Há atos, cuja escolha é sempre ilícita, por causa do seu objeto (por exemplo, a blasfêmia, o homicídio, o adultério). A sua escolha comporta uma desordem da vontade, isto é, um mal moral, que não pode ser justificado com os bens que eventualmente daí pudessem derivar.

Facebook Comments

Livros recomendados

Doutor FaustoA Idade Média e o dinheiro: Ensaio de uma antropologia históricaPaixão por vencer