Espaço do Leitor

Duas dúvidas

[Leitor autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor: Thiago
Cidade/UF: Rio de Janeiro
Religião: Católica

Mensagem
========

Salve amigos do Veritatis Splendor,

Parabéns pelo site, está cada vez melhor! Envio este mail a fim de tentar resolver duas questões (bem diferentes entre si, por sinal):

1 – Vocês poderiam fazer a distinção, prática se possível, entre zelo e ira?

2 – O concílio de Nicéia e a tradição patrística em seus textos nos dizem que nos domingos e no tempo pascal deve-se rezar de pé, em honra ao Ressuscitado. Pergunto: isso inclui a Missa? Como ficaria o costume de acompanhar a Missa de joelhos?

Desde já grato.

Prezado Thiago,

A Paz de Cristo!

A ira é o movimento que se tem diante de um mal presente enquanto este é árduo ou difícil de suportar; é, por exemplo, aquela reação quase instantânea que sentimos quando cometem uma injustiça conosco, ou quando vemos uma sendo cometida contra alguém (pode ser sinônimo de raiva, desde que se entenda nesse sentido de reação espontânea; uma raiva ou ira “acumulada” já se transforma em ódio). O zelo é o movimento contrário a tudo que se opõe ao bem do objeto amado, é o desvelo e o cuidado ardoroso do bem que se ama; pode ser, por exemplo, a dedicação apostólica (“zelo pelas almas”) de quem aconselha outrem a não cometer uma ação pecaminosa. No episódio da expulsão dos vendilhões do Templo, o zelo e a ira se unem na atitude de Jesus, que é conhecida como “ira santa”, uma ira movida pelo zelo que Nosso Senhor tinha pela casa do Pai – “O zelo de tua casa me devora” (Jo 2,17) –, ou seja, uma ira que se dirige contra o mal que atingia o coração da fé de Israel.

Quanto a sua segunda pergunta, se trata de uma questão disciplinar, e não dogmática, que pode, portanto, variar com o tempo ou o lugar. No Ocidente, a atitude de adoração está culturalmente associada ao ato de ajoelhar-se, de modo que este foi sendo assumido como o costume mais adequado para os momentos da consagração e da ação de graças na Missa.

Um abraço, em Nosso Senhor Jesus Cristo e sua Mãe Santíssima,

Joathas Bello





About the author

Veritatis Splendor