Patrologia

I. curso de patrologia – introdução

1. A PATROLOGIA COMO CIÊNCIA

Sumário:

a. Conceito, objeto e método da Patrologia
b. Importância de seu estudo
c. Padres da Igreja, doutores e escritores eclesiásticos
d. Autoridade doutrinária dos Padres da Igreja
e. Breve história da Patrologia

a. Conceito, objeto e método da Patrologia

– Diferentes Ciências

O vocábulo grego "pathr" significa "padre [ou pai]". O vocábulo grego "logos" significa "palavra, pensamento ou doutrina". Portanto, "Patrologia" significa "doutrina dos Padres" ou ["doutrina dos Pais"].

A Igreja antiga, até o século IV, aplicava o conceito natural de "pai" somente aos bispos. A partir do século V, o confere também aos sacerdotes (São Jerônimo) e aos diáconos (Santo Efrém).

Em geral, se distinguem três ciências que se ocupam dos Padres da Igreja:

1. Patrística – a perspectiva teológica e dogmática.
2. História Literária – a perspectiva literária.
3. Patrologia – a perspectiva ampla de caráter histórico: vida, obras e doutrina dos Padres.

Embora em épocas antigas cada uma destas três expressões designassem coisas distintas – Patrística: teologia patrística / Patrologia: história e obras dos Padres / Literatura Cristã Primitiva: disciplina não-teológica da filologia dos escritores antigos) – modernamente se tende a empregar de modo mais ou menos indiferenciado os três nomes para a especialidade.
 
Atualmente, os termos "patrística/patrístico" são empregados para indicar o tempo dos Padres, o tempo pertencente às obras, pensamentos etc. da literatura cristã antiga. E o termo "patrologia" é usado para designar a ciência da literatura cristã antiga.

A Patrologia é uma especialidade teológica cujo núcleo irrenunciável são os Padres da Igreja e suas obras no sentido eclesiástico. Porém, como para compreendê-los deve-se conhecer toda a literatura antiga, a Patrologia moderna é a ciência que trata de toda a literatura cristã antiga em todos os seus aspectos e mediante todos os métodos adequados (Drobner).

– Edições e Coleções da Literatura Cristã Antiga

O estudioso dos Padres da Igreja precisará conhecer as diversas edições das obras dos Padres de que dispomos na atualidade:

  • Século XVII e XVIII: Obras críticas dos beneditinos franceses de São Mauro.
  • Século XIX: J.P.Migne (+1875), "Patrolologiae Cursus Completus", em 400 volumes, dividido nas séries grega (PG) e latina (PL).
  • A partir de 1866: Academias de Viena e Berlin, "Corpus Sciptorum Ecclesiasticorum Latinorum" (CSEL). A publicação está em curso, contendo atualmente mais de 90 volumes.
  • A partir de 1903: "Corpus Scriptorum Christianorum Orientalium" (CSCO), editado sucessivamente em Paris, Lovaina e Washington. A publicação está em curso, contendo até agora mais de 400 volumes.
  • A partir de 1953: Padres beneditinos da Abadia de São Pedro de Steenbrugge (Bélgica), "Corpus Christianorum" (CC). A publicação está em curso e é dividida em três séries: latina, grega e oriental, e que será complementada com uma continuação medieval (continuatio medievalis). Possui até o momento cerca de 160 volumes, mas se prevê que alcance 175 volumes contendo 2.348 obras ou fragmentos.
  • A partir de 1942: Ed. Du Cerf, "Sources Chrétiennes" (SC), com textos bilingües (versão francesa). Conta com cerca de 260 volumes até o presente.

– Bibliografia Geral

Eis algumas das obras de Patrologia e História da Igreja Antiga, de caráter geral, que consultamos para elaborar estas "Lições de Patrologia":

. ALTANER, B., Patrología, 1950 (Altaner).  
. CAYRÉ, F., Patrologie et histoire de la theologie, 1955 (Cayré).  
. COLA, S., Perfiles de los Padres, ed. Ciudad Nueva, Madrid 1991 (Cola).  
. DANIELOU, J., Nueva Historia de la Iglesia: Cristiandad, Madrid 1964 (Danielou).  
. DATTRINO, Patrologia, 1982 (Dattrino).  
. DI BERNARDINO, A., Diccionario patrístico y de la antigüedad cristiana, Sígueme, Salamanca 1991 (Di Bernardino).  
. DROBNER, H., Manual de Patrología, Herder, Barcelona 1999 (Drobner).  
. DTC (Dictionaire de Theologie Catholique).  
. FLICHÈ-MARTIN, Historia de la Iglesia, Edicep, Valencia 1975 y ss. (Flichè).  
. GER (Gran Enciclopedia Rialph).  
. MASSON, H., Manual de herejías (Masson).  
. MOLINÉ, E., Los Padres de la Iglesia: Una guía introductoria, 1982 (Moliné).  
. MONDIN, B., Dizionario del Teologi, Edizioni Studio Domenicano, Bologna 1992 (Mondin, Dizionario).  
. MONDIN, B., Storia de la Teologia, vol. I, ed. Edizioni Studio Domenicano, Bologna 1996 (Mondin).  
. MORALES, J., Teología IV: Historia de la Teología, en GER 22 (1975) 252-256 (Morales).  
. QUASTEN, J., Patrología, 1950-60, 3 volumes (Quasten).  
. ROUET DE JOURNEL, M.J., Enchiridion Patristicum, 1958 (Rouet).  
. SIMONETTI, M.; PRINZIVALLI, E., Storia della letteratura cristiana antica, ed. Piemme, 2a ed., Casale Monferrato 2002 (Simonetti).  
. TREVIJANO, R., Patrología, en Colección Sapientia Fidei, ed. BAC, Madrid 1994 (Trevijano).  

 
 
b. Importância de seu estudo

Veja também  São Clemente Romano

Há alguns anos (10.11.1989) foi publicada, pela Congregação para a Educação Católica, a Instrução sobre o "Estudo dos Padres da Igreja na Formação Sacerdotal", que aponta os principais motivos para se estudar os Padres:

. Nos Padres existe algo de singular, de irrepetível e de validade perene, que continua vivo e resiste à fugacidade do tempo.
. São testemunhas privilegiadas da Tradição.
. Nos legaram um método teológicos que é, por sua vez, iluminante e seguro:

* recurso contínuo à Sagrada Escritura e ao sentido da Tradição;
* originalidade cristã e inculturação;
* defesa da fé e progresso dogmático;
* sentido do mistério e experiência do divino.

. Suas obras oferecem uma riqueza cultural, espiritual e apostólica que os tornam grandes mestres da Igreja de ontem e de hoje.

O estudo da vida e obras dos Padres pode ser feito a partir de manuais. O estudo de seu pensamento teológico deve ser feito com base na leitura direta dos textos dos Padres.

 
c. Padres da Igreja, doutores e escritores eclesiásticos

– Conceito de "Padre"

No início, este título era aplicado essencialmente aos bispos encarregados do ensino na comunidade cristã; era sinônimo de "mestre". A partir do século IV, adquire maior abrangência e é aplicado aos representantes qualificados na transmissão da fé.

Vicente de Lérins (ano 434), em seu "Commonitorium", chama "Padres" a qualquer escritor eclesiástico e expõe a prova dos Padres:

"No caso de surgir alguma nova questão sobre a qual ainda não tenha se tomado uma decisão, deve-se recorrer às opiniões dos santos Padres, ao menos daqueles que, em suas épocas e locais, permaneceram no unidade de comunhão e fé, e foram tidos por mestres reconhecidos. E tudo os que eles tiverem defendido em unidade de pensamentos e sentimentos, deve ser considerado como a doutrina verdadeira e católica da Igreja, sem dúvida ou escrúpulo. (…) A posterioridade não deverá crer em nada mais do que a venerável antigüidade dos Padres professou unanimemente em Cristo" (29,1; 33,2).

O "Decretum Gelasianum de Recipiendis et non Recipiendis Libris" (séc. VI) distingue os verdadeiros Padres dos escritores heterodoxos.

Hoje em dia se reconhece como Padre quem reúne as quatro notas seguintes:

1. Antiguidade: Isidoro de Sevilha (+636), Ildefonso de Toledo (+669), Beda o Venerável (+735) e João Damasceno (+749) são os Padres mais recentes no Ocidente (os três primeiros) e no Oriente (o último).
2. Ortodoxia de Doutrina: excluem-se os escritores abertamente heréticos, cismáticos e aqueles cujas obras contêm erros graves e sistemáticos.
3. Santidade de Vida: canonizados ou considerados santos.
4. Aprovação da Igreja: basta um reconhecimento tácito.

Os Escritores Eclesiásticos (título cunhado por São Jerônimo) são os demais escritores antigos, que possuem a nota de Antigüidade mas carecem de alguma das demais três notas.

Os Doutores, ao contrário, possuem as notas dos Padres (com exceção da nota de Antigüidade) e, além disto, a "eminens eruditio" (eminente erudição) e "expressa Ecclesiae declaratio" (declaração expressa da Igreja). São assim chamados pela Igreja em razão da profundidade de seu pensamento aliado à santidade de vida.

Os grandes Padres e Doutores da Igreja são:

1. No Oriente (declarados pelo Papa S. Pio V, no século XVI): Atanásio (não reconhecido como tal pelos orientais), Basílio, Gregório de Nanzianzo e João Crisóstomo.
2. No Ocidente (declarados pelo Papa Bonifácio VIII, em 1298): Ambrósio, Jerônimo, Agostinho e Gregório Magno.

– A Língua dos Padres

Não é o grego clássico, mas a "koiné" (mistura do ático "falado em Atenas" e dialeto popular), que chegou a ser a língua de todo o mundo helênico:

No Oriente: desde o século III a.C. até VI d.C. (a partir de então passou a ser usado, sobretudo, o siríaco [um dialeto do aramaico] e o copta juntamente com o grego).
No Ocidente: até o século III d.C. (no ano 180 surge o primeiro documento em latim).

Durante o século II surgem as primeiras traduções latinas da Bíblia. O "Pastor de Hermas" (ano 155) deixa ver que tinha começado a transição do grego para o latim na comunidade cristã de Roma. Durante a primeira metade do século II, a Epístola de São Clemente aos Coríntios é traduzida para o latim antes mesmo das Atas dos Mártires de Scillium, na África (ano 180).

Veja também  Leitor pede informações para iniciar um grupo de estudos de Patrologia

 
d. Autoridade doutrinária dos Padres da Igreja

A autoridade dos Padres é considerada de doutrina católica quando ocorre o "unanimis consensum Patrum" (unânime consenso dos Padres).  

Sua autoridade deriva de serem testemunhas privilegiadas da Tradição e suas obras monumentos de Tradição.

Trata-se de uma unanimidade moral ao interpretar a Sagrada Escritura e também hão de expor a doutrina em temas de fé e costumes (matéria) e como pertencente ao "depositum fidei" (forma).
 
Quanto a isso, o Concílio Vaticano I afirma:

"A unanimidade (moral) dos Padres ao interpretar a Sagrada Escritura é infalível" (DZ 786).

Sua unanimidade (moral) ao explicar – de maneira clara e definida – uma doutrina de fé e costumes é regra do que deve ser tido por doutrina católica. Diz Newman:

"Nós aceitamos as doutrinas que eles ensinam desta maneira, não apenas porque eles as ensinam, mas porque dão testemunho de que, em seu tempo, todos os cristãos as professavam, e em todas as partes (…). Eles não falam de suas opiniões pessoais. Não dizem: 'Isto é verdade porque encontramos na Escritura' – sobre isso poderia haver diferença de opinião – mas: 'Isto é verdade porque de fato é afirmado e foi sempre afirmado por todas as Igrejas desde o tempo dos Apóstolos até os nossos dias, ininterruptamente'. Trata-se de uma simples questão de testemunho" (J.H.Newman, Discussions and Arguments 2,1).

 
e. Breve história da Patrologia

– Principais Historiadores

. Eusébio, "História Eclesiástica" (século IV).
. Sozômeno, "História Eclesiástica" (século V: acontecimentos entre 324 e 425).
. São Jerónimo, "De Viris Illustribus" (ano 392).
. Genádio de Marselha (semipelagiano), "De Viris Illustribus" (ano 480) – continuação da obra de São Jerônimo.  
. Santo Isidoro, "De Viris Illustribus" (ano 618) – continuação da obra de São Jerônimo.
. São Ildefonso de Toledo (+667), "De Viris Illustribus".
. Fócio (+891), "Myriobiblon" ou "Biblioteca" (ano 858) – sobre 280 obras pagãs e cristãs.
. Sigberto de Gembloux (+1112), "De Viris Illustribus".  
. João Tritêmio, "De Scriptoribus Ecclesiasticis" (1494).
. São Roberto Belarmino, "De Scriptoribus Ecclesiasticis Liber Unus" (ano 1613).
. João Gerhard, "Patrologia" (1653).
. R. Ceillier, "Histoire general des auteurs sacres et ecclesiastiques" (1729-63).

– Cronologia

. Séculos I a IV

* Literatura Teológica Cristã (Padres Apostólicos) – séculos I e II

A intenção de seus escritos é exortativa e catequética; seu estilo é semelhante ao das epístolas católicas; faz-se glosas da Sagrada Escritura; escreve-se sobre a práxis cristã; o temas de seus escritos são as verdades cristãs centrais.

Principais expoentes: São Clemente Romano (Epístolas aos Coríntios), Santo Inácio de Antioquia (Epístolas), Didaqué, Epístola a Barnabé, Epístola a Diogneto, Pastor de Hermas.

* Obras Propriamente Teológicas dos Apologistas – século II

Escrevem contra os críticos pagãos e os escritores agnósticos; possuem pretensões especulativas; tentam fazer uma exposição reduzida ao meramente racional; escrevem contra o Gnosticismo (Basílides, Valentim, Ptolomeu, Heracleão).

Expoentes: Aristides de Atenas, Quadrato, São Justino, Aristão, Taciano, Teófilo de Antioquia, Hermias, Hegésipo. Deve-se considerar à parte, por sua importância, Santo Ireneu de Lião (+202), que escreveu "Adversus Haereses" e "Demonstratio Evangelica"; é o primeiro a abordar a tarefa de explicar a fé.

* Estudo Sistemático da Revelação (Escolas) – século III

Escola de Alexandria: emprega a filosofia neoplatônica pela primeira vez para aprofundar nos dados da fé. Caracteriza-se pela tarefa especulativa, a exegese alegórica e a catequese.

Expoentes: Panteno, São Clemente de Alexandria (+215; autor do "Protréptico", "Pedagogo" e  "Estromata"), Orígenes (+254; autor de "Hexaplas", "Contra Celso", "De principiis", "Exortação ao Martírio", homilias e comentários à Bíblia).

Escola de Antioquia: mais sentido histórico e influência aristotélica.

Expoentes: São Luciano de Antioquia (+312), Ário (+336), Diodoro de Tarso (+384), São João Crisóstomo (+407), Teodoro de Mopsuéstia (+428), Teodoreto de Ciro (+460).

* Padres Gregos

Seu pensamento se articulo em torno dos mistérios trinitários e cristológicos.

Expoentes:
. Santo Atanásio (+373): "Oratio contra gentes", "Oratio de Incarnatione Verbi", "Orationes" e "Apologia" contra os Arianos. Participante do Concílio de Nicéia (325).
. São Basílio (+379): "Tratado do Espírito Santo", "Homilias sobre o Hexamerón", "Contra Eunômio".
. São Gregório de Nanzianzo (+390): discursos teológicos.
. São Gregório de Nissa: aperfeiçoa o conceito de "hipostasis" e sistematiza a teologia e mística orientais.
. São Cirilo de Alexandria (+444): acentua a tendência sistemática.
. São João Damasceno (+749): "De fide orthodoxa" (muito usada no período medieval).
. Pseudo-Dionísio Aeropagita (+final séc.V): "Dos Nomes Divinos", "Teología Mística", "Da Hierarquia Celeste", "Da Hierarquia Eclesiástica" (auge da cristianização da tradição neoplatônica; apofatismo: tradição oriental).

* Padres Latinos

. Tertuliano de Cartago (+202).
. São Cipriano de Cartago (+258): "De Ecclesia Unitate", "De Lapsis", epístolas.
. Santo Ambrósio de Milão (+397): "De Officis Ministrorum", "De Mysteriis", "De Poenitencia".
. São Jerônimo (+420): autor da Vulgata (versão latina da Bíblia).
. Santo Agostinho (+430): "Confissões", "Retractationes", "De Trinitate", "De Civitate Dei". Primeira síntese do pensamento cristão ocidental; equilíbrio entre Sagrada Escritura, exposição espiritual e uso das categorias platônicas. "Fides quaerens intellectum".
. São Leão Magno (+461): "Tomo ad Flavianum" (Concilio de Calcedonia).

. Séculos V e VI
 

Existe a consciência de que se encerrou uma etapa criadora e começa agora uma etapa destinada a conservar o que foi herdado (São Vicente de Lérins: progresso, porém, fidelidade ao depósito recebido). Os homens que se encarregam desta tarefa são aqueles que receberam uma preparação para as funções civis que tinham desempenhado.

Conteúdo da herança:

1. Literatura antiga e textos dos Padres através dos monges.
2. A lógica de Aristóteles, em parte.
3. Plano de formação enciclopédica a serviço do estudo do texto sagrado na linha de Santo Agostinho ("De Doctrina Christiana"), Boécio e Cassiodoro (planos de estudos de ambos).
4. Espírito monástico e moralismo.

Expoentes:

. Boécio (+524), cônsul e "magister officiorum". Obras: "Opuscula Sacra" (metafísica do ser, conceito de pessoa), "De Consolatione Philosophiae" (grande meditação da teodicéia). Traduziu várias obras de Aristóteles e transmitiu à Idade Média o plano escolar de Varrão (Trivium e Quadrivium).
. Gregório Magno (+604), pretor em Roma. Sua obra é essencial e exclusivamente edificante (exegese alegórica e relativa à experiência pessoal da alma). Obras: "Regula Pastoralis", "Diálogos", "Moralia in Iob", "Homilias".
. Cassiodoro (+583), o "último romano": copia manuscritos em dois mosteiros beneditinos da Calábria (um deles é "Vivarium". Obras: "Institutiones Divinarum et Saecularium Literarum" (manual de cultura das artes liberais) e "Historia Tripartita".
. Santo Isidoro de Sevilha (+636), "primeiro pedagogo da Idade Média". Obras: "Etymologiae" (em 20 livros), "Libri Tres Sententiarum", "Liber de Haeresibus", "Contra Iudeos", "Liber de Variis Quaestionibus". Formação enciclopédica para o estudo dos textos bíblicos.
. São Beda o Venerável (+735).
. Alcuíno de York (+804).
. Rabano Mauro, "praeceptor Germaniae" (+856).

 
– Resumo

Veja também  REFLEXÃO PATRÍSTICA - "COMBATENDO O BOM COMBATE" (São Cipriano de Cartago, +258)

. De 0 a 325 (Pré-Nicenos)

Escritos simples: símbolos, fixação do cânon do Novo Testamento, literatura apócrifa, apologias, atas e narrações sobre os mártires, obras anti-heréticas, escolas de catequese.

. De 325 a 451 (Século de Ouro)

Tratados dogmáticos, formulações dos dogmas, grandes heresias.

. De 451 a 750 (Etapa Final)

Temas do tipo moral, florilégios (compilações de documentos antigos), catenas (encadeamento das citações dos Padres).

>> Bibliografia: Quasten 1,1-31; Moliné 1,9-30.


Livros recomendados

Comentário à Metafísica de Aristóteles V-VIII – Volume 2A Paixão de Nosso Senhor Jesus CristoComo Defender a Fé Sem Levantar a Voz





About the author

Veritatis Splendor