Não, porque a consciência, separada da verdadeira Religião, não é por si só infalível, de modo que também pode errar na moralidade dos seus pensamentos, palavras, atos e omissões, principalmente quando contaminada pela opinião pública, pela paixão e pelos modismos, prazeres e preconceitos. Diante de todos estes problemas, a autoridade da consciência original tende a desaparecer por completo. Por outro lado, derivada do subjetivismo humano não há como se falar absolutamente em moral.

Facebook Comments

Livros recomendados

Esta Poesia e Mais OutraA quedaO Canto do Violino – E Outros Ensaios Inéditos