Senti-me honrado ao receber o convite do Prof. Alessandro Lima, renomado apologista católico brasileiro, ex-protestante, e colega dos tempos de Veritatis Splendor, para prefaciar sua nova edição desta magnífica obra.

Com efeito, a honra é dupla. Não só pela competência e erudição doutrinária do autor, como pela excelência do modo como trata a matéria.

Na última centúria, pululam aqui e acolá movimentos, grupos, comunidades, apostolados, que não tangenciam a vivência da chamada glossolalia, pretendendo que seja continuidade da manifestação de Pentecostes, seguida pelos primeiros cristãos. A tendência penetrou na Igreja Católica, com apoio de Bispos e Papas, o que nos dá garantia de que algo o Espírito Santo quer e há elementos positivos nessa onda carismática, que, aliás, vem se aprofundando cada vez mais teologicamente, bebendo nos escritos da Beata Elena Guerra e do Santo Padre Leão XIII.

O tema é árduo, pouco explorado. E por isso, a virtude da prudência deve sempre guiar quem se propõe a investigar por essa senda.

Ao longo das páginas de “O dom de línguas”, Alessandro vai descrevendo, com minúcias que nos deixam realmente admirados, como os primeiros Pais da Igreja e os grandes autores eclesiásticos, entendiam esse carisma, confrontando com a prática atual dos grupos carismáticos e pentecostais. Se há algo no livro que se pode dizer pessoal do autor é a competência como demonstra o que a Igreja crê. De resto, a exposição é pura e simplesmente o que ensinaram os gigantes da fé e as autoridades da Igreja Católica, fora da qual não há salvação.

Antes de analisar o dom de línguas em si, cumpre entender quem é o Espírito Santo, o que é a graça, os diversos significados do mesmo vocábulo, e entender o que são os carismas, diferenciando-os dos dons mais corriqueiros, ainda que provenientes do mesmo e soberano Deus. O autor não se furta a tal tarefa e avança, com coragem, firmeza e caridade, na análise mais coerente possível do entendimento atual de muitos líderes do movimento pentecostal, dentro e fora dos muros da Igreja, comparando com a doutrina segura de um Santo Agostinho, de um São João Crisóstomo, de um Santo Tomás de Aquino.

Nem mesmo o confronto entre as diversas traduções bíblicas do Novo Testamento que temos hoje em português – umas vindas da Vulgata, mais fiéis aos originais, outras do Texto Recebido ou do Texto Crítico, que, embora no grego, língua dos originais, são mais tardios – se lhes escapa e, erudito na pesquisa da Sagrada Escritura que é, aborda o tópico com clareza.

Enfim, à moda dos escolásticos, traz as objeções mais corriqueiras e as responde, dando não seu parecer pessoal, mas a palavra da Igreja, mestra da verdade. É a ela que todos os que se pretendem cristãos, estando ou não no grêmio visível da sociedade instituída pelo próprio Senhor Jesus Cristo para o governo das almas, devem se submeter.

A Renovação será mais autenticamente Carismática quanto mais e com maior convicção for Católica!

Possa este livro, pequeno, mas cirurgicamente certeiro, auxiliar nesse processo, pelo que o Prof. Alessandro receberá seu mérito em colaborar com o Altíssimo.

Santa Vitória do Palmar, RS, 13 de agosto de 2012

Memória de Santos Ponciano e Hipólito, mártires

Dr. Rafael Vitola Brodbeck

Delegado de Polícia.

VERSÃO IMPRESSA

>Site Clube de Autores

VERSÃO ELETRÔNICA

>Loja Amazon

Facebook Comments

Livros recomendados

Os Males da AusênciaA monarquia constitucional e a contribuição de José Bonifácio de Andrada e SilvaCanções e Elegias