Espaço do Leitor

Leitor pergunta sobre uso e significado das velas

Sempre procurei ser um fiel católico, seguindo os mandamentos da Lei de Deus e da Igreja, contudo, não consigo entender uma antiga tradição que é acender velas nas igrejas, em algumas há um local apropriado para os fiéis acenderem as suas velas. Certa vez indo a missa na Catedral de Westminster em Londres, tive que notar num lugar apropriado, numa nave lateral da igreja uma enorme queimação de velas e o forte odor que de lá imanava, olhando para teto do imenso templo bizantino, vi que ele está completamente negro de fulingem. Nunca na minha vida acendi uma vela se quer, dentro ou fora da igreja, a não em casa quando falta luz. Está correto que seguindo a liturgia estejam velas acesas junto do altar durante a missa ou na exposição do Santissímo.

Da onde vem essa tradição?  Nas igrejas ortodoxas também existe essa prática. É preciso acender velas para que a nossa oração chegue até Deus? Nunca soube de um padre ou religioso ou religiosa que tenha esse costume, apesar disso me parece que certos párocos incentivam esse costume. Por que razão? Quem deve lucrar com isso são oa fabricantes de velas.


Caríssimo sr. José Rubens,

Parabéns por sua dedicação em servir a Deus e obedecer Suas leis e as da Igreja por Seu Filho fundada, fora da qual não há salvação.

Sua pergunta é pertinente, dado que alguns protestantes contestam o uso das velas como se fosse algo pagão ou idolátrico. Esquecem que, mesmo entre alguns segmentos do protestantismo histórico, elas ainda são usadas no culto. E, mais ainda, protestam, para não perder o costume, sem saber o real significado das mesmas. Que bom saber que o senhor, ao não entender ou ter dúvidas, submete-as a seus irmãos de caminhada na fé, em vez de ceder aos ataques dos hereges.

Veja também  O pecado e o cisma

Temos de diferenciar as velas do altar (para a Missa e para a Exposição do Santíssimo) das velas acesas em veneração a um santo (ou a Deus mesmo). As velas que se acendem no altar são próprias para o culto litúrgico, e a Instrução Geral para o Missal Romano e as rubricas dos demais ritos dão diretrizes para seu uso. Já as usadas nos oratórios e nos altares laterais são para devoção pessoal (pagar uma promessa, pedir uma graça etc).

A vela tem um significado profundo e singelo ao mesmo tempo. Como só ilumina quando se consome, lembra nosso aniquilamento para ser luz do mundo: só poderemos fazer brilhar o Evangelho em nossas vidas se nos gastarmos por Cristo. Por isso, ela é usada em muitos atos litúrgicos e extra-litúrgicos.

Qual o sentido das velas do altar? Nós as acendemos durante a Missa para mostrar que somos como elas, que se consomem quando prestam seu serviço. Assim devemos ser nós: cumprir nossa missão (a da vela é iluminar e aquecer) e, para isso, nos gastar (para iluminar e aquecer, a vela vai se consumindo, se destruindo). Mais ainda, a consumação da vela representa a entrega de Cristo por nós, pois foi morrendo que nos deu a vida eterna. Ora, a Missa não é justamente a Cruz tornada presente? Nada mais coerente do que ter as velas se consumindo no altar como lembrança do sacrifício que se realiza, como sinal do que está acontecendo. O “sacrifício” da vela é um símbolo do sacrifício de Jesus que se imola por nós na Missa. E também um símbolo dos nossos sacrifícios, meritórios se unidos ao de Cristo.

O mesmo pode ser dito da vela que se acende durante a Exposição do Santíssimo, uma vez que, embora não seja um sacrifício, continua a adoração que prestamos a Deus, iniciada na Missa: só há adoração a Cristo Eucarístico porque houve, em algum tempo, uma consagração mediante a qual se conseguiu o Corpo de Jesus a ser colocado no ostensório ou na âmbula. Essa prolongar da adoração, que une, misticamente, a Missa e a Exposição, é simbolizado pela vela.

Veja também  Leitor denuncia: sacerdote diz para não rezar a salve rainha!

Outrossim, ainda no uso litúrgico, a vela pode significar a iluminação, como quando o fiel a recebe em seu Batismo. De fato, pelo Batismo somos iluminados pela graça. Deus, a Luz verdadeira, vem em nossa alma morar.

Já a vela para devoção pessoal é uma faculdade, como toda oração privada, não oficial. Ainda assim, é sumamente recomendada que a usemos nas mais variadas situações – quer para simbolizar o sacrifício de Cristo, quer para significar a nossa consumação diante de Deus, quer, ainda, para representar a luz que de Deus procede (mesmo que mediante seus santos, e, sobretudo, a Santíssima Virgem). Podemos usá-la para o cumprimento de um voto feito a Deus ou aos santos.

Mas o santo só intercede por nós mediante o voto? Mediante a vela? Claro que não! O santo intercede com ou sem voto a ele feito. O voto é mais uma demonstração de nosso afeto, de nossa devoção, do que um condicionamento para a ação do intercessor. Mais uma gratidão do que uma recompensa (até porque o santo já tem a maior de todas as recompensas: a visão beatífica). A finalidade da promessa (seja ela de acender uma vela ou qualquer outra) é a nossa devoção, não um aumento da eficácia do santo.

Acender velas pelos mortos é um modo, outrossim, de, simbolicamente, desejar-lhes a luz, a Luz Eterna, que é Deus.

Em Cristo,


Livros recomendados

Bem-Aventurados os PobresAmar a IgrejaO Jardim das Aflições (Vide Editorial)





About the author

Veritatis Splendor