Livros Bíblicos

Dicionário bíblico – letra b

BAAL
Termo hebraico que significa "senhor". É o nome do deus mais importante e mais popular da Síria, Fenícia e Canaã. Este deus era considerado o senhor do céu e, conseqüentemente, o deus da chuva, da vegetação e da fertilidade em geral. Seu culto sempre atraiu os israelitas (1Reis 16,31-33 18,20s), apesar de combatido pelos profetas (Jeremias 2,23 Jeremias 11,13 Ezequiel 6,4-6 Oséias 13,1-6). Baal é também o nome genérico das divindades de Canaã (cf. Juízes 2,11).

BABILÔNIA
Ou "Babel", é a capital da Babilônia. Babel significa "porta de Deus". Mas a etimologia popular da narrativa da torre de Babel (cf. Gênese 11,1-9 e nota) deturpou o sentido para "confusão". Para a Babilônia foram deportados os judeus ao ser destruída Jerusalém em 587 a.C.(2Reis 25). Na literatura apocalíptica, Babilônia-Jerusalém se contrapõem como Anticristo-Cristo (Gênese 11,2-9 e Atos 2,5-12). Babilônia é a cidade da técnica, Jerusalém da graça; Babilônia é a prostituta, Jerusalém, a esposa (Apocalipse 17,1-5 Apocalipse 19,2 Apocalipse 21,2). Esta Babilônia, nome simbólico de qualquer nação hostil a Deus, está constantemente em luta com a Igreja (Apocalipse 17,18 1Pedro 5,13).

BALAÃO
Profeta pagão, muito famoso na Transjordânia (cf. Números 22,5), contratado pelo rei de Moab para amaldiçoar os israelitas, prestes a conquistar Canaã (Números 22-24). A narrativa popular mostra como Deus se serviu de uma mula para levar Balaão a abençoar Israel.

BARNABÉ
Apelido, que significa "filho da consolação" (Atos 4,36), dado a José, um levita de Chipre, convertido ao cristianismo. Era um modelo de generosidade e vivia em Jerusalém. Foi ele quem acolheu Saulo, recém-convertido, e serviu de intermediário entre Saulo e os apóstolos (Atos 9,27). Foi companheiro de apostolado de Paulo até o concílio dos apóstolos (Atos 11,22-30 Atos 13-14 Atos 15,2-30; Gálatas 2,1 Gálatas 2,9). A partir da segunda viagem separou-se de Paulo (Atos 15,36-39), com quem voltou a colaborar mais tarde (1Coríntios 9,6).

BARTOLOMEU
Nome de um dos doze apóstolos (Mateus 10,3 Atos 1,13). Provavelmente deve ser identificado com Natanael (João 1,45).

BATISMO
Banhos sacros de purificação de impurezas morais ou rituais, ou para conceder forças vitais, eram conhecidos por vários povos antigos. Na religião israelita a imersão na água era usada para a purificação da lepra curada (Levítico 14,8), para tirar a impureza sexual (Levítico 15,16-18) ou resultante do contato com um cadáver (Números 19,19). Tal rito purificatório, aplicado aos prosélitos, tornou-se uma espécie de rito de iniciação do judaísmo, quase tão importante como a circuncisão. Semelhante ao batismo dos prosélitos é o batismo administrado por João Batista. Mas sua característica é o forte apelo à conversão moral, que prepara a vinda do Reino de Deus (Marcos 1,4). João Batista batiza apenas em água, sem o espírito. Por isso seu batismo é imperfeito (Mateus 3,11 Atos 1,4s), o mesmo acontecendo com o batismo que os Doze administravam, antes do dom do Espírito (João 4,1-2 João 7,37-39).
O batismo cristão é considerado superior ao de João porque não é feito apenas com água, mas com o Espírito Santo (Mateus 3,11 João 1,33 Atos 1,5 Atos 11,16). A associação água-espírito já aparece nos profetas (Ezequiel 36,25-26 Joel 3,1-2 Isaías 32,15-18 Isaías 55,1-10), e se verifica no Batismo de Jesus, que constitui a sua investidura messiânica (Mateus 3,13-16 João 1,29-34).
Batismo e fé: Para salvar-se é preciso ter fé (João 3,36 Romanos 10,9-11 Marcos 16,16) e ser batizado (Romanos 6,3-7 Tito 3,4-5 João 3,5 João 4,2-30). Por isso se batizavam até os mortos (1Coríntios 15,29). Daqui o trinômio: Pregação, Fé, Batismo (Hebreus 6,1-2 Hebreus 10,22 Mateus 28,19).
Batismo e Igreja: o batismo incorpora à Igreja (1Coríntios 12,12-13 1Coríntios 10,1-2); é o sacramento das bodas de Cristo com a Igreja (Efésios 5,25-27); é um revestimento de Cristo (Gálatas 3,27); é um sepultar-se com ele (Romanos 6,1-11 Colossenses 2,11-13); perdoa os pecados, concede o dom do Espírito e a participação na Ressurreição de Cristo (Atos 2,38 Colossenses 2,2 Romanos 6,3-11 1Pedro 3,21). Ver "Ablução", "Penitência".

BELZEBU
Significa "senhor do esterco", isto é, dos sacrifícios oferecidos aos ídolos. É o nome do deus cananeu, chamado no Antigo Testamento Baal-Zebub ("senhor das moscas"), divindade da cidade filistéia de Acaron. No Novo Testamento "Belzebu"era o nome que os fariseus davam ao príncipe dos demônios (Marcos 3,22 Mateus 12,24s).

BEM-AVENTURANÇAS
As bem-aventuranças são um tema da literatura sapiencial. São a ciência da felicidade. Bem-aventuranças aplicadas à felicidade humana (Salmo 127 Salmo 128 Eclesiástico 25,8-11 Eclesiástico 26,1-4).
Israel é feliz por ter a Deus como o rei (Salmo 33,12-17 Salmo 144,15 Baruc 4,4 Deuteronômio 33,29). O rei era considerado fonte de felicidade para os seus vassalos (1Reis 10,8).
A observância da Lei torna o homem feliz (Salmo 1 Salmo 119,1-2 Salmo 106,3 Isaías 56,2 Provérbios 29,18). O mesmo sucede com a meditação da sabedoria (Provérbios 3,13 Provérbios 8,32-33 Eclesiástico 14,2); ou com o temor de Deus (Salmo 119,1-2 Salmo 128,1 Eclesiástico 25,8-11); ou com a confiança nele (Salmo 2,12 Salmo 34,9 Salmo 84,13 Provérbios 16,20).
Partindo da experiência de que nem o justo é, às vezes, feliz neste mundo, os profetas proclamam a bem-aventurança dos que virem os últimos tempos (Daniel 12,12 Isaías 32,20 Eclesiástico 48,11 Tobias 13,14-16 Malaquias 3,12-15).
No Novo Testamento,muitas bem-aventuranças declaram que a felicidade está à porta, pois chegaram os últimos tempos (Mateus 13,16 Lucas 1,45 Lucas 11,27-28 João 20,29). Neste sentido Jesus proclamou as bem-aventuranças: O Reino traz a felicidade aos cegos, aos que choram, etc. Lucas 6,20-26 deu-lhes uma feição social (cf. Lucas 4,18-19 Lucas 14,13s; 1Pedro 3,14 1Pedro 4,14) e Mateus, uma dimensão moral, a justificação (Mateus 5,3-11).
As bem-aventuranças do Apocalipse conservam a sua característica escatológica (Apocalipse 14,13 Apocalipse 16,15 Apocalipse 19,9 Apocalipse 20,6 Apocalipse 22,7 Apocalipse 22,14).

BÊNÇÃO
Pode ser entendida como louvor do homem que bendiz a Deus por suas obras ou benefícios recebidos. Tal tipo de bênção (bendição) é freqüente nos Salmos. Bênção é também a ação de Deus em relação ao homem, enquanto objeto de seus benefícios, como a vida, a fecundidade, a paz e o bem-estar em geral (cf. Salmo 131 Salmo 134). Na Bíblia a bênção pode ser pronunciada pelo homem. Assim, os sacerdotes abençoam diariamente os israelitas (cf. Números 6,23-27 e nota); os patriarcas abençoam os filhos antes de morrer (Gênese 9,26s; Gênese 27,27-29 Gênese 49 Deuteronômio 33). O homem pode ser também intermediário da bênção divina, como Abraão, escolhido para nele ser abençoada toda a humanidade (Gênese 12,1-3).
No Antigo Oriente as fórmulas de bênção ou de maldição eram consideradas eficazes, no sentido de que realizavam o que diziam, sobretudo quando escritas (cf. Números 5,23). Por isso, os códigos de leis e tratados de aliança eram concluídos com fórmulas de bênção e maldição (cf. Levítico 26 Deuteronômio 28). Sua finalidade era impedir o desprezo das leis ou a violação dos tratados e promover a fiel observância dos mesmos.
A vontade de Deus é que a bênção tome o lugar da maldição (Ezequiel 34,24-30 Zacarias 8,13 Isaías 44,3 Isaías 53,1-12). Isto se deu em Jesus: fazendo-se por nós maldito, cobriu-nos de bênçãos divinas (Gálatas 3,10-11 1Pedro 2,22-24 cf. Romanos 8,3 2Coríntios 5,21).

BERSABÉIA
O nome hebraico significa "poço dos sete"ou "poço do juramento". É uma antiga cidade cananéia do sul da Palestina, onde se prestava culto ao Deus Eterno (Amós 5,5 Amós 8,14). O santuário foi venerado por Abraão (Gênese 21,21-23), Isaac (Gênese 26,23-33) e Jacó (Gênese 46,1-4). Ali os filhos de Samuel foram juízes (1Samuel 8,2). Bersabéia marca o extremo sul do limite de Israel (2Samuel 3,10).

BETÂNIA
Subúrbio de Jerusalém, vizinho de Betfagé, na estrada romana que na encosta do monte das Oliveiras descia pelo deserto até Jericó. No vilarejo, existente até hoje ("túmulo de Lázaro"), moravam Lázaro, Marta e Maria (Lucas 10,38 João 11,1) e Simão o Leproso (Mateus 26,6); lá passou Jesus na entrada em Jerusalém (Mateus 21,17 João 12,1-8) e na Ascensão (Lucas 24,50).
Uma outra Betânia, lugar de atividade de João Batista, ficava na margem oriental do Jordão (João 1,28); sua localização é discutida: ou no sul do vale do rio Jordão, na altura de Jericó, ou no norte, na altura de Betsã.

BETEL
Em hebraico "casa de Deus". Nome de um antigo santuário cananeu, antes chamado Luza. Tornou-se famoso, pois ali Abraão prestou culto a Deus (Gênese 12,8 Gênese 13,3s) e Jacó teve a visão da escada que unia a terra ao céu (Gênese 28,10-22 Gênese 31,13 Gênese 35,1-16). O rei Jeroboão I, após a divisão do reino de Salomão, mandou colocar em Betel a estátua de um bezerro de ouro (1Reis 12,26-30). Por isso os profetas passaram a chamar o lugar de Bet-Áven, "casa da iniqüidade"ou da nulidade, isto é, dos ídolos (cf. Oséias 4,15).

BÍBLIA
Nome dado ao conjunto dos livros inspirados do Antigo Testamento e do Novo Testamento,originariamente escritos em hebraico, aramaico e grego. O termo vem do grego tá Biblia, "os livros". Estes livros são o patrimônio espiritual do judaísmo e das igrejas cristãs.
A Bíblia foi escrita ao longo de mil anos, mas sua inspiração é atestada só pelo final do I século, em 2Timóteo 3,16s e 2Pedro 1,21. Mas bem cedo se recomendava sua leitura (Êxodo 24,7 Deuteronômio 17,19 Josué 1,8 Isaías 34,16 João 5,39 Atos 8,28 Romanos 15,4 2Coríntios 1,13 Efésios 3,3s). Sendo um livro inspirado, deve ser lido com piedade e humildade (Eclesiástico 32,15 Mateus 11,15 Mateus 13,11 1Coríntios 2,12-14 2Timóteo 3,7 2Timóteo 3,16). Sendo um livro antigo, escrito por um povo de cultura diferente da nossa, que trata dos planos de Deus a respeito dos homens, a Bíblia carece de interpretação (Cântico dos Cânticos 9,16-18 Mateus 13,11 Marcos 4,34 Lucas 24,45 Atos 8,30s; 1Coríntios 12,30 2Pedro 1,20 2Pedro 3,15s. Sendo um livro assumido pela Igreja como fonte de revelação, necessita também de sua interpretação oficial (Malaquias 2,7 Mateus 16,18 Mateus 28,19s; Lucas 10,16 João 14,16 João 14,26 João 16,13 João 20,22s; Efésios 2,20 1Timóteo 3,13). Ver "Revelação".

BISPO
As Igrejas judeu-cristãs parece que eram governadas por um colégio de presbíteros ou anciãos, ao estilo das sinagogas (Atos 11,29-30 Atos 14,23 Atos 15,2 Atos 15,4 Atos 15,6 Atos 15,22s, Atos 20,17 1Pedro 5,1-4 Tiago 5,14). Tiago, em Jerusalém, aparece como o presbítero dum colégio de presbíteros ou anciãos (Atos 12,17 Atos 15,13 Atos 21,18 Gálatas 1,18-19 Gálatas 2,9 Gálatas 2,12).
Nas Igrejas de origem pagã, fundadas por Paulo, aparecem os episcopoi, "epíscopos"ou "bispos", palavra que significa "vigilantes", "inspetores" (Atos 20,28 comparar 1Timóteo 3,2 e Tito 1,7 com 1Timóteo 5,17 e Tito 1,5 Tito 1,7). Paulo ordenou alguns dos seus discípulos como "inspetores apostólicos" (2Timóteo 1,6 Tito 1,5 1Timóteo 4,14 2Coríntios 8,15-24).
Existia a hierarquia constituída pela imposição das mãos (1Timóteo 4,14 2Timóteo 1,6-7) e a "pneumática", sujeita aos apóstolos (1Coríntios 12,4-11 1Coríntios 12,28-29 1Coríntios 14,26-40).
Portanto, no séc. I, sob a dependência dos apóstolos, as Igrejas tiveram diversas formas de governo. No séc. II, como no-lo testemunham os documentos da Tradição, aparece o episcopado monárquico. A doutrina católica sobre o episcopado foi recentemente exposta pelo Concílio Vaticano II (LG 18-19). Ver Atos 20,28 e 1Timóteo 3,2.

BITÍNIA
Região no noroeste da Ásia Menor, no litoral do mar Negro. Com o Ponto formava uma província romana. Durante a segunda viagem missionária Paulo e Timóteo pretendiam visitar esta região, mas foram impedidos pelo Espírito (Atos 16,6-10).

BLASFÊMIA
É o ultraje dirigido a Deus, a própria pretensão de ocupar o seu lugar, ou de falar em seu nome sem autorização (Deuteronômio 18,20-22). Na Bíblia, é condenada a blasfêmia e o blasfemador considerado digno de morte (Êxodo 20,7 Levítico 24,13 Levítico 24,22 Mateus 27,39-44 Apocalipse 13,6 Apocalipse 16,11). Pessoas justas foram acusadas de blasfêmia para serem condenadas à morte: Nabot, proprietário de um sítio cobiçado pelo rei Acab (1Reis 21,1-16); Jesus Cristo (Marcos 14,60-64); Estêvão, o primeiro mártir cristão (Atos 7,54-60).

BOAS OBRAS
Exortação para praticá-las: Provérbios 21,3 Miquéias 6,8 Mateus 3,10 Mateus 5,16 Mateus 7,17 Mateus 7,21 Tiago 2,14-22. Prêmio prometido: Provérbios 11,18 Eclesiastes 35,13 Isaías 3,10 Mateus 6,6 Mateus 16,27 Mateus 20,8 Mateus 25,14-26 Romanos 2,6s; 1Coríntios 3,8 1Coríntios 15,28. São os "frutos do Espírito Santo" (João 15,1-6 Gálatas 5,5-25 Romanos 6,20-23 Mateus 7,16-20), esperados por Cristo (Marcos 11,12-25 Mateus 21,18-19 Lucas 13,6-9). Ver "Justiça".

BODE EXPIATÓRIO
É o macho caprino que no Dia da Expiação levava simbolicamente os pecados do povo para o deserto (Levítico 16,7-20), onde segundo a crença popular morava o espírito mau de Azazel (cf. Levítico 11,8 e nota: Mateus 12,43).
Ao lado da idéia da necessidade de sacrifícios para expiar pecados aparece outra, na qual se dispensa o derramamento de sangue para perdoar pecados (Êxodo 34,6-7 Ezequiel 18,21-23 Mateus 6,12-14s; Hebreus 7,26-27 1João 1,9 Apocalipse 21,22. Ver "Expiação" e "Sacrifícios".

Facebook Comments

Livros recomendados

Tremendas Trivialidades“Eu Sou a Graça” – As Aparições de Nossa Senhora das Graças em PernambucoA Paixão de Cristo Segundo o Cirurgião

About the author

Veritatis Splendor

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.