A dignidade da pessoa humana implica retidão da consciência moral (ou seja, estar de acordo com o que é justo e bom, segundo a razão e a Lei divina). Por causa da sua dignidade pessoal, o homem não deve ser obrigado a agir contra a consciência e, dentro dos limites do bem comum, nem sequer deve ser impedido de agir em conformidade com ela, sobretudo em matéria religiosa.

Facebook Comments

Livros recomendados

Progresso na Vida Espiritual (Edições Livre)A monarquia constitucional e a contribuição de José Bonifácio de Andrada e SilvaTibieza e os dons do Espírito Santo