Significa que Deus concedeu ao homem: alma, entendimento, vontade e liberdade. E por essas prerrogativas – que outras criaturas não possuem, exceto os Anjos – Deus, que é Espírito, gravou no homem, como dons, as perfeições mais brilhantes da Sua natureza divina: entendimento, vontade e liberdade.

Facebook Comments

Livros recomendados

A monarquia constitucional e a contribuição de José Bonifácio de Andrada e SilvaO trabalho intelectual e a vontade – continuação de “A educação da vontade”A Educação Superior e o Resgate Intelectual – O Relatório de Yale de 1828