Gostaria de me informar mais sobre as indulgências na Igreja católica. Qual sua necessidade? Quais seus efeitos? A pessoa que recebe uma indulgência plenária fica com a alma limpinha como se tivesse apenas se batizado? Se a alma fica limpinha, como lidar com as lembranças, imagens que o pecado imprimiu no interior de quem o cometeu? Porque a Igreja não divulga mais a indulgência plenária? No que se difere o perdão dos pecados na confissão, do que na indulgência, não seria a mesma graça? A graça da indulgência é maior? Se não tenho indulgência, o que pago no purgatório? Essas penas o sacramento da confissão não apaga? O perdão de Jesus então não parece parcial no sacramento? Por favor, peço que me esclareçam estas dúvidas. Obrigada.

 

 

Caríssima sra.,

 

Obrigado pela confiança em escrever-nos.

 

É importante diferenciar a indulgência do perdão dos pecados. Um não é substituto do outro, pois se prestam a efeitos distintos e mesmo a objetos distintos.

 

Cumpre salientar, ademais, que a Igreja continua, sim, a divulgar a doutrina das indulgências, tendo Paulo VI escrito uma Constituição Apostólica sobre o assunto. A senhora pode consultá-la no VS mesmo, através do seguinte link: https://www.veritatis.com.br/article/1193

 

De outra sorte, para entender corretamente a distinção entre a indulgência e o perdão dos pecados, bem como a diferença entre os conceitos de culpa e de pena temporal, por favor, consulte nossos estudos sobre o tema:

 

https://www.veritatis.com.br/article/3874

 

https://www.veritatis.com.br/article/2143

 

https://www.veritatis.com.br/article/1583

 

Tenho certeza que esses artigos serão úteis e responderão às suas dúvidas. Não hesite, entretanto, em escrever-nos novamente, caso alguma questão permaneça sem resposta.

 

Em Cristo,

 

Facebook Comments