Espaço do Leitor

Leitor pergunta sobre a hierarquia dos anjos

Nome do leitor: Edilson Meireles
Cidade/UF: Rio de Janeiro/RJ
Religião: Cristão – Católico

Mensagem
========

Apostolado Veritatis,
Sou um grande admirador do seu trabalho e na medida do possível venho estudado a santa doutrina católica, inclusive neste site, na esperança de pregar e testemunhar a nossa fé aos irmãos que precisam.
Gostaria de que pudesse me solucionar a seguinte dúvida: qual a diferença entre as formas de denominar os anjos: Anjos, Arcanjos, Tronos, Querubins, Serafins, Tronos, Virtudes, Potestades e Poderes? Existe uma hierarquia entre eles? Caso exista, quem estaria “acima” de quem? Os nomes de anjos da guarda que aparecem em revistas e sites relacionado aos dias de nascimento tem algum fundamento cristão?
Desde já agradeço a colaboração.
Edilson.


Caríssimo sr. Edilson, estimado em Cristo,

Muito agradeço os seus elogios ao nosso site. Não os merecemos, pelo que tributamos todas as suas caridosas palavras, a nós dirigidas, ao Altíssimo, sem cuja graça nada somos.

Na verdade, anjo é o nome referente à missão de ser mensageiro. Por sua natureza, o nome é incorreto. O melhor, segundo Santo Agostinho, é designá-lo espírito, ser espiritual etc. Porque é isso que são: seres intelectuais, mas imateriais. Diferentemente dos seres intelectuais materiais (os homens), que são de uma só natureza, os espíritos são distintos. Então, sob o nome genérico anjos, encontram-se vários “tipos” de espíritos (coisa que não ocorre com o homem, que é de um só “tipo”). Nove “tipos”, para ser mais exato. Assim, podemos dizer que Deus criou dez diferentes criaturas intelectuais: cada uma das nove ordens dos anjos, e o homem.

Essas ordens se diferem segundo o grau de participação em Deus, segundo sua contemplação das realidades celestes e aspectos intelectuais e volitivos de sua própria característica. A classificação em coros ou hierarquias dos anjos vem de São Dionísio, o Aeropagita, e do Papa São Gregório Magno. Santo Tomás as recolhe e explica. Os serafins são os anjos mais graduados, e por isso São Gabriel, São Miguel e São Rafael pertencem a essa hierarquia.

Veja também  Modernismo e Racionalismo

Veja: Rafael, Miguel e Gabriel são chamados “arcanjos”, mas não no sentido da ordem dos arcanjos. O título “arcanjo” após seus nomes tem o sentido de “anjo maior”, porém eles não pertencem ao coro dos arcanjos, e sim ao dos serafins, segundo Santo Tomás.

Santo Tomás explica de modo bem simples no Compendium Theologiae (não confundir com a Suma, na qual também explica, porém mais demoradamente). O senhor pode ler mais a respeito, entendendo as hierarquias, nos seguintes links:

http://www.cot.org.br/igreja/hierarquia-dos-anjos.php

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=PERGUNTA_RESPOSTA&id=prs0710

Para um estudo mais aprofundado acerca dos anjos, sua missão, seu papel, por favor, queira consultar:

http://www.enciclopediacatolica.com/a/angeles.htm

http://www.lepanto.com.br/EstAnjos.html

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=PERGUNTA_RESPOSTA&id=prs0471

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=PERGUNTA_RESPOSTA&id=prs0465

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=PERGUNTA_RESPOSTA&id=prs0466

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=PERGUNTA_RESPOSTA&id=prs0467

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=PERGUNTA_RESPOSTA&id=prs0469

http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php?doc=PERGUNTA_RESPOSTA&id=prs0470

Anjo não tem necessidade de nome. Ele é um ser espiritual apenas. O nome é mais para a nossa relação com eles, um título característico da missão de cada um. Daí que listas de nomes angélicos são estranhas à mentalidade cristã: mais ainda, originam-se em fontes pagãs ou gnósticas. A Tradição Apostólica e a Sagrada Escritura somente guardam os nomes de três anjos, já mencionados por nós: São Gabriel, São Miguel e São Rafael. E, lembro, não são, propriamente, nomes, como os entendemos em relação aos seres corpóreos, conforme expliquei.

Esses outros anjos são, associados a datas de aniversário, são uma superstição, portanto! Cada um de nós tem um anjo próprio e pessoal. Não há apenas 72 anjos – erro ensinado por uma deturpação do judaísmo tardio chamada cabala, impregnada de gnose -, que se repartiriam para guardar os bilhões de seres humanos que habitam, habitaram ou habitarão o planeta.

Espero ter ajudado a elucidar suas dúvidas, e submeto-me às suas orações, enquanto lhe asseguro minhas pobres preces por suas mais caras intenções!

Veja também  Sobre a nova lei seca

Em Cristo, Nosso Senhor,


Livros recomendados

O Brasil e a Nova Ordem MundialVida de Cristo (Quadrante)Novenas Marianas





About the author

Veritatis Splendor