Espaço do Leitor

Leitora acusa catolicismo de idolatria

Mensagem

Quando adora-se imagens, troca-se o Criador pelo que é criado.

Todas as imagens são constituídas de elementos da natureza como madeira, pedras preciosas, metais etc.

Como pode a madeira trabalhada, a pedra lapidada e o metal fundido ser objeto de adoração?

Como pode se tornar um deus?

Todo o nosso louvor e toda a nossa adoração deve ser dirigida ao Criador dos Céus e da Terra, com a mediação única e exclusiva de Jesus, que se fez homem para salvar a todos por causa da desobediência de Adão

Resposta

Sra. Rosi,

Nós católicos não adoramos imagens. Este é um velho tabu que ainda alimenta a fé de muitos protestantes.

Uma imagem de um Santo é tão idólatra quanto a imagem de Duque de Caxias no centro do Rio de Janeiro.

É um costume muito antigo dentro do Cristianismo lembrar os modelos da fé, lembrar e celebrar a vida das pessoas que foram exemplos de vida cristã. Os primeiros cristãos exatamente por este costume também eram acusados de idolatria pelos Judeus, um escrito de meados do séc II registra isto:

Ignoravam eles [os Judeus] que não poderíamos jamais abandonar Cristo, que sofreu pela salvação de todos aqueles que são salvos no mundo, como inocente em favor dos pecadores, nem prestamos culto a outro. Nós o adoramos porque é o Filho de Deus.

Quanto aos mártires, nós os amamos justamente como discípulos e imitadores do Senhor, por causa da incomparável devoção que tinham para com seu rei e mestre.

Pudéssemos nós também ser seus companheiros e condiscípulos!” (Martírio de Policarpo 17:2 +- 160 D.C).

E mais adiante esta importantíssima prova da fé primitiva, dá testemunho do costume que a Igreja tinha em guardar uma data, para celebrar a memória dos Santos, como Ela faz até hoje: “Vendo a rixa suscitada pelos judeus, o centurião colocou o corpo no meio e o fez queimar, como era costume. Desse modo, pudemos mais tarde recolher seus ossos [de Policarpo], mais preciosos do que pedras preciosas e mais valiosos do que o ouro, para colocá-lo em lugar conveniente. Quando possível, é aí que o Senhor nos permitirá reunir-nos, na alegria e contentamento, para celebrar o aniversário de seu martírio, em memória daqueles que combateram antes de nós, e para exercitar e preparar aqueles que deverão combater no futuro.” (Martírio de Policarpo 18 +- 160 D.C)

A matéria completa está em https://www.veritatis.com.br/article/265

Os primeiros cristãos também tinham o costume de fazer imagens veja:

Uma vez que evoquei a lembrança desta cidade [Paneas], não considero justo omitir uma narrativa digna de memória até para os pósteros. Com efeito, diz-se ter sido oriunda deste lugar a hemorroíssa que, conforme narram os santos evangelhos encontrou junto do Senhor a cura de seus males(cf. Mt 9,20ss; Mc 5,25; Lc 8,43).

Mostra-se na cidade sua casa, e subsistem admiráveis monumentos da beneficência do Salvador para com ela.

Com efeito, sobre um rochedo elevado, diante das portas da casa, ergue-se uma estátua feminina de bronze. Ela tem os joelhos dobrados, as mãos estendidas para a frente, em atitude suplicante. Diante dela há outra estátua da mesma matéria, representando um homem de pé, sobre uma coluna, parece brotar uma planta estranha que se eleva até as franjas do manto de bronze; é o antídoto de doenças de toda espécie.

Assegurava-se que a estátua é imagem de Jesus; ela subsiste ainda até hoje, de sorte que nós a vimos ao visitarmos a cidade” (Eusébio de Cesaréia, HE VII,18,1-3. 375 DC)

Não é de admirar que outrora pagãos beneficiados por nosso Salvador, a tenham erguido [a imagem do relato anterior], quando sabemos terem sido preservados ícones pintados em cores dos apóstolos Pedro e Paulo e do próprio Cristo. É natural, pois os antigos, segundo um uso pagão entre eles observado, tinham o costume de honrá-los desta maneira sem preconceitos, quais salvadores.” (Eusébio de Cesaréia, HE VII,18,4. 375 DC)

Igualmente o trono de Tiago, o primeiro a receber do Salvador e dos apóstolos o episcopado da Igreja de Jerusalém e freqüentemente nas Escrituras é designado como irmão de Cristo (Gl 1,19; 1Cor 15,7; Mt 13,55), foi conservado até hoje e os irmãos da região sucessivamente o cercaram de cuidados. Deste modo realmente demonstram a todos a veneração que os homens de outrora e os atuais dedicavam e ainda dedicam aos homens santos, porque amados de Deus. Eis o referente a esta questão.” (Eusébio de Cesaréia, HE VII,19. 375 DC)

Veja que nós católicos apenas mantemos o antigo costume que não era visto como idolatria. Por isso é importante conhecer a Memória Cristã, para que não saiamos por aí professando o erro e chamando o certo de errado e o errado de certo.

Os protestantes enquanto nos chamam de idólatras também não adoram a Deus.

Adoração exige oferecimento de Sacrifício. Somente na Igreja Católica se adora a Deus, pois somente Ela oferece a Ele o sacrifício que Lhe é devido (a Eucaristia), e

que os protestantes não oferecem. No protestantismo há louvor a Deus e não adoração.

Peço em Nome do Senhor que a sra. procure se informar melhor e estudar para não ser enganada.

Veja como o protestantismo se afasta da fé que sempre existiu no Cristianismo : https://www.veritatis.com.br/article/2412

E sobre as imagens e a veneração dos Santos eu recomendo o links abaixo:

“Deus Proíbe a Confecção de Imagens?”

“Imagens Católicas ou Idolos Pagãos?”

“O Culto aos ícones sagrados”

Estamos à disposição para quaisquer outros esclarecimentos.

Facebook Comments

Livros recomendados

9 Ateus Mudam de ÔnibusA Guerra dos CristerosA Grande Mentira – Lula e o Patrimonialismo Petista

About the author

Veritatis Splendor

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.