A natureza humana estava tão submersa no pecado que se não fosse pela graça de Deus, permaneceria amando o pecado ao invés de lamentá-lo. E ainda que pudesse reconhecer sua miséria, seria impossível ao pecador purgar a si mesmo uma ofensa infinita que exigia uma satisfação proporcional. Somente Cristo, por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, foi capaz de redimir a humanidade decaída, já que nunca conheceu o pecado.

Facebook Comments

Livros recomendados

OrdemPoesia Reunida: 1985-1999O trabalho intelectual e a vontade – continuação de “A educação da vontade”