Deus Uno e Trino

Como podemos usar as Escrituras para mostrar que o Espírito Santo procede do Pai e do Filho?

Por Catholic Answer

Pergunta: Na edição de dezembro de 1993, “This Rock” publicou uma coluna de que o Espírito Santo a procede do Filho, bem como do Pai. Como podemos mostrar isso a partir da Escritura?

Resposta: Uma prova disso é que o Espírito Santo é mencionado nas Escrituras como tanto o Espírito do Pai (Mt 10,20, Rm 8,10-11, 2 Coríntios 1,21-22, Ef 3,14-16) e como espírito do Filho (Rm 8,09, Gal 4,06, Fil 1,19, 1 Ped 1,11). Declarações dizendo que o Espírito vem “de” as outras duas Pessoas da Trindade indicam que a pessoa está intimamente ligada (assim como o Filho é o Filho do Pai).

A segunda prova é que a relação externa do modelo da Trindade tem seus elos internos. Em João 14,26, o Espírito é dito que procede do Pai, mas um capítulo posterior, em 15:26, Jesus afirma que vai enviar o Espírito do Pai. A mesma relação se reflete em Atos 2,33, onde Pedro afirma que Jesus recebeu o Espírito do Pai e vai envia-lo.

A explicação filosófica disso é encontrada no Concílio de Florença, que afirmou em 1439: “Como o Pai tem por gerações dado ao Filho unigênito tudo o que pertence ao Pai, o Filho, tem também elos eterno com o Pai, de quem ele é eternamente nascido, que o Espírito Santo procede do Filho “(Decreto para os gregos).

O Espírito procede do Pai e do Filho, porque o Pai entregou todas as coisas ao Filho, incluindo a vinda do Espírito Santo. O Catecismo nos ensina:

246. A tradição latina do Credo confessa que o Espírito «procede do Pai e do Filho (Filioque)». O Concílio de Florença, em 1438, explicita: «O Espírito Santo […] recebe a sua essência e o seu ser ao mesmo tempo do Pai e do Filho, e procede eternamente de um e do outro como dum só Princípio e por uma só espiração […] E porque tudo o que é do Pai, o próprio Pai o deu ao seu Filho Unigénito, gerando-O, com excepção do seu ser Pai, esta mesma procedência do Espírito Santo, a partir do Filho, Ele a tem eternamente do seu Pai, que eternamente O gerou» (56).

248. A tradição oriental exprime, antes de mais, o carácter de origem primeira do Pai em relação ao Espírito. Ao confessar o Espírito como «saído do Pai» (Jo 15, 26), afirma que Ele procede do Paipelo Filho (58). A tradição ocidental exprime, sobretudo, a comunhão consubstancial entre o Pai e o Filho, ao dizer que o Espírito Santo procede do Pai e do Filho (Filioque). E di-lo «de maneira legítima e razoável» (59), «porque a ordem eterna das pessoas divinas na sua comunhão consubstancial implica que o Pai seja a origem primeira do Espírito, enquanto «princípio sem princípio» (60), mas também que, enquanto Pai do Filho Único, seja com Ele «o princípio único de que procede o Espírito Santo» (61). Esta legítima complementaridade, se não for exagerada, não afecta a identidade da fé na realidade do mesmo mistério confessado.

264. «O Espírito Santo procede do Pai enquanto fonte primeira; e, pelo dom eterno do Pai ao Filho, procede do Pai e do Filho em comunhão»

Traduzido por Thiago Rodrigo, para o Veritatis Splendor, do original em inglês “How can we use Scripture to show the Holy Spirit proceeds from the Father and the Son?” da web site catholic.com.





About the author

Veritatis Splendor