Não levantarás falso testemunho contra teu próximo” (Ex 20,16).

Nos meios ditos tradicionalistas corre o boato de que D. Fernando Rifan, Bispo da Administração Apostólica São João Maria Vianney, teria participado de uma concelebração no rito de Paulo VI em Aparecida-SP no ano de 2004; e que este mesmo Bispo teria negado tal fato num evento do IBP (Instituto Bom Pastor) no ano de 2006, onde foi a convite do Superior deste instituto, o Pe. Laguérie.

Pode-se encontrar na Internet vários vídeos, fotos e textos que mostram a participação de D. Rifan na Missa. Porém, a grande maioria deles vem acompanhada de muita maledicência contra o Bispo.

Como era de se esperar tais acusações são tão falsas quanto a fidelidade que estes grupos “tradicionalistas” dizem possuir pela Igreja, como iremos provar.

Pe. Gaspar Samuel Coimbra Pelegrini em entrevista ao website tradicionalista Una Voce esclareceu:

Algumas pessoas têm questionado a participação ocasional de Dom Fernando e de alguns de seus padres em Missas celebradas no Rito de Paulo VI. Dom Fernando é um bispo católico, membro do Episcopado Católico, em comunhão com o Santo Padre o Papa. Assim, como todo bispo católico, mesmo aqueles de rito diferente, deve demonstrar praticamente essa plena comunhão. Ninguém pode ser católico se mantendo numa atitude de recusa de comunhão com o Papa e com o Episcopado católico. De fato, a Igreja define como cismático aquele que recusa se submeter ao Romano Pontífice ou se manter em comunhão com os outros membros da Igreja a ele sujeitos (cânon 751). Ora, se recusar continua e explicitamente a participar de toda e qualquer Missa no rito celebrado pelo Papa e por todos os Bispos da Igreja, por julgar esse rito, em si mesmo, incompatível com a Fé ou pecaminoso, representa uma recusa formal de comunhão com o Papa e com o Episcopado católico.

Não se pode negar o fato objetivo de que hoje o rito de Paulo VI é o rito oficial da Igreja latina, celebrado pelo Papa e por todo o Episcopado Católico. Se considerarmos, na teoria ou na prática, a Nova Missa, em si mesma, como inválida ou herética ou sacrílega ou heterodoxa ou pecaminosa ou ilegítima ou não católica, deveríamos tirar as conseqüências teológicas dessa posição e aplica-la ao Papa e a todo o Episcopado residente no mundo, isto é, a toda a Igreja docente: ou seja, aceitar que a Igreja oficialmente tenha promulgado, conserve há décadas e ofereça todos os dias a Deus um culto ilegítimo e pecaminoso – proposição condenada pelo Magistério – e que, portanto, as portas do Inferno tenham prevalecido contra ela, o que seria uma heresia. Ou então estaríamos adotando o princípio sectário de que só nós somos a Igreja e que fora de nós não há salvação, o que seria outra heresia. Essas posições não podem ser aceitas por um católico, nem na teoria nem na prática. 

Nossa participação, portanto, se deve a princípios doutrinários. E ela não significa que não tenhamos reservas ao novo rito, como já levamos respeitosamente ao conhecimento da Santa Sé. Nem a nossa participação significa aprovação de tudo o que ali venha a ocorrer. Estar unido à hierarquia da Igreja e em perfeita comunhão com ela não significa aprovação de muitos erros que hoje acontecem no seio da Santa Igreja, provocados pela sua parte humana. É claro que lamentamos profundamente, com o Santo Padre o Papa, que a Reforma Litúrgica tenha dado espaço a “ambigüidades, liberdades, criatividades, adaptações, reduções e instrumentalizações” (Ecclesia de Eucharistia, n. 10,52,61) e também tenha dado “origem a muitos abusos e conduzido em certa medida ao desaparecimento do respeito devido ao sagrado” (Cardeal Eduardo Gagnon, Offerten Situng – Römisches, nov.dez.1993,p. 35). Sobretudo, rejeitamos toda profanação da Liturgia, por exemplo as missas nas quais a “Liturgia se degenera em ‘show’, onde se tenta tornar a religião interessante com a ajuda de besteiras em moda… com sucessos momentâneos no grupo dos fabricantes litúrgicos”, como critica o Cardeal Ratzinger (Introdução ao livro La Réforme Liturgique, de Mgr. Klaus Gamber, pag. 6). 

Por isso mesmo, conservamos o venerável rito de São Pio V, mas “cum Petro et sub Petro”, em plena comunhão” (Bishop Rifan Answers Questions About Alleged Concelebration. Em http://www.uvoc.org/bishop_rifan_answers_questions_.htm).

O dever de quem ama a Verdade é averiguar a veracidade dos fatos e declarações. Então perguntei a D. Rifan sobre toda essa polêmica, no que prontamente me respondeu:

“Caro Prof. Alessandro Lima,

Quanto à sua pergunta, tenho a dizer que não disse uma coisa no IBP diferente do que disse o PE. Gaspar ou eu mesmo em minha Orientação Pastoral. Está tudo lá bem explicado. A posição teológica quanto à concelebração lá está bem clara. Na verdade, em Aparecida, em 2004 não concelebrei, apenas participei da Missa. E não teria feito nada errado se tivesse concelebrado, como está bem explicado pelo Pe. Gaspar em sua nota, e em minha Orientação Pastoral. Mas eu não concelebrei, porque não quis e nem estava obrigado. Apenas lá compareci vestido como os outros bispos, de mitra e alva, mas não disse as palavras da consagração e nem estendi a minha mão nesta hora, o que configuraria a verdadeira concelebração sacramental. Apenas estive presente, porque achei que devia estar. E eu o fiz assim, vestido de bispo católico, porque soube que em outra solenidade havia bispos anglicanos que assistiram a Missa em veste coral. E eu não quero me parecer com eles, pois sou bispo católico. A foto que estão mostrando é exatamente disso, a minha presença vestido de bispo durante a Missa” (Carta de D. Fernando Rifan ao Prof. Alessandro Lima em 10/12/2007).

Realmente nas imagens divulgas na Internet D. Rifan não aparece com os braços estendidos e recitando as palavras da consagração das espécies do pão e do vinho. Esse tipo de participação chama-se concelebração ritual e não sacramental. Isso também é explicado pelo Bispo:

“Na cerimônia da missa tradicional da consagração dos santos óleos na quinta-feira santa, os padres assistem a missa paramentados de casula, e não estão concelebrando a missa. Os cônegos das catedrais assistiam a missa vestidos de paramentos e não concelebravam porque não diziam as palavras da consagração. Chama-se isso concelebração ritual não sacramental. Foi isso o que aconteceu em Aparecida.  Mas não nego a possibilidade de concelebrar sacramentalmente em determinadas ocasiões.

Como bem disso o Papa Bento XVI na carta introdutória do Motu Proprio Summorum Pontificum, os que celebram a missa tradicional não podem em princípio rejeitar a celebração da missa no rito ordinário: ‘Obviamente, para viver a plena comunhão, também os sacerdotes das Comunidades aderentes ao uso antigo não podem, em linha de princípio, excluir a celebração segundo os novos livros. De fato, não seria coerente co m o reconhecimento do valor e da santidade do novo rito a exclusão total do mesmo.’   Os que não aceitam isso, não estão de acordo com o Motu Proprio do Santo Padre. Aliás a posição deles quanto à missa não é de acordo com a Doutrina Católica.

Creio que já chega desse assunto, que já expliquei à saciedade. Mas, para os que têm boa vontade, poucas explicações bastam. Para os que não têm, nenhuma explicação será suficiente.

Com minha bênção cordial.

+ Dom Fernando Rifan” (Ibidem).

Como se vê, D. Fernando Rifan não disse uma coisa que não fez, como aos quatro ventos espalharam seus acusadores.

Agora resta uma pergunta: qual a razão de tanta mentira em torno do Bispo da Administração Apostólica São João Maria Vianney? Evidentemente é preciso acabar com o prestígio e reputação deste Bispo que têm mostrado qual é o verdadeiro tradicionalismo católico, para com isso agremiar adeptos às teses falsas e cismáticas. Logo não foi sem motivo que usaram do falso testemunho, afinal nos ensina as sagradas letras: “Clava, espada, flecha penetrante: tal é o que usa de falso testemunho contra seu próximo” (Pr 25,18).

Nunca é demais lembrar como o Senhor abomina o falso testemunho: “Seis coisas há que o Senhor odeia e uma sétima que lhe é uma abominação: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, um coração que maquina projetos perversos, pés pressurosos em correr ao mal, um falso testemunho que profere mentiras e aquele que semeia discórdias entre irmãos. Guarda, filho meu, os preceitos de teu pai, não desprezes o ensinamento de tua mãe” (Pr 6,16-20) (grifos meus).

Ai destes que faltaram com a caridade e com a verdade, pois há de se cumprir o que diz a Escritura: “O falso testemunho não fica sem castigo; o que profere mentira não escapará” (Pr 19,5).

Não pode haver verdade na causa daqueles que se utilizam da mentira para promover suas idéias.

Facebook Comments

Livros recomendados

Senhor, Tende PiedadeSanta Francisca RomanaBernardo de Claraval – Testemunha do seu tempo perante Deus