Boa noite, a paz de Cristo…
1) Li certa vez que a alma é responsável por nossa locomoção, sistema vegetativo, emoções… Entretanto, como fica nosso Sistema Nervoso Motor e Sensitivo? É ela (a alma) que os controla?
2)Sabemos, segundo a Igreja que somos constituídos de alma e corpo; nesse sentido, como explicar quando São Paulo diz que a palavra de Deus é como uma espada de dois gumes que penetra entre a alma e o espírito?
Com Deus, que Maria continue abençoando a todos vocês (Thales)

Caríssimo Thales,

Que a graça e a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja conosco!

Baseando-me num brilhante artigo (1) do teólogo beneditino Dom Estevão Bettencourt,OSB, posso explicar-lhe sua primeira dúvida da seguinte forma:

A alma é o princípio vital que anima os seres vivos. A palavra alma deriva-se do latim “anima”. O ser vivo não é apenas um aglomerado orgânico de substâncias:

“Ao mesmo tempo, porém, o vivente emerge do mundo meramente químico por algo que se chama o seu princípio vital (anima). É a anima que dá animação ou faz o ser animado, vivente” (BETTENCOURT, Estevão. “Em busca da Alma Humana” (Galileu) in: Revista Pergunte e Responderemos. Lumen Christi: Rio de Janeiro, nº. 545, novembro de 2007, p.501).

Distinguem-se três tipos de princípio vital:

1) Vida vegetativa – que compreende as propriedades básicas de nutrição, crescimento, reprodução e irritabilidade;

2) Vida sensitiva – que além da “vida vegetativa” é capaz de conhecer por meio dos sentidos orgânicos (externos e internos) objetos concretos, materiais tais como cor, som, odor, gosto, temperatura, rigidez, dureza, etc.

3) Vida intelectiva – que além da “vida vegetativa e intelectiva” é dotada do conhecimento das essências, das noções universais abstratas. (noção universal da beleza, da justiça, do amor, da bondade, etc).

Assim, sendo a alma princípio vital, podemos falar em alma vegetativa, alma sensitiva e alma intelectiva. Sendo que a alma vegetativa e sensitiva são materiais, uma vez que suas funções não ultrapassam os limites da matéria. Por outro lado, a alma intelectiva é espiritual, pois, ultrapassam os limites da matéria.

“A alma vegetativa e a sensitiva são materiais, pois as funções que elas preenchem no corpo, não ultrapassam os limites da matéria; até mesmo o conhecimento sensitivo é o conhecimento do concreto corpóreo, que se faz mediante os órgãos corpóreos dos sentidos.

A alma intelectiva, porém, é espiritual, pois as suas funções ultrapassam os limites da matéria. Pelo conhecimento intelectual a pessoa lê dentro (intelligit, intus legit), isto é, abstrai do concreto, material… para formar o conceito imaterial: BELEZA (não esta flor bela, nem esta paisagem bela concretamente), JUSTIÇA (não esta justa sentença, este justo comportamento, concretamente)…

É pelo AGIR que conhecemos o SER. Onde há agir imaterial, que transcende a matéria, somos logicamente levados a concluir a existência de um princípio de agir ou de um ser imaterial, que transcende a matéria ou, ainda, é espiritual.” (BETTENCOURT, Estevão. Op. cit, p.501-502).

Assim, ate o exposto, a alma vegetativa e sensitiva, em outras palavras o princípio vital (anima) vegetativo e sensitivo, que é material, é o motor que anima o ser vivente. Princípios estes, que não correspondem à nossa alma intelectiva (ESPIRITUAL, portanto, IMATERIAL).

Sua segunda dúvida paira sobre os termos alma e espírito, conforme escrito por São Paulo. Explicando-lhe podemos dizer que a alma é espiritual assim como o corpo é material,ou seja, simplificando diríamos que assim como a matéria é a substância do corpo, o espírito (2) é a “substância (3)” da alma.

O fato da carta aos Hebreus (4,12) utilizar-se desses dois termos em aparente distinção, deve-se do fato de que as Sagradas Escrituras empregam o termo alma com diversos sentidos, assim, temos o emprego do vocábulo significando a vida humana (cf. Mt 16,25-26, Jo 15,13); a pessoa humana inteira (cf.At 2,41); o que há de mais íntimo no homem (Mt 26,38, Jo 12,27); o que há no homem de mais valor (Mt 10,28, II Mc 6,30)

O Catecismo da Igreja Católica (4) explicita este fato ao ensinar:

“Muitas vezes o termo alma designa na Sagrada Escritura a vida humana ou a pessoa humana inteira. Mas designa também o que há de mais íntimo no homem e o que há nele de maior valor, aquilo que mais particularmente o faz ser imagem de Deus: “alma” significa o princípio espiritual no homem”. (CIC § 363).

“O corpo do homem participa da dignidade da “imagem de Deus”: ele é corpo humano precisamente porque é animado pela alma espiritual, e é a pessoa humana inteira que está destinada a tornar-se, no Corpo de Cristo, o Templo do Espírito”. (CIC § 364).

“Por vezes ocorre que a alma aparece distinta do espírito. Assim, São Paulo ora para que nosso “ser inteiro, o espírito, a alma e o corpo”, seja guardado irrepreensível na Vinda do Senhor (1 Ts 5,23). A Igreja ensina que esta distinção não introduz uma dualidade na alma. “Espírito” significa que o homem está ordenado desde a sua criação para seu fim sobrenatural, e que sua alma é capaz de ser elevada gratuitamente à comunhão com Deus. (§ 367)”

Especificamente sobre a citação da carta aos Hebreus (4,12) onde reside tua dúvida explica o Prof. Felipe Aquino (5) “que São Paulo diz que a palavra de Deus é como uma espada de dois gumes que penetra entre a alma e o “espírito”, isto é, entre a sensibilidade (alma) e o espírito (inteligência e vontade)”.

Simplificando, a espada de dois gumes penetra entre a alma sensitiva (designada na citação com o termo “alma”) e a alma intelectiva (imaterial) (designada na citação com o termo “espírito”).

Esperando ter dirimido sua dúvida me despeço,

In caritate Christi,
Leandro.

_________
NOTAS:

(1) “Em busca da Alma Humana” (Galileu) in: Revista Pergunte e Responderemos. Lumen Christi: Rio de Janeiro, nº. 545, novembro de 2007, p.499-505.
(2) “Espírito é o ser real que não tem corpo, isto é, carece de extensão, quantidade, peso, tamanho…, mas é dotado de inteligência e vontade, vê-se assim que a palavra espírito tem acepção mais ampla do que o vocábulo alma. Ex: Espírito incriado, não unido à matéria = Deus; Espírito criado, não unido à matéria = anjo; Espírito criado, unido á matéria para nela se aperfeiçoar = alma humana (espiritual). (…) Se a alma humana é espiritual, também é imortal, pois a imortalidade é própria de todo espírito. (BETTENCOURT, Estevão. Op. cit, p.502) [com adaptação]
(3) A palavra “substancia” nesta explicação é meramente ilustrativa, pois a alma humana intelectiva é IMATERIAL.
(4) Para aprofundamento recomendo a leitura dos parágrafos 362 a 368 do Catecismo da Igreja Católica.
(5) AQUINO, Felipe. Qual a diferença entre alma e espírito?

Facebook Comments