CARTA DO IMPERADOR CONSTANTINO AO CONCÍLIO DE NICEIA

Quando a questão relativa à sagrada celebração da Páscoa surgiu, universalmente se considerou que seria conveniente que todos mantivessem a celebração num mesmo dia, porque o que seria mais belo e mais desejável do que ver essa Festa, pela qual recebemos a esperança da imortalidade, ser celebrada por todos, em comum acordo, de uma mesma forma?

Chegou-se à conclusão de que era particularmente indigno que a mais sagrada das festas seguisse o costume (e o cálculo) dos judeus, que haviam manchado suas mãos com o mais terrível dos crimes e cujas mentes estavam cegas. Rejeitando o seu costume, nós poderemos transmitir aos nossos descendentes o modo legítimo de celebrar a Páscoa, que temos desde o tempo da Paixão de nosso Salvador até o presente (de acordo com o dia da semana).

Não podemos, portanto, ter nada em comum com os judeus, porque o Salvador nos mostrou um outro caminho; nosso trabalho segue um curso mais legítimo e mais conveniente (a ordem dos dias da semana): e, consequentemente, deste modo, numa adoção unânime, desejamos, caros irmãos, separar-nos da imprópria companhia dos judeus, porque nos é verdadeiramente vergonhoso os ouvirmos se vangloriarem de que, sem sua orientação, não podemos guardar essa Festa. Como podem eles estar corretos, se após a morte do Senhor, não se apóiam mais na razão, senão na violência, já que a ilusão é quem os impele?

Eles não possuem a verdade na questão da Páscoa, porque, em sua cegueira e aversão a todas as provas, freqüentemente celebram duas Páscoas no mesmo ano. Não podemos imitar aqueles que estão abertamente em erro. Como, então, podemos segui-los se estão, de fato, muito errados? Ora, celebrar a Páscoa duas vezes no ano é totalmente inadmissível. Mas, mesmo que não fosse assim, ainda permaneceria como vosso dever não manchar vossas almas tendo comunicação com aquele povo.

Além disso, considerem bem que, em tão importante questão, a respeito de solenidade de suma importância, não deveria haver divisão entre nós.

Nosso Salvador nos deixou somente um dia festivo de nossa redenção, ou seja, o dia de sua santa Paixão e ele quis estabelecer uma única Igreja Católica. Pensem, então, quão irregular é que no mesmo dia alguns estejam jejuando, enquanto outros estão sentados num banquete. E que após a Páscoa, alguns estejam se regozijando em festas, enquanto outros ainda estão observando um rigoroso jejum.

Por esta razão, a Divina Providência quer que este costume seja retificado e regulado de maneira uniforme. Todos, eu espero, irão concordar neste ponto. Se, de um lado, é nosso dever nada fazer em comum com os que condenaram Nosso Senhor, e, por outro lado, se dentre os costumes agora observados pelas Igrejas do Ocidente, do Sul e do Norte e algumas do Oriente, há um mais recomendado, que seja ele aceito por todos. Eu estou seguro de vosso acordo, de que o que parecer bom para todos e que tenha sido combinado por vosso consenso seja aceito, com alegria, como o que será seguido por Roma, África, toda a Itália, Egito, Espanha, Gálias, Bretanha, Líbia, toda a Grécia, as dioceses da Ásia, do Ponto e da Cilícia. Vós devereis considerar não somente que o número de igrejas nessas Províncias sejam a maioria, mas também que se procure a solução que nossa razão aprova e a que não tenha nada em comum com os judeus.

Para resumir em poucas palavras: Por unânime julgamento de todos, que se decida que a sacratíssima Festa da Páscoa seja, universalmente, celebrada num mesmo dia. Está claro que em tão sagrado assunto não deverá haver nenhuma divisão. E é o caso de aceitar, alegremente, o favor divino e esta verdadeira ordem. Todos os que participam das assembléias de bispos devem considerá-la procedente da vontade de Deus. Façam saber a vossos irmãos que o que for decretado, seja obedecido na celebração do santíssimo Dia. Poderemos assim celebrar a santa Páscoa simultaneamente. Se isso me for concedido, como espero para unir-me a vós, poderemos alegrar-nos juntos, considerando que o Poder Divino fez uso de nós como instrumento para destruir os desígnios malignos e, assim, trazer fé, paz e unidade para que floresçam em nosso meio. Possa Deus, meus irmãos, vos proteger com sua Graça.

  • Fonte: Agnus Dei
  • Tradução: José Fernandes Vidal
Facebook Comments

Livros recomendados

Ordo Missae – Ordinário da Santa MissaA cólera dos imbecis – Cartas de um terráqueo ao Planeta Brasil – Volume XA psicologia da fé