Espaço do Leitor Respostas a Leitores (por Carlos Martins Nabeto)

O que são “revelação pública” e “revelação particular”?

Bom dia! Estava lendo o artigo Terceiro Segredo de Fatima. Vocês poderiam me explicar o significado do termo Revelação? Por que termina com a morte do apóstolo João? (Alexandre)

“Revelação”, no sentido religioso, é o ato de receber uma mensagem divina, sobrenaturalmente comunicada por Deus ou seu Filho Jesus, ou mediante mensageiros especiais e autorizados como os anjos e santos.

Ao lermos a Bíblia, verificamos que ela apresenta inúmeras passagens em que personagens bíblicos recebem revelações, tanto no Antigo (ex.: Moisés no monte Sinai, profetas em geral) como no Novo Testamento (Ex.: Virgem Maria na Anunciação do Anjo, São Paulo no caminho de Damasco, São João na ilha de Patmos).

No entanto, classificamos as revelações em dois tipos:

– Públicas: as que tem origem exclusivamente bíblica, recebidas por personagens bíblicos. São de fé universal, que todos os cristãos devem crer inquestionavelmente, tornando-se artigo de fé obrigatório.

– Particulares: as que não têm origem na Bíblia, recebidas por personagens não-bíblicos (ex.: Lourdes, Fátima…). Não são de fé universal, de modo que cada um está livre para acreditar (ou não) na mensagem revelada e segui-la (ou não).

A Igreja Católica é muito prudente e cautelosa antes de se pronunciar acerca de uma revelação particular. E mesmo quando a “aprova”, não significa que ela esteja obrigando o católico a aderir a tal revelação; simplesmente quer dizer que, ao estudar o fenômeno, não encontrou nada que desabonasse a “mensagem revelada particularmente”, de maneira que o católico pode seguir devotamente as “recomendações reveladas” sem pôr em risco a sua fé.

Para se pronunciar a esse respeito, a Igreja, Mãe e Mestra, estuda quatro aspectos do fenômeno:

1. Aspecto de Fé – O conteúdo da mensagem é condizente com as verdades da fé (isto é: concordam com o que nos ensina a Bíblia, a Tradição e o Magistério eclesiástico)?

2. Aspecto de Sanidade – O vidente (=aquele que recebe a mensagem) goza de boa saúde mental?

3. Aspecto Moral – Há honestidade, humildade e amor no vidente e naqueles que propagam a mensagem?

4. Aspecto da “Boa Árvore” – Estão ocorrendo benefícios em razão da mensagem (conversão, aumento de fé, curas etc.)?

Assim, quando você lê que a “Revelação termina com a morte do apóstolo João”, isto quer dizer que a Revelação Pública – que deve ser aceita e seguida firmemente por todos, sem exceção – foi concluída *definitivamente* quando o apóstolo e evangelista João escreveu o seu Apocalipse na ilha de Patmos, vez que este foi o último apóstolo a falecer, bem como seu livro do Apocalipse foi o último livro bíblico a ser escrito (cronologicamente falando). Se ao invés do Apocalipse de João o último livro escrito fosse os Atos dos Apóstolos, de S. Lucas, e este falecido após S. João, então a Revelação Pública teria se encerrado com a morte de S. Lucas, já que seria, nesta hipótese, o último “autor inspirado”, entendeu? 😉

Em suma: toda revelação particular não deve contrariar ou desviar-se da revelação pública, caso contrário será *certamente* uma falsa revelação. Na verdade, notamos que a revelação particular costuma a chamar a atenção do fiel para algum aspecto da fé revelada (ex.: conversão, penitência) então esquecido pela sociedade.

Se todo mundo cresse e praticasse o que recebeu por revelação pública, a revelação particular seria completamente desnecessária. É o que bem nos ensina o Concílio Vaticano II: “A dispensação cristã da graça, como aliança nova e definitiva, jamais passará, e já não há que se esperar alguma nova revelação pública antes da gloriosa manifestação de Nosso Senhor Jesus Cristo” (Dei Verbum nº 4).


Livros recomendados

Do Céu para VocêO livro negro do ComunismoAnatomia do Ódio






About the author

Católico Porque...