BRASILIA, 19 Mai. 10 / 05:21 pm (ACI).- A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou hoje o texto substitutivo da deputada Solange Almeida (PMDB-RJ) ao Projeto de Lei 478/07, elaborado pelos deputados Luiz Bassuma (PV-BA) e Miguel Martini (PHS-MG), que cria o Estatuto do Nascituro. O texto define que a vida humana começa na concepção, o que eliminaria a hipótese de aborto em qualquer caso. O texto aprovado pode mudar a legislação para que a mulher vítima de estupro seja proibida de abortar. A proposta segue agora para a votação nos plenários da Câmara e do Senado.

A parlamentar Solange Almeida ressaltou no substitutivo que, desde a concepção, são reconhecidos todos os direitos do nascituro, em especial o direito à vida, à saúde, ao desenvolvimento e à integridade física. “A criança não pode pagar pelo erro dos pais”, ressaltou.

A principal mudança em relação à legislação atual, segundo Almeida, é que, se o projeto virar lei, a mulher vítima de estupro não poderá mais abortar.
Hoje, além dos casos de estupro, é assegurado o direito de abortar quando há risco de vida para a mãe.

Votos contrários
O texto, que aproveitou também os projetos apensados (PL 489/07, PL 1763/07 e PL 3748/08), foi aprovado contra os votos dos deputados Dr. Rosinha (PT-PR), Henrique Fontana (PT-RS), Darcísio Perondi (PMDB-RS), Arlindo Chinaglia (PT-SP), Rita Camata (PSDB-ES), Jô Moraes (PCDOB-MG) e Pepe Vargas (PT-RS).

Fontes do Movimento em Defesa da Vida assinalam que é importante “manter a mobilização junto as demais comissões do Congresso e quando da votação em plenário na Câmara e do Senado”.
Para ver a lista de deputados e parlamentares que devem ser contatados para votar pela vida nas seguintes assembléias da Câmara veja também:
http://www.acidigital.com/noticia.php?id=18998

A proposta na íntegra pode ser vista na página da Agência Câmara:
http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/SAUDE/147999-SEGURIDADE-APROVA-ESTATUTO-DO-NASCITURO.html

Facebook Comments

Livros recomendados

A boa vontadeA senhoriaO que mais importa aprender