Respostas Católicas

Diáconos, presbíteros, bispos e… cardeais?

– Eu estou convencido de que a Bíblia fala de Bispos, Presbíteros e Diáconos; mas onde ela fala de Cardeais? (Anônimo)

Ela não fala, assim como a Igreja também não afirma que o cardinalato seja um múnus sacramental ou bíblico. O título de “Cardeal” designa um assistente papal de alta posição e conselheiro direto do Papa em um consitório. De acordo com o Direito Canônico, “os Cardeais da Santa Igreja Romana constituem um Colégio peculiar, ao qual compete assegurar a eleição do Romano Pontífice de acordo com o direito especial; os Cardeais também assistem ao Romano Pontífice agindo colegialmente, quando são convocados para tratar juntos as questões de maior importância, ou individualmente nos diversos ofícios que exercem, prestando ajuda ao Romano Pontífice, principalmente no cuidado cotidiano pela Igreja universal” (cânon 349).[1]

Como um corpo único, os cardeais constituem o Sacro Colégio de Cardeais e cabe a eles (representando o povo e o clero de Roma) a tarefa de eleger um novo Papa (um novo Bispo de Roma) em razão da morte ou abdicação do anterior.

Embora muitas vezes os Cardeais sejam chamados de “Príncipes da Igreja”, suas funções não se encontram intrinsecamente ligadas ao sacramento da Sagrada Ordem. Na verdade, em diferentes momentos na História da Igreja – principalmente durante a Renascença – leigos serviram como cardeais, sendo que o último faleceu em 1876.

Por mais de um século os cardeais foram escolhidos entre os Bispos, mas em tempos recentes a regra foi um pouco modificada. Frei Henri de Lubac, por exemplo, não era Bispo. E o Papa João Paulo II chegou a nomear Cardeal outro Presbítero – Hans Urs von Balthasar – mas ele faleceu poucos dias antes de receber o chapéu vermelho.

A palavra “Cardeal” vem do termo latino “Cardo” e significa “gonzo”, demonstrando a alta importância que desempenha no governo da Igreja.

—–
Nota:
[1] Optamos por transcrever aqui o atual cânon 349 ao invés do cânon 230 do antigo Código de Direito Canônico de 1917, empregado na resposta original (N.doT.).


Livros recomendados

A Alegria do MundoO Diabo, Lutero e o ProtestantismoA Confissão





Veja também  O que Jesus fez de mais notável no terceiro ano de seu ministério?

About the author

Veritatis Splendor