[Leitor autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor: Augusto Cesar Primo
Cidade/UF: indaiatuba/SP
Religião: Católica

Mensagem
========

Primeiramente eu queria agradecer aos membros do apostolado veritatis splendor que me tem ensinado muita coisa. Hoje sou mais firme em minha fé do que em tempos atrás (quando nao conhecia este site). Deus continue os abençoando e que a Virgem do Perpétuo Socorro os guarde sempre.

Sei que somente a Igreja Católica é o Sacramento Universal da Salvação, portanto fora dela nao há salvação. MAs é claro que existem “ressalvas”. Por exemplo: Ouvi o Padre Roberto Lettieri dizer uma vez que quem nao esta na Igreja Católica pode ser salvo, no caso de ela nao ter praticado a religião em questão. Mas quem já foi catolico e hoje esta em outro seguimento religioso nao tera a salvação. Um outro padre ( nao lembro seu nome, mas ele é jornalista da radio vaticano ou do jornal L`osservatore Romano) uma vez, no programa Escola da Fé do Prof. Felipe Aquino ao conversar com o prof. a respeito das seitas, disse que a maioria dos “ex-catolicos” que pertencem a tais seitas (pentecostais principalmente) nao irão voltar pra Igreja Catolica. Como que dizendo que o mais correto seria reevangelizar os que ainda nao sairam totalmente da Igreja mas nao são firmes. E os que já sairam pretende-se apenas manter um dialogo ecumenico pra aproximá-los um pouco mais dos catolicos e assim vivermos (católicos e protstantes) em profundo amor e respeito.

Mas aí é que está minha duvida. Se somente a Igreja Catolica salva, por que essa aparente despreocupação com as alams dos irmãos separados. Será que mesmo fora da Igreja e ainda por cima, tendo sido antes, membros dela, obterão a salvação?

Muito obrigado pelo amor que os senhores têm pela igreja e pelas almas de cada irmão nosso. Deus os abençoe e desde já agradeço o vossos esforços em me ajudar nessa questão.
Grande abraço.

Caríssimo Augusto, a Santa Paz de Nosso Senhor!

Agradeço imensamente o seu carinho para conosco e nosso apostolado. Queira Deus que nosso trabalho só reflita a Verdade perene de Cristo, verdade esta que nos encaminha na jornada da Salvação.

E Salvação é o assunto de sua pergunta.

S. Paulo que foi o grande teólogo da salvação nos ensinou:

O que era impossível à lei, visto que a carne a tornava impotente, Deus o fez. Enviando, por causa do pecado, o seu próprio Filho numa carne semelhante à do pecado, condenou o pecado na carne, a fim de que a justiça, prescrita pela lei, fosse realizada em nós, que vivemos não segundo a carne, mas segundo o espírito” (Rm 8,3-4).

A Lei servia para mostrar o que deveríamos fazer para agradar a Deus, porém, sem a Graça ninguém conseguia agradar a Deus, pois “os que vivem segundo a carne não podem agradar a Deus” (Rm 8,8). Além do mais “porque diante de Deus não são justos os que ouvem a lei, mas serão tidos por justos os que praticam a lei” (Rm 2,13).

O apóstolo quando fala da Lei, se refere aos ensinamos morais da Lei, que tinham seu núcleo nos Dez mandamentos (2Cor 3,3). Esses ensinamentos Deus escreveu nos corações dos homens e quando os homens cumprem as prescrições que Deus colocou em seu coração, agradam a Deus, logo são tomados como justos:

Os pagãos, que não têm a lei, fazendo naturalmente as coisas que são da lei, embora não tenham a lei, a si mesmos servem de lei; eles mostram que o objeto da lei está gravado nos seus corações, dando-lhes testemunho a sua consciência, bem como os seus raciocínios, com os quais se acusam ou se escusam mutuamente” (Rm 2,14-15). Ainda: “A circuncisão, em verdade, é proveitosa se guardares a lei. Mas, se fores transgressor da lei, serás, com tua circuncisão, um mero incircunciso. Se, portanto, o incircunciso observa os preceitos da lei, não será ele considerado como circunciso, apesar de sua incircuncisão?” (Rm 2,25-26).

Logo, aquelas pessoas que não conheceram o Evangelho, mas que foram fiéis às inclinações morais que Deus inscreveu em nossa natureza (por isso também se chamam Lei Natural), se salvam, pois “serão tidos por justos os que praticam a lei” (cf. Rm 2,13).

Estas pessoas embora não estejam no grêmio visível da Igreja, isto é, no seu corpo, estão ligados à sua alma. Logo, de qualquer forma se salvam através da Igreja e nunca fora dela.

Porém, sem o conhecimento da Doutrina, dificilmente alguém seguirá a Lei Natural, pois a lei da carne peleja contra a lei do espírito (cf. Rm 8, 6-7). Por isso, o anúncio do Evangelho é necessário (cf. Mc 16,15), pois sem a Fé, não há Graça.

Como você sabe, a Verdade perene, a Doutrina de Sempre esteve, está e estará na Igreja Católica, Única Igreja de Nosso Senhor. Mas, nem todos os batizados na Igreja Católica são católicos realmente. A grande maioria dos católicos não conhece a Doutrina de Sempre, isto é, não foram evangelizados e por isso, muitos deles se debandam para as seitas protestantes.

O ex-católico que se tornou protestante pode se encontrar em ignorância invencível, isto é, em um estado em que se é incapaz de conhecer e aceitar a Verdade.

Entretanto devemos sempre procurar a evangelização dos protestantes e procurar lhes ensinar a Verdade. É certo que muitos deles encontram-se também em negação pertinaz da Verdade, embora sejam capazes de compreendê-la. Para estes só restará o fogo do inferno, pois fizeram como os fariseus, que viram a Verdade, mas não a aceitaram porque não quiseram.

Mesmo a estes devemos pregar sempre e lhes opor, para que não possam dizer que não tiveram chance de conhecer a Verdade. Além do mais, este trabalho poderá ajudar a muitos a não seguir o erro deles.

Com efeito, é melhor prevenir do que remediar, isto é, é melhor evangelizar um católico tornando-o conhecedor da Verdade, do que ele vindo a se tornar herege tentar removê-lo do erro. Principalmente, porque os protestantes não têm amor à Verdade, mas ódio à Igreja Católica.

Em Cristo,

Prof. Alessandro Lima.

Facebook Comments

Livros recomendados

Devocionário à Divina Misericórdia –  Vol. IIA Lenda de João, o AssinaladoPolitização da Bíblia – As raízes do Método Histórico-Crítico e a secularização da Escritura (1300-1700)