boa tarde, gostaria de obter informaçoes sobre oraçoes em linguas, e poque somente a renovaçao carismatica o faz. ate que ponto posso acreditar nessa oraçao ja que nao sei o que estou dizendo.

agradeço antecipadamente,

marcio a dias

Resposta

Prezado Marcio a Paz de Cristo!

A oração em línguas é a oração do Espírito Santo por nós, pois "o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza; porque não sabemos o que devemos pedir, nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis." (Rm 8,26).

São Paulo ainda nos ensina que aquela a oração em línguas só favorece aquele que ora, quando é melhor que a tua oração favoreça toda a Assembléia:

"Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a ação do Espírito. Aquele, porém, que profetiza fala aos homens, para edificá-los, exortá-los e consolá-los. Aquele que fala em línguas edifica-se a si mesmo; mas o que profetiza, edifica a assembléia. Ora, desejo que todos faleis em línguas, porém muito mais desejo que profetizeis. Maior é quem profetiza do que quem fala em línguas, a não ser que este as interprete, para que a assembléia receba edificação. Suponhamos, irmãos, que eu fosse ter convosco falando em línguas, de que vos aproveitaria, se minha palavra não vos desse revelação, nem ciência, nem profecia ou doutrina?" (1Cor 14,2-6)

A oração em línguas é uma manifestação espontânea do Espírito Santo, mas não deve ser buscada como se fosse algo melhor que a oração comum. Aliás, São Paulo continua em sua catequese sobre a oração em línguas:

"Se eu oro em virtude do dom das línguas, o meu espírito ora, mas o meu entendimento fica sem fruto. Então que fazer? Orarei com o espírito, mas orarei também com o entendimento; cantarei com o espírito, mas cantarei também com o entendimento. De outra forma, se só renderes graças com o espírito, como dirá Amém a tuas ações de graças aquele que ocupar o lugar dos simples? Sem dúvida, as tuas ações de graças podem ser belas, mas o outro não é edificado." (1Cor 14,14-17)

Infelizmente as pessoas procuram dons espirituais para si próprias quando deveriam procurá-los para o bem mútuo. Na grande maioria destas assembléias carismáticas, as pessoas fingem que estão orando em línguas, não havendo realmente nenhuma manifestação real do Espírito Santo. 

O Espírito Santo se manifesta para o bem comum e não para o bem individual. Por isso aquele que diz orar em línguas que use este carisma para o bem de todos, para a edificação de todos, que peça a Deus a compreensão do que ora para o entendimento dos fiéis. Tudo isto também é catequese de São Paulo sobre este tema:

"Assim também vós: se vossa língua só profere palavras ininteligíveis, como se compreenderá o que dizeis? Sereis como quem fala ao vento. Há no mundo grande quantidade de línguas e todas são compreensíveis. Porém, se desconhecer o sentido das palavras, serei um estrangeiro para quem me fala e ele será também um estrangeiro para mim. Assim, uma vez que aspirais aos dons espirituais, procurai tê-los em abundância para edificação da Igreja. Por isso, quem fala em línguas, peça na oração o dom de as interpretar." (1Cor 14, 9-13)

Facebook Comments

Livros recomendados

Bernardo de Claraval – Testemunha do seu tempo perante DeusBriggflattsCientistas de Batina