre exame”. Essas Escrituras, naturalmente interpretadas pelos “bons pastores” seriam a própria voz do Espírito Santo para os cristãos.

Mutatis mutandis é exatamente o que faz a Montfort. Não é pródiga nos seus artigos e nas suas reuniões a arte de difamação do clero? Já leu o senhor as absurdas acusações que o Prof. Fedeli faz a Pio XII no seu estudo sobre o Movimento Litúrgico? E nas reuniões, já lhe falaram da Madre Pasqualina? Sabe o senhor a quem se refere o epíteto “Johnny Walker”? E não diz o site da Montfort que a doutrina do Concílio Vaticano II é “gnose” mal disfarçada? Não se corrompeu o Santo Sacrifício com o gnóstico rito do maçônico Mons. Bugnini? E qual é a solução, para a Montfort? Manter-se fiel à “Tradição”, virar as costas ao Magistério da Igreja, quando este se afasta da “doutrina de sempre”. Não é exatamente o mesmo esquema de Lutero?

Faltou apenas um elemento: os “bons pastores”. Alguém precisa dizer qual é a “doutrina de sempre”, como aplicá-la à situação atual, como separar o joio do trigo nos documentos pontifícios. Terá já a Montfort um “bom Pastor” nesta tarefa? Certamente não tardará a encontrá-lo.

“Há um caminho que parece reto, mas conduz ao fundo do abismo”, diz o livro dos Provérbios. Esse é o “sendero” da Montfort.

Mas porque tantas pessoas são atraídas pela Montfort? Uma pessoa a eles ligada me disse num e-mail: “A Montfort é um feudo”. Obviamente não se trata do sentido etimológico da palavra: uma possessão territorial, nem do sentido de “panela” em que hoje o termo é usado. A expressão designa uma relação entre pessoas: na Montfort existe um suserano e existem vassalos. Ao entrar no movimento a pessoa entrega ao líder sua inteligência, sua fidelidade, seu tempo. Ela deve aceitar os oblíquos raciocínios e as malsãs calúnias do Prof. Fedeli, mesmo percebendo que há algo de torto em tudo isso. Em troca o neófito ganha formação para entender o mundo atual e a proteção da Graça de Deus.

Obviamente é uma troca injusta: o Prof. Fedeli faz uma apropriação indébita da graça. Numa reunião ele chegou a dizer que todas as graças para os membros da Montfort vêm através dele. Também não se diz que só existe a Graça de Deus dentro da Montfort, mas na prática quem sai da associação se corrompe. É claro que existem muitos pecados – e de todos os tipos – dentro da Montfort e muitas virtudes fora (também há virtudes dentro da Montfort e pecados fora) porque as barbacãs da Montfort não são limítrofes da Graça de Deus e nem obstáculo à ação do demônio. Para manter essa ilusão de segurança no feudo é preciso criar falsas prescrições morais que só num grupo fechado podem ser praticadas: começa com a proibição da calça comprida para as mulheres e o senhor não imagina onde vai parar.

A respeito das promessas da Montfort vale bem o antigo provérbio: “nem tudo o que reluz é ouro”.

Já vai grande essa mensagem, por isso termino com minha opinião, como o senhor pediu. Mantenha-se bem fiel à Igreja Católica e ao seu Magistério, que vem do Concílio de Jerusalém até os dias de hoje e, como Nosso Senhor prometeu, durará até o fim do mundo. Reze muito, tenha um bom confessor e seja assíduo aos sacramentos. Jamais falte à Missa, qualquer que seja o rito, desde que aprovado pela Igreja. Na medida do seu tempo procure estudar as Encíclicas recentes, de João Paulo II e de Bento XVI e encontrará aí tesouros de sabedoria e de formação espiritual. Tenha uma imensa confiança em Nossa Senhora.

Quanto à Montfort, basta lembrar o verso de Dante: “non ragioniam di lor, ma guarda e passa”.

Recomendo-me às suas orações.

Atenciosamente,

Facebook Comments

Livros recomendados

O Fundador do Opus Dei – 3 Vols.A Lenda de João, o AssinaladoOrdem