[Leitor autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor: Vinícius Linhares Mateus
Cidade/UF: Samambaia- DF
Religião: Católico

Mensagem
========

Olá, meu nome é Vinícius e a minha dúvida e a seguinte: Se existi o juízo final para que a existência do juízo particular?

Agradeço antecipadamente.

Caríssimo Vinícius, a Santa Paz!

Obrigado por confiar em nosso trabalho e desde já peço as suas orações pelo nosso apostolado, para a salvação das almas e a Glória de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Tanto na Tradição quanto na Escritura, o termo “juízo” se refere à aplicação da justiça de Deus. Justiça que condena ou recompensa, que glorifica ou dana.

Logo a salvação ou a danação eternas são resultados do Justiça, isto é, do Juízo. Dois são os objetos do juízo de Deus: o homem e o mundo. Exatamente pelo fato do juízo divino possuir dois objetos distintos é que ele se classifica de duas formas: juízo particular e juízo final.

O juízo particular visa julgar o homem e se dá logo após a sua morte. É o que ensina o Senhor na parábola do Rico e do Lázaro (cf. Lc 16,20-31), onde ambos foram julgados logo após a morte e não após a consumação dos séculos. Pregado na Cruz, Nosso Senhor promete ao bom ladrão a salvação naquele mesmo dia e não após o juízo final (cf. Lc 23,43). Outra prova está no livro do Apocalipse onde os santos já se encontram no céu e clamam por justiça (juízo final) antes mesmo do fim-do-mundo (cf. Ap 6,10). Leia também os capítulos 1021-22 do Catecismo.

Já o juízo final é o cumprimento das promessas de Cristo: “Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra” (Mt 5,18). O Reino de Nosso Senhor não está instaurado por uma vitória da Sua Igreja neste mundo, mas pela Sua Vinda Gloriosa, trazendo consigo a consumação dos tempos, fazendo a Nova Jerusalém descer do Céu. Nele todos os mortos ressuscitarão e serão objetos do juízo último de Deus sobre toda a terra. Lei também os capítulos 677-678, 1038-1041.

Espero tê-lo ajudado,

Em Cristo Nosso Senhor,

Facebook Comments

Livros recomendados

Onde está o meu Deus?A morte felizComentário à Metafísica de Aristóteles IX–XII — Volume 3