Certamente que sim, pois cada gênero literário possui regras próprias de vocabulário e redação. Por exemplo: o gênero jurídico, é claro e conciso, para que seja bem compreendido por todos; o gênero poético é metafórico e reticente, com forte apelo subjetivo… Logo, não é possível interpretar um texto jurídico, que requer literalidade, fazendo uso das regras próprias do gênero poético, mais liberal e figurado, sob pena de trair o autor sagrado, obtendo-se, portanto, uma interpretação completamente equivocada.

Facebook Comments

Livros recomendados

Onde está o meu Deus?O trabalho intelectual e a vontade – continuação de “A educação da vontade”Antônio Torres – Uma Antologia