Protestantismo

O desafio do livro de mórmon

[N. do T.: o “desafio do Livro de Mórmon” também se encontra na página http://www.amai.jc.nom.br/livro_mormon.htm e, por isso, esta refutação se refere à esta página]

O desafio do Livro de Mórmon foi popularizado por Hugh Nibley, e freqüentemente é apresentado a seus alunos nos cursos do Livro de Mórmon. Basicamente, a idéia é convidar os críticos do Livro de Mórmon a tentarem escrever uma epopéia semelhante a do LM, pois, segundo Hugh, a confecção do LM foi tão difícil que só se pode explicar por ter ocorrido com ajuda divina.

Deve-se notar que desde o início há vários problemas com o conceito inteiro. O primeiro é o ponto muito óbvio que este teste de nenhuma forma é único. Por exemplo, o Alcorão contém um teste bem parecido dentro de suas páginas.

Surata 2:23 – E se tendes dúvidas a respeito do que revelamos ao Nosso servo (Mohammad), componde uma surata semelhante à dele (o Alcorão), e apresentai as vossas testemunhas, independentemente de Deus, se estiverdes certos.
Surata 10:38 – Dizem: Ele o forjou! Dize: Componde, pois, uma surata semelhante às deles; e podeis recorrer, para isso, a quem quiserdes, em vez de Deus, se estiverdes certos.

Gostaríamos de saber se os mórmons alguma vez deram para os muçulmanos o Livro de Mórmon como realização deste desafio, e vice-versa.

Um segundo problema é sobre a questão do conceito do ônus da prova. Já que os mórmons afirmaram que o Livro de Mórmon tem uma origem divina, cabe a eles darem evidência satisfatória desta afirmação. O desafio é de fato uma tentativa sutil de trocar a evidência da prova sobre os críticos, e por isso, deveria ser desconsiderado.

Sem dúvida, o maior problema com o desafio do Livro de Mórmon, porém, é o simples fato que o próprio Livro não satisfaz as exigências do desafio! Será evidente que o apologista mórmon fez grandiosas declarações para o Livro, afirmações que estão longe da mais escassa evidência. Este artigo demonstrará que o desafio só é válido se alguém assumir a validade histórica do Livro de Mórmon, o que resulta num argumento circular.

Aqui estão os maiores pontos do desafio (em azul) e meu comentário em preto.

1) Você terá um período de dois meses para escrever um livro de mais de 600 páginas sobre os antigos habitantes do Tibete que lá viveram entre os anos 200 A.C. até 800 d.C., porque o que se sabe hoje sobre estes povos é o equivalente ao que se sabia na época de Smith sobre os antigos habitantes da América;

Aqui se supõe que o Livro de Mórmon é uma história da América antiga. Infelizmente, para o apologista mórmon, esta alegação não tem nenhuma prova. A evidência manuscrita mais antiga para o Livro de Mórmon só vem de alguns anos antes que fosse publicado em 1830. Antes disso, não havia qualquer menção de um tipo de livro deste tipo em qualquer arquivo histórico americano antigo. Além disso, pode ser facilmente mostrado que os os eventos e artefatos descritos no Livro são anacrônicos e problemáticos.

2) Deverá ter 21 anos, recém casado com uma família para sustentar. Você é fazendeiro, tem apenas três anos de instrução e sabe apenas o básico de operações elementares de Matemática e da sua própria língua nativa;

Este desafio foi aceito e é muito repetido pelos apologistas mórmons. A história do mundo está repleta de exemplos de pessoas que eram jovens e sem muita instrução que  produzinram grandes obras de literatura. Por exemplo, Maomé era pouco instruído. O que não parecia lhe impedir de produzir o Alcorão, hoje considerado por eles uma obra de alta qualidade literária.

3) Você não disporá de bibliotecas ou livros sobre o assunto, a única coisa que terá à mão é uma Bíblia

Como exatamente, somos forçados a perguntar, sabemos ao que Smith teve ou não teve acesso? O único meio desta afirmação ser remotamente válida é ter acesso ao diário de um observador imparcial que diariamente acompanhava Smith em sua vida. Mas não temos um diário assim. O que nós sabemos é que os livros que parecem ter tido o maior impacto no Livro de Mórmon, foram a Bíblia King James e a Visão dos Hebreus, de Ethan Smith, que estavam livremente disponíveis na área na qual Smith viveu.

4) Sua história deve ter 531 páginas e mais de 300.000 palavras. 

Isto é irrelevante. O Alcorão é mais longo que o Livro de Mórmon, e foi produzido por um homem sem instrução.

5) Terminado o prazo de dois meses, você não poderá mais fazer correções ou alterações no texto original. As edições posteriores de seu livro só poderão vir com pontuação e algumas correções gramaticais ou tipográficas

Novamente, o autor está exagerando a verdade. As “algumas” correções gramaticais e ortográficas na verdade se contam aos milhares e há algumas mudanças que contradizem o original, parecendo também parece refletir as evoluções doutrinais.

6) Este registro deve conter a história de duas nações distintas e separadas, junto com histórias de nações ou grupos de pessoas contemporâneas diferentes. 

7) Você tem que descrever suas religiões, economias, políticas, e culturas e instituições sociais. Cobrir toda fase de suas sociedades, inclusive os nomes de suas moedas. 

Há numerosas obras de ficção que descreve em muito detalhe a vida social e estruturas políticas de várias culturas imaginárias. O ciclo do O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien (O Hobbit, O Senhor dos Anéis, Silmarillion, etc.) é uma obra volumosa que cobre muitos milhares de anos da história da Terra Média, um lugar que só existiu na vívida imaginação de Tolkien. Tolkien foi até melhor que o Livro de Mórmon, criando sintaticamente línguas corretas para suas várias subculturas imaginárias.

Em contraste, mais de um crítico já notou que o Livro de Mórmon é repetitivo, superficial e imaturo. O grande historiador SUD, B.H. Roberts, disse isto sobre um aspecto sobre a história do Livro de Mórmon:

“Havia outros anti-cristos entre os nefitas, mas eles eram mais líderes militares que  inovadores religiosos… eles eram todos de uma raça; semelhante a esta mentalidade é  seu autor, jovem e pouco desenvolvido, mas propenso à piedade. A evidência que eu lamentavelmente tenho que mostrar, aponta para Joseph Smith como seu criador. É difícil de acreditar que eles são o produto da história, que eles vieram à cena separados por longos períodos de tempo, e entre uma raça que foi a raça ancestral dos peles-vermelhas da América” (Estudo do Livro de Mórmon, página 271).

8. Mudar seu estilo de escrita muitas vezes. Muitos autores antigos contribuíram ao Livro de Mórmon, cada um com seu próprio estilo. 

Isto é muito difícil de sustentar. Um exame superficial do Livro de Mórmon mostrará que sempre que o estilo abruptamente muda, é logo devido a uma citação delongada da King James. Os estudiosos SUD muitas vezes falam de “estudos de impressão de letras”, feitos pela BYU (isto não é uma explicação objetiva), mas não mostram que outros estudos contradizem as conclusões originais.

9. Tecer em sua história a religião de Jesus Cristo e o padrão que o cristão deve viver. 

Completamente irrelevante. Isto não é difícil de se fazer.

10. Você tem que afirmar que sua narrativa  não é uma ficção com valor moral, mas a verdadeira história sagrada. 

A afirmação do autor está completamente fora de questão. Maomé afirmou que o Alcorão foi ditado a ele pelo anjo Gabriel. E devemos acreditar nisto sem provas?

11. Terá que incluir em seu livro 54 capítulos falando de guerras, 21 capítulos históricos, 55 capítulos de visões e profecias. Lembre-se, quando você começa a escrever visões e profecias, você tem que fazer com que este relato concorde totalmente com a Bíblia. Você tem que escrever 71 capítulos sobre doutrina e exortação, tendo que conferir toda declaração com as Escrituras para ver se o que escreve não é fraude. Terá que escrever 21 capítulos sobre o ministério de Cristo e tudo o que afirmar que ele disse e todo testemunho que escrever em seu livro sobre Ele tem que concordar com o Novo Testamento. 

Isto é realmente fácil de fazer, se a pessoa não faz parte de alguma igreja cristã citando muitos versículos da Bíblia. Na realidade, devemos dizer que seria difícil falhar neste ponto, dada circunstâncias que cercam a origem do Livro de Mórmon.

Há outro problema aqui, porém. O Livro de Mórmon, é verdade, concorda em detalhe meticuloso com o protestantismo, mas não concorda com o judaísmo do Velho Testamento.

12. Muitos dos fatos, afirmações, idéias, e declarações dadas como verdade absoluta em sua escritura devem ser completamente incompatíveis com as crenças prevalecentes do mundo. Algumas destas crenças mundanas devem ser o oposto direto de suas afirmações. 

É extremamente difícil de ver a relevância deste ponto. Devemos concluir que L. Ron Hubbard foi um visionário porque suas idéias sobre psicologia contradizem qualquer modelo científico da mente humana? É muito fácil inventar teorias insubstanciadas: difícil é chegar à verdade.

13. Deverá colocar em seu livro rotas corretas de viagem; se ou não essas pessoas antigas usaram fogo; descrição de sua roupa, colheitas, costumes e tipos de governo. Você tem que inventar novos 280 nomes que ficarão em pé, apesar das críticas sobre sua aplicação e origem ao longo dos anos . 

O Livro de Mórmon falha completamente neste ponto. Não conhecemos nenhuma cultura americana antiga que fez uso de cavalos, gado, cabras, elefantes, carruagens, seda, linho, trigo, etc.

Além disso, os nomes do Livro de Mórmon parecem ter uma origem mais mundana do que se sugere.

14. Você terá que usar corretamente figuras de linguagem, símilaridades, metáforas, narrações, exposições, descrições, oratória, poema lírico épico, e parábolas. 

Novamente, isto é irrelevante. Muitas obras de ficção tem estas qualidades, muitas vezes com maior poder literário que o Livro de Mórmon.

15. Você deve convidar os mais capazes estudiosos e peritos para examinar o texto com cuidado, esforçando-se para ver diligentemente que seu livro ficará nas mãos desses ávidos para demonstrar algum erro ou falsificalção em seu livro, para aqueles que são muito competentes para ver cada falha nele.  

Isto tem sido feito várias vezes com o Livro de Mórmon, e toda vez foi provado como  fraude.

16. Toda investigação científica e histórica, além das  descobertas arqueológicas durante os próximos 125 anos devem verificar suas alegações e devem  demonstrar detalhe após detalhe de ser verdadeiro, pois muitos destes detalhes que você colocou em sua história se enterram sob a terra do Tibete.  

Como já notado, o Livro de Mórmon fracassou em todos os testes arqueológicos aplicado a ele. Este autor sabe que nenhum arqueólogo não-mórmon nunca consideraria o Livro de Mórmon como um guia confiável da pré-história da América.

17. Você tem que publicar isto para toda nação, raça, línguas e povos que a confirmarão como sendo a palavra de Deus e outra testemunha para o Senhor Jesus Cristo. 

Mais uma vez, esta afirmação está totalmente fora do contexto. O que importa é se estas alegações podem ser provadas.

18. O livro não deve conter nenhuma declaração absurda, impossível ou contraditória. Sua história não deve conter qualquer declaração que contradirá qualquer outra afirmação do livro. 

Éter 15:31 descreve como o infeliz Shiz, depois de ter sua cabeça cortada por um golpe de espada, lutou para respirar e mais tarde morreu. Na versão de 1830 do LM, em Mosíah 21:28, diz que o rei Benjamim pode interpretar gravuras. Infelizmente, ele estava morto nesta época. II Néfi 19:1 diz que o Mar Vermelho fica além do Jordão, na Galiléia. De fato, ele fica a mais de 402km para o sul da Galiléia, no Egito.

19. Devem surgir muitas teorias e idéias sobre sua origem e depois de descobrir e examinar os fatos, elas tem que falhar. Você afirmou que tudo o que escreveu foi de origem divina e esta afirmação tem que continuar em pé como a única explicação. A força desta explicação não deve diminuir com o tempo, mas todos tem que entender que esta é a única explicação lógica. 

Como já vimos, as únicas pessoas que ainda acreditam que o Livro de Mórmon teve uma origem divina são os crentes mórmons. O resto do mundo, depois de “examinar os fatos”, chegou a uma explicação mais prosaica e simples de sua origem.

20. Chame um anjo do céu no meio do dia e lhe faça aparecer a quatro homens honrados, dignos de sua comunidade, dizendo que o livro é a palavra de Deus. Estas testemunhas tem que manter o testemunho do anjo para o mundo, não para fins lucrativos, mas sob grande sacrifício e perseguição até mesmo com perigo às suas vidas. Você deve pôr este testemunho à prova tornando-se um inimigo destes homens. 

Primeiramente, o que nós temos aqui é informação de segunda-mão. Não temos nenhum meio de saber se estes homens viram o anjo realmente, se eles simplesmente foram enganados, ou se eles foram desonestos.

Segundo, o Livro de Mórmon não é o único livro contendo este testemunho. Um ex-seguidor de Smith, James Strang, fundou sua própria seita mórmon depois da morte de Joseph, e produziu sua própria ‘tradução’ das placas de Labão, conhecida como O Livro da Lei do Senhor. Este livro tem um testemunho de sete testemunhas, dizendo que elas viram e pegaram nas placas de onde o livro foi traduzido. Seguindo a lógica da igreja SUD sobre  o poder deste testemunho, eles deveriam ter canonizado O Livro da Lei do Senhor a muito tempo atrás.

22. Milhares de grandes homens, gigantes intelectuais, personalidades nacionais e internacionais e estudiosos por 125 anos têm que aceitar sua história e seus ensinos ao ponto de colocar suas vidas em vez de negar seu testemunho. 

Novamente, isto é verdade de algumas seitas também. Os seguidores de Baha’u’llah, conhecidos como Baha’is, foram perseguidos pelos muçulmanos na Pérsia na virada do século. A seita ainda existe hoje, com vários milhões de membros, apesar do fato que perseguição ainda continua nos países muçulmanos como o Irã.

23. Seu Livro deve ter uma promessa desafiando a todos que o lerem a perguntar a Deus sobre a sua veracidade. Milhões de pessoas , ao redor do mundo que assim o fizerem, “com coração sincero e com real intenção” terão sua oração respondida;

É difícil colocar uma promessa assim num livro?

24. Os missionários têm que manter o testemunho que tudo o que diz o livro é verdade pelos próximos 125 anos. Eles descobriram isto porque o testaram e descobriram que falava a verdade. A verdade lhes veio pelo poder do Espírito Santo.

25. Devem ser vendidos mais de 50.000 exemplares logo de início e seus missionários devem dedicar 2 anos de suas vidas para alegremente levá-lo a todas as partes do mundo. Eles não só pagam seu próprio sustento durante este tempo como também depois de retornarem comentam que estes foram seus melhores anos. Eles não recebem nada em troca de seus esforços, mas só a alegria de ter compartilhado seu livro com outros. 

26. Seu livro não só tem que elevar o padrão de milhões das pessoas mas também as transformar moral, ética e dinamicamente. Elas tem que ficar mundialmente conhecidas por isto. 

Mais uma vez, o esforço missionário da igreja SUD de forma alguma é único. Há crentes de várias denominações compelidos a partilhar sua fé, muitas vezes ao custo pessoal. Lembrem-se só das pobres Testemunhas de Jeová, que gastam sapatos e mais sapatos indo de porta em porta, muitas vezes saudadas só com uma porta fechada ou desprezo.

Com relação ao Livro de Mórmon elevar o padrão de moral das pessoas, isto também não é único. O objetivo das grandes religiões é exatamente elevar o padrão moral das pessoas.

28. Durante os próximos 20 anos você tem que ver seus seguidores, sua família e seus entes queridos perseguidos, expulsos de suas casas, torturados, sofrer fome e serem mortos. Dezenas de milhares tem que passar pelos maiores sofrimentos só porque acreditam no que você disse sobre à origem e conteúdo escrito sobre o antigo Tibete.

Esta é uma repetição de ponto 22.

29. Você não deverá lucrar com sua obra, mas perder muita coisa por causa dela. Como seus seguidores, terá de sofrer perseguição. E finalmente, depois de 20 anos, dê sua própria vida de uma forma selvagem e brutal, para selar seu testemunho de que seu livro é verdadeiro. Isto deve ser feito de boa vontade de sua parte. 

Há outras recompensas além do dinheiro. Joseph Smith pode ter sofrido financeiramente, mas ele possuiu o que outras pessoas querem – poder, respeito cego e admiração de seus seguidores. Muitos se alegrariam em passar por um sofrimento pessoal só para ter tal posição.

30. Comece agora mesmo e produza este registro cobrindo 2600 anos de história, não na calma vida de sua comunidade, mas sob as circunstâncias mais difíceis como expulsão de casa e ameaças constantes à sua vida. Por favor, depois de completar seu livro, convença um amigo a hipotecar sua fazenda para pagar os custos de impressão – tudo em 60 dias. 

A alegação que o Livro de Mórmon foi completado em sessenta dias não é a história inteira. O ditado na verdade durou de 7 de abril de 1829 até julho – uns oitenta dias, mais ou menos. Porém, só isto não quer dizer que Smith levou esses oitenta dias para pensar na narrativa. Ele de fato começou a tarefa de escrever o livro mais de um ano antes, primeiro com Emma Smith, depois com Martin Harris como copista. O resultado foi 116 páginas do Livro de Mórmon, que depois se perderam quando Martin Harris levou as páginas para sua casa para mostrar a seus familiares incrédulos. O ponto é isso não havia nada para interromper Smith de pelo menos pensar na história do Livro de Mórmon nesse meio tempo. Ele pode até mesmo ter feito algumas notas.

Conclusão 

Como vimos, vários destes pontos são completamente irrelevantes para provar a historicidade do Livro de Mórmon, outros são facilmente vistos em outras obras de ficção, e ainda outros pontos não se aplicam ao Livro de Mórmon, como provas arqueológicas. Não vemos nenhuma razão para suspeitar que o Livro de Mórmon teve uma origem sobrenatural: ao invés disso, vemos que as evidências só mostram que teve origem humana – que o Livro originou-se somente na mente de Joseph Smith.





About the author

Veritatis Splendor