Essa questão é impossível de ser respondida porque os rótulos de “liberal” e “conservador” são na verdade muito vagos. O foco deveria estar na determinação se certas proposições particulares, defendidas ou atacadas por uma pessoa, são verdadeiras ou falsas. Por exemplo:

– O aborto é moralmente neutro porque uma pessoa tem liberdade de escolha > Falso

– A eutanásia é moralmente má porque trata-se de uma forma de assassinato > Verdadeiro

– O casamento de pessoas do mesmo sexo é moralmente bom porque permite que as pessoas se casem com quem amam, independentemente do seu gênero > Falso

Deve-se tomar cuidado para não reduzir a complexidade dos seres humanos em meros rótulos que possam ostentar; ou condená-los injustificadamente com base nos rótulos que possam assumir para si ou que lhes sejam atribuídos por terceiros.

Facebook Comments

Livros recomendados

Sabedoria e Inocência – Vida de G. K. ChestertonA psicologia da féA monarquia constitucional e a contribuição de José Bonifácio de Andrada e Silva