Olá Opositores da fé Evangéca; Igualmente o sou da fé Católica.

Quero apenas comentar a descrepancia de tal testemunho do vosso site, entitulado de; 150 Razões Porque me Tornei Católico.

Entre inúmeros itens, quero comentar o de número: ” 48. Muitos protestantes negaram o batismo infantil, ao contrário da Tradição Cristã e da Bíblia (At 2, 37-39; 16,15; 16, 33; 18,8) (1Cor 1,16) (Cl 2,11-12)”.

Quanta cegueira espiritual, será que não vem que o texto faz menção a pessoas “adultas”, capacitadas da razão e conhecimento do pecado, mesmo ao citar a expressão “a sua casa”; e que dentro de um contexto bíblico, que me desculpem não tenho tempo agora para citar, fica para depois; não se batizava crianças mas as tais eram apresentadas ao SENHOR.

Ao autor desse “tristemunho” observo-lhe; quanta ignomia, falta de conhecimento, e comprometimento com a verdade… Ou não sabeis que cada um dara conta de cada palagra frivola NAQUELE DIA.

Aos colegas opositores, meu abraço…

Evandro.

Resposta

Prezado Evandro,

Entendemos como Fé Evangélica a fé que possui por base o Evangelho. De forma nenhuma somos positores disto. Nos opomos sim a todo erro contrário ao Evangelho que Cristo com tanto Amor confiou à Sua Igreja.

Em base em quê você afirma que o texto em questão utiliza a expressão “casa” referindo-se somente aos adultos? A expressão “casa” (domus, em latim; oikos, em grego) tinha sentido amplo e enfático na Antigüidade: designava o chefe de família com todos os seus domésticos, inclusive as crianças (que geralmente não faltavam).

Devo lembrá-lo que São Paulo chama o Batismo de circunsisão de Cristo (cf. Cl 2,11), e a circuncisão não era realizada nas crianças?

E em base em quê você afirma que nos primeiros séculos “não se batizava crianças mas tais eram apresentadas ao Senhor”?

Um pouquinho da memória Cristã para que você veja que a Igreja Antiga sempre batizou crianças pois recebeu este costume dos Santos Apóstolos:

“Ele (Jesus) veio para salvar a todos através dele mesmo, isto é, a todos que através dele são renascidos em Deus: bebês, crianças, jovens e adultos. Portanto, ele passa através de toda idade, torna-se um bebê para um bebê, santificando os bebês; uma criança para as crianças, santificando-as nessa idade…(e assim por diante); ele pode ser o mestre perfeito em todas as coisas, perfeito não somente manifestando a verdade, perfeito também com respeito a cada idade” (Santo Irineu, ano 189 – Contra Heresias II,22,4).

“Onde não há escassez de água, a água corrente deve passar pela fonte batismal ou ser derramada por cima; mas se a água é escassa, seja em situação constante, seja em determinadas ocasiões, então se use qualquer água disponível. Dispa-se-lhes de suas roupas, batize-se primeiro as crianças, e se elas podem falar, deixe-as falar. Se não, que seus pais ou outros parentes falem por elas” (Hipólito, ano 215 – Tradição Apostólica 21,16).

“A Igreja recebeu dos apóstolos a tradição de dar Batismo mesmo às crianças. Os apóstolos, aos quais foi dado os segredos dos divinos sacramentos sabiam que havia em cada pessoa inclinações inatas do pecado (original), que deviam ser lavadas pela água e pelo Espírito” (Orígenes, ano 248 – Comentários sobre a Epístola aos Romanos 5:9)

“Do batismo e da graça não devemos afastar as crianças” (São Cipriano, ano 248 – Carta a Fido).

“A Igreja recebeu dos Apóstolos a Tradição de dar o batismo também aos recém-nascidos” (Ep. Ad. Rom. LV, 5, 9). Ano 349)

“Também os mais pequeninos que não tenham ainda podido cometer pessoalmente algum pecado, são verdadeiramente batizados para a remissão dos pecados, a fim
de que, mediante a regenaração, seja purificado aquilo que eles têm de nascença” (Concílio de Cartago, Cânon 2, Ds, 222. Ano 418).

Espero tê-lo ajudado.

Facebook Comments

Livros recomendados

Cientistas de BatinaReligião: Ópio do Povo?A Hora das Hidrovias