IV. DA CONCEPÇÃO À ASSUNÇÃO: MÃE DE DEUS

Em suma:
1. É Mãe de Deus.
2. Desde o momento em que manifestou seu “sim” à mensagem do Arcanjo.
3. Sua dignidade é de alguma maneira infinita.
4. Foi Virgem antes, durante e depois do parto.
5. O parto da Virgem foi profetizado no Antigo Testamento.
6. Jesus Cristo foi seu único filho e primogênito.
7. Maria teve domínio sobre Jesus, não por direito, mas de fato.

1. A VIRGEM MARIA É VERDADEIRAMENTE MÃE DE DEUS

Não consta expressamente na Sagrada escritura que a Virgem Maria seja Mãe de Deus; porém, consta que é Mãe de Jesus Cristo e que Jesus Cristo é verdadeiro Deus.

a) Maria é Mãe de Jesus Cristo:

“Viram o menino com sua Mãe Maria; e, prostrando-se, o adoraram” (Mateus 2,11).

“Quando o viram, ficaram surpresos, e sua Mãe lhe disse: ‘Filho, por que fizeste isto? Teu pai e eu, angustiados, estávamos te procurando” (Lucas 3,48).

“Três dias depois foi celebrada uma boda em Caná da Galiléia e estava ali a Mãe de Jesus” (João 2,1).

“Todos eles perseveravam na oração com o mesmo espírito, na companhia de algumas mulheres, de Maria, a Mãe de Jesus e seus irmãos” (Atos 1,14).

b) Jesus Cristo é verdadeiro Deus:

“Nós estamos na Verdade, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o Deus verdadeira e a vida eterna” (1João 5,20).

Esclarecimento: Aquele que foi gerado pelo Pai desde toda a eternidade e que foi gerado da Virgem no tempo é um e o mesmo.

“Darás à luz um filho, e tu o chamarás com o nome de Jesus. Ele será grande, será chamado ‘Filho do Altíssimo'” (Lucas 1,31-32).

“Porém, ao chegar a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei” (Gálatas 4,4).

2. A VIRGEM MARIA FOI CONSTITUÍDA MÃE DE DEUS NO MESMO INSTANTE EM QUE MANIFESTOU SUA CONFORMIDADE À MENSAGEM DO ARCANJO GABRIEL

“Disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lucas 1,38).

Esclarecimento: Deus não quis tomar a carne humana de Maria sem que ela conhecesse o mistério e prestasse seu consentimento. E ela prestou quando disse: “Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lucas 1,38).

3. A DIGINIDADE DA MATERNIDADE DIVINA, DE ALGUMA MANEIRA, É INFINITA

Disso há deduções muito claras na Sagrada Escritura:

“Anunciarei o decreto de Javé; ele me disse: ‘Tu és o meu filho; eu te gerei hoje'” (Salmo 2,7).

Esclarecimento: Ainda que seja verdade que estas palavras se atribuem ao Pai Eterno, não é menos certo que a Virgem Maria é a única criatura a quem também poderia se atribuir. Porém, se o Filho é de dignidade infinita, por ser gerado pelo Pai Eterno, como esta dignidade não iria redundar em sua Mãe, que lhe deu o ser? Se a excelência do fruto é atribuída à árvore, como a infinita dignidade do Filho não será atribuída também à Mãe?

4. MARIA FOI VIRGEM ANTES DO PARTO, DURANTE O PARTO E DEPOIS DO PARTO

São admitidos 4 aspectos da Virgindade:

1. Virgindade do corpo: é a imunidade de uma plena satisfação venérea admitida livremente, seja lícita ou ilícita.
2. Virgindade da mente: é um firme propósito de abster-se perpetuamente de qualquer deleite venéreo.
3. Virgindade da alma: é a dedicação total do homem feita a Deus pelo Reino dos céus.
4. Virgindade do sentido: é a imunidade de qualquer movimento venéreo da concupiscência.

Aqui se faz referência à virgindade do corpo, que nunca foi violada.

a) Maria é virgem ANTES do parto:

“O anjo do Senhor apareceu-lhe em sonhos e lhe disse: ‘José, filho de Davi, não temas tomar contiga a Maria, tua esposa, porque o que foi concebido nela vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados’. Tudo isto ocorreu para que se cumprisse o oráculo do Senhor por meio do profeta: ‘Eis que uma Virgem conceberá e dara à luz um filho, a quem colocarão o nome de Emanuel'” (Mateus 1,20-23).

“José despertou do sonho e fez como o Anjo do Senhor lhe havia mandado; e tomou consigo a sua esposa. E sem tê-la conhecido, deu ela à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus” (Mateus 1,24-25).

“Foi enviado por Deus o Anjo Gabriel a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem chamado José” (Lucas 1,26-27).

b) Maria é virgem NO parto:

“Eis que a jovem concebeu e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel” (Isaías 7,14).

“José despertou do sonho e fez como o Anjo do Senhor lhe havia mandado; e tomou consigo a sua esposa. E sem tê-la conhecido, deu ela à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus” (Mateus 1,24-25).

[“Enquanto lá estavam, completaram-se os dias para o parto, e ela deu à luz o seu filho primogênito, envolveu-o com faixas e reclinou-o numa manjedoura, porque não havia um lugar para eles na sala” (Mateus 2,7).]

 

c) Maria é virgem DEPOIS do parto:

“E Iahweh me disse: ‘Este pórtico permanecerá fechado. Não se lhe abrirá e ninguém passará por ele, porque por ele passou Iahweh, o Deus de Israel. Ficará, pois, fechado” (Exequiel 44,2).

“Maria respondeu ao Anjo: ‘Como se dará isto se não conheço varão?'” (Lucas 1,34).

Esclarecimento: Esta resposta supõe propósito de guardar a virgindade.

5. O PARTO DA VIRGEM MARIA FOI PROFETIZADO NO ANTIGO TESTAMENTO

“Pois bem. O próprio Senhor vos dará um sinal: eis que a jovem concebeu e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel” (Isaías 7,14).

“Por isso Iahweh vos abandonará até o tempo em que dê a luz aquela de dará a luz” (Miqueias 5,2).

Esclarecimento: Trata-se da Mãe do Messias.

6. JESUS CRISTO FOI FILHO ÚNICO E PRIMOGÊNITO DA VIRGEM MARIA

a) Filho único:

– No Templo, aparece como filho único:

“Seus pais iam todos os anos a Jerusalém, à festa da Páscoa. Quando tinha doze anos, subiram eles, como de costume, à festa” (Lucas 2,41).

– Em Nazaré, falam do filho de Maria:

“Não é este o carpinteiro, o filho de Maria e irmão de Tiago, José, Judas e Simão?” (Marcos 6,3).

Esclarecimento: a palavra “irmão” era usada no sentido de outra espécie de parentesco.

“Abrão, ao ouvir que seu irmão tinha sido preso” (Gênese 14,14).

“Filhos de Merari: Eleazar e Cis. Eleazar morreu sem ter filhos; só teve filhas, as quais os filhos de Cis, seus irmãos, tomaram por esposas” (1Crônicas 23,21).

“Jeú encontrou os irmãos de Ocozias, rei de Judá, e pergunto: ‘Quem sois vós?’. Eles responderam: ‘Somos os irmãos irmãos de Ocozias” (2Reis 10,13).

Esclarecimento: A palavra “irmão” era usada no sentido de outro parentesco, como sobrinho.

– Na Cruz:

“Jesus, vendo sua Mãe e junto a ela o discípulo a quem amava, disse para sua Mãe: ‘Mulher, eis aí o teu filho’. A seguir, disse ao discípulo: ‘Eis a tua mãe’. E a partir daquela hora, o discípulo a acolheu em sua casa” (João 19,26-27).

Esclarecimento: Se Jesus tinha irmãos e a Virgem tinha outros filhos, é inconcebível que a tivesse dado por Mãe a São João.

b) Primogênito:

“E aconteceu que, enquanto estavam ali, se cumpriram os dias da gravidez e deu à luz ao seu filho primogênito” (Lucas 2,6-7).

 

7. MARIA TINHA DOMÍNIO SOBRE CRISTO, NÃO POR DIREITO, MAS DE FATO

a) Não teve domínio por direito porque apenas Cristo o teve:

“Então o Rei dirá aos da sua direita: ‘Vinde, benditos de meu Pai. Recebei a herança do Reino de meu Pai; recebei a herança do Reino preparado para vós'” (Mateus 25,34).

“Então Pilatos lhe disse: ‘Tu és Rei?’ Jesus respondeu: ‘Tu o dizes: eu sou Rei'” (João 18,37).

b) Mas teve domínio de fato:

“Desceu com eles e veio a Nazaré; e vivia sujeito a eles” (Lucas 2,51).

Esclarecimento: Maria foi Mãe de Cristo e ainda que os filhos tivessem a obrigação de obedecer aos pais por direito natural, Jesus quis, no entanto, mostrar-se livremente submisso aos seus pais.

Facebook Comments

Livros recomendados

Carta Aberta Aos Católicos PerplexosA Nova Era: Jesus Cristo, Portador da Água VivaA senhoria