Breve testemunho pessoal de retorno ao seio da Igreja de Cristo, publicado inicialmente na Comunidade Católicos do Orkut, em 17/12/2005, e agora revisado e re-editado:

Sou Batizado e fiz Primeira Comunhão. Mas não me Crismei. Isto por que me afastei da Igreja Católica na minha adolescência (por ter muitas dúvidas e também por conveniência). Apesar de gostar de falar sobre religião, não entendia nada do assunto, e costumava criticar bastante a Igreja Católica. Tinha dois caminhos, virar ateu ou protestante. E quase virei protestante mesmo. Chegou um tempo em que eu vivia cercado de evangélicos, amigos que se “converteram”, colegas no trabalho, estranhos me assediando na rua, e até minha namorada começando a freqüentar cultos da igreja pentecostal Assembléia de Deus.

Como sou muito questionador, nunca aceitei facilmente os argumentos que me apresentavam, principalmente os que eram contra a Igreja Católica. Apesar das minhas dúvidas e das minhas criticas com relação à Igreja, as acusações protestantes eram muito pesadas, muito mesmo: Babilônia, Papa anticristo, idolatria à deusa mãe, e por ai vai. Como não tinha argumentos e nem conhecimento do assunto, acabava cedendo, e de tanto ceder, passei a freqüentar cultos evangélicos, às vezes em uma denominação, às vezes em outra.

E assim conheci algumas das diversas doutrinas protestantes, e como diferem umas das outras, e ao invés de encontrar Deus, me sentia ainda mais distante. Isso porque sou questionador. Porque tem coisas que não da pra engolir. Sem ofensa, mas tem muito evangélico que parece achar que a Bíblia caiu do céu encadernada com capa de couro, zíper e tudo mais. A angústia passou a tomar conta de mim. Entrei em processo de depressão, quase perdi o emprego, quase perdi tudo. Vivia atormentado. Falava com pastores, explicava a situação, tentavam me ajudar (acredito que com sinceridade até), mas só piorava. Tinha pesadelos, minha vida não era mais a mesma, e até hoje não é. Depois de um tempo minha namorada até se batizou (na verdade se re-batizou, pois já tinha recebido o batismo como católica). Vivíamos brigando, terminamos e reatamos varias vezes. Claro que isso colaborou para complicar ainda mais a minha situação.

Até o dia que não agüentei mais e cai fora. Não queria mais saber de Igreja, nem de Deus, nem do diabo, e culpava os protestantes por terem feito com que eu me metesse em assuntos que agora tanto me incomodavam. Mas ficou em mim um vazio. Tentei preenchê-lo com um curso superior de Psicologia. Mas até na universidade tinha professores que viviam cutucando o cristianismo, a Igreja Católica, os protestantes, e tudo que se referia direta ou indiretamente a Jesus.

Mais ou menos nessa época, decidir fazer o caminho de volta. Pois o vazio ainda continuava. Dei-me conta que a culpa não era dos evangélicos, a culpa era minha. Eu me afastei da igreja. Comecei então a estudar sobre a Igreja Católica, e pela primeira vez meus questionamentos tinham respostas. Descobri, por exemplo, que a Bíblia não caiu prontinha do céu. Hoje sei o que é ser cristão, ser católico. Não amava a Igreja Católica por que não a conhecia. E hoje a amo e a defendo, porque sei que é a IGREJA DE CRISTO. Mas, infelizmente, muitos não sabem, ou não acreditam, e até muitos que se dizem católicos. Por isso, faço um apelo para os que a criticam, como eu fazia: procurem conhecer sua doutrina e sua história, para poderem diferenciar o seu lado santo do pecador.

Não posso dizer que sou um bom cristão e nem um bom católico. Ainda estou fazendo o caminho de volta. Ainda tenho algumas dúvidas, ainda sofro um pouco por tudo que aconteceu, pelas discussões que me envolvi e pelos amigos que perdi por intolerância. Mas agora sei onde me apoiar e procurar as respostas. Por isso peço que rezem por mim, que orem por mim, e por todos aqueles que passaram e/ou estão passando pelo que eu passei.

E sobre aquela namorada? Bom, hoje somos casados. Com muita paciência e amor consegui trazê-la de volta para a Igreja Católica.

São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate!

Paz e Bem!

Facebook Comments

Livros recomendados

Do outro lado do rio, entre as árvoresNão Trago Ouro Nem PrataTemas Atuais Para Pensar