Há atos, cuja escolha é sempre ilícita, por causa do seu objeto (por exemplo, a blasfêmia, o homicídio, o adultério). A sua escolha comporta uma desordem da vontade, isto é, um mal moral, que não pode ser justificado com os bens que eventualmente daí pudessem derivar.

Facebook Comments

Livros recomendados

Curar-se Para Ser FelizUma Teologia da HistóriaA morte feliz