Encontrei um fragmento do livro “Family and Civilization”, um estudo publicado originalmente em 1947 pelo sociólogo e historiador Carle Zimmerman da renomada Universidade de Harvard:

– “As crianças são a base fundamental que a sociedade tem para incentivar a existência de famílias. A deterioração da família é também a deterioração da sociedade com sistema biológico de reprodução. Por consequência, essas sociedades em que a família se encontra deteriorada são exatamente as que mais rapidamente se deterioram. A deterioração da família chega a ser a causa fundamental ou o agente catalizador que avança à correspondente deterioração da sociedade. Foi isto o que aconteceu nas antigas Grécia e Roma em seus últimos períodos e é exatamente o que está acontecendo na nossa sociedade ocidental atual. Não há objeção possível nem maneira nenhuma de disfarçar isso”[1].

Os motivos ou sintomas apontados pelo pelo Dr. Zimmerman são: considerável redução da reprodução, considerável aumento dos divórcios e uma “crescente aceitação de formas pervertidas de comportamento sexual”.

Penso nestas coisas à medida que recebo respostas de supostos católicos de imaculada ortodoxia que questionam as minhas felicitações ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, e ao Patriarca Ortodoxo russo, Kirill, por seus exitosos esforços políticos conjuntos para reativar a moral e a família tradicional na Rússia. Não ignoro que o presidente Putin foi chefe da temida KGB nos tempos da União Soviética. Por outro lado, desconheço o grau de conversão de Putin, o homem, aos princípios cristãos. Apenas observo alguns fatos específicos: que hoje, na Rússia, há uma tendência pró-família e pró-vida, que desapareceu nas forças políticas dos Ocidente, este último já totalmente submetido às forças hostis à vida e à família.

O velho provérbio castelhano que diz: “Se na barba do teu vizinho vês piolhos, coloca a tua de molho”, pode vir em nosso auxílio: a União Soviético caiu em colapso ignomioso e tenho certeza de que um homem inteligente e observador como Putin não deixou escapar o fato de que a antiga ordem soviética incentivava diretamente toda forma de promiscuidade sexual, alcoolismo, divórcio, aborto, esterilização e outras práticas desumanas que gradualmente imprimiram à população russa uma tendência acelerada rumo ao desaparecimento. Essa tendência parece estar sendo freada agora com o retorno à família e à tradição cristã incentivadas pelo Estado mediante novas leis que promovem a formação de famílias numerosas e a eliminação de estilos de vida estéreis que agora são legalmente definidos como fatores indesejáveis para a sociedade.

No segundo mistério de Fátima, Nossa Senhora mostrou aos pastorinhos uma visão do Inferno e lhes disse algo que devemos ler agora com muita atenção e meditá-lo em profundidade:

– “Vós vistes o Inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para salvá-los, Deus deseja estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerdes o que vos digo, muitas almas se salvarão e haverá paz. A guerra terminará; porém, se as pessoas não deixarem de ofender a Deus, uma guerra pior estourará durante o papado de Pio XI: quando virdes a noite iluminada por uma luz desconhecida, sabei que este é o grande sinal que Deus vos dá, de que está prestes a castigar o mundo por seus crimes através da guerra, da fome e das perseguições contra a Igreja e o Santo Padre. Para evitar isto, eu virei para pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a comunhão de reparação nos primeiros sábados. Se atenderem aos meus pedidos, a Rússia se converterá e haverá paz; caso contrário, ela espalhará os seus erros pelo mundo, causando guerras e perseguições à Igreja; os justos serão martirizados e o Santo Padre sofrerá muito; várias nações serão aniquiladas. Mas por fim o meu Imaculado Coração triunfará: o Santo Padre consagrará a Rússia ao meu Imaculado Coração; a Rússia será convertida e um período de paz será outorgado ao mundo.

Este aviso foi dado em 1917. Quem poderia negar hoje que o que Nossa Senhora profetizou não se concretizou em detalhe? A Rússia espalhou o ideário comunista pelo mundo e, em especial, os erros antivida da Revolução de Outubro, que o presidente Putin está tentando corrigir; estes são agora os erros que o Ocidente tenta promover! Vimos com os nossos próprios olhos o que aconteceu na Rússia durante as sete décadas de domínio soviético e agora são os nossos próprios governos que perderam o juízo e querem adotar os mesmos princípios que defenestraram a União Soviética? Ou será que esses princípios, de provada e mortífera efetividade, são agora aplicados ao Ocidente por obscuros grupos de poder com a plena intenção de nos riscar do mapa? Quais motivos temos para dar força de lei às medidas destrutivas que levaram a poderosa União Soviética ao fracasso?

Creio que a resposta nos é dada pelo próprio Cristo quando fustiga aqueles que servem ao demônio em nossas sociedades: “Vós pertenceis ao vosso pai, o Diabo, e quereis realizar os desejos do vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio e não permaneceu na verdade porque não há verdade nele. Quando mente, fala de si, porque é mentiroso e pai da mentira” (João 8,44). Concluímos assim que a mentira sempre vem antes do assassinato. Aqueles que desejam eliminar nossas sociedade primeiro semeiam ensinamentos venenosos e debilitantes nos pilares das nações; e logo tornam presas fáceis aos bobos que acreditaram nos seus ardis. Parece que algo está ocorrendo na Russia: ali se aprendeu com dor a lição que Nossa Senhora quis nos dar com amor em Fátima.

É hora de fazer comunhão de reparação e escutar a voz de Nossa Mãe em tudo, [aquela voz] que nos diz claramente que façamos tudo o que seu Filho nos indica. Com o favor de Deus, este Papa argentino, que tanto sofrimento viu em sua vida, consagrará a Rússia ao Imaculado Coração de Maria, de forma exclusiva e em união com todos os bispos do mundo (e peço que seja também em união com os patriarcas russos). Que impressionante mostra de amor seria isso! Que 2014 nos traga, se for da vontade Deus, esta surpreendente bênção que dará o giro ao timão e trará as nações de volta ao rumo há tantos anos perdido.

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

—–
NOTA:
[1]”Family and Civilization” (“Família e Civilização”, obviamente), Carle Zimmerman, p.198, 2008; edição resumida da original de 1947.

Facebook Comments

Livros recomendados

Não Trago Ouro Nem PrataO Anticristo: Mito ou Profecia?A importância de ser prudente