Jesus nunca contradisse a fé num Deus único, nem sequer quando realizava a obra divina por excelência que cumpria as promessas messiânicas e O revelava igual a Deus: o perdão dos pecados. A exigência feita por Jesus de fé na sua Pessoa e de conversão permite compreender a trágica incompreensão do Sinédrio que considerou Jesus merecedor de morte porque blasfemo.

Facebook Comments

Livros recomendados

A vida é traiçãoO capital: Livro 3 – O processo global de produção capitalista (Vol. 5)Não Trago Ouro Nem Prata