Conta Fulton J. Sheen, numa de suas célebres conferências pela TV.

 

Conheço um judeu que durante a guerra mundial estava escondido no buraco aberto por uma bomba, juntamente com quatro soldados Austríacos. Rebentavam e se espalhavam estilhaços por todos os lados.

 

            De repente, uma bomba mata os seus quatro companheiros. Pega, então, no Rosário de um deles e começa a rezá-lo. Sabia-o de cor, pois muitas vezes o ouvira rezar aos outros.

 

            No fim da primeira dezena, teve o pressentimento de que devia deixar o seu esconderijo. Arrasta-se por cima da lama e da imundície e lança-se noutro buraco. Neste momento, uma granada cai em cheio sobre aquele em que anteriormente se refugiara.

 

            Ao terminar cada uma das outras quatro dezenas, novo pressentimento lhe vem de que devia mudar de lugar, e assim fez. Verificaram-se quatro novas explosões em cada buraco por ele abandonado.

 

A sua vida foi salva. Promete dedicá-lo a Nosso Senhor e à sua Santa Mãe.   Novos sofrimentos o aguardavam, depois da guerra, pois a sua família fora incinerada por Hitler.

 

Apesar de tudo, manteve sua promessa. No ano passado batizei-o, e está agora estudando a fim de se preparar para o sacerdócio.

Facebook Comments

Livros recomendados

O capital: Livro 1 – O processo de produção do capital (Vol. 2)Politização da Bíblia – As raízes do Método Histórico-Crítico e a secularização da Escritura (1300-1700)Estudos sobre o amor