• Autor: Jesús Urones
  • Fonte: Blog Convertidos Católicos-Religion en Libertad
  • Tradução: Apostolado Veritatis Splendor

INTRODUÇÃO

Uma das acusações mais frequentes feitas por não-católicos é que a Igreja Católica se corrompeu, já que na História se demonstra que seus Sumos Pontífices pecaram e cometeram grandes escândalos. Dão a entender que, ao terem cometidos tantas atrocidades e tantos pecados, a Igreja Católica não pode possuir a Verdade e que os católicos encontram-se corrompidos pelo pecado.

É certo que não negarei que na História da Igreja tenham havido maus Papas, em grande medida pecadores. Não discutirei isto porque todo conhecedor de História e da Bíblia reconhece que todos nós somos pecadores (cf. Romanos 5,19); o que farei é explicar detalhadamente a questão e demonstrar como a acusação protestante de que “se o Papa é pecador, então a Igreja não pode ser infalível” é totalmente absurda e antibilica.

Ademais, também é necessário conhecer toda a História e não apenas uma parte dela, ou seja, é muito simples fazer uma lista de Bispos de Roma que tenham cometido pecados e, através dela, acusar toda a Igreja Católica de pecadora, como se fosse uma falsa Igreja, sem considerar os grandes Papas que durante 2000 anos esta Santa e Imaculada Igreja nos deu. É por isso que creio merecer um Apêndice especial para falar de alguns deles, que são exemplo magnífico de como viver o verdadeiro Cristianismo.

PECADORES E INFALÍVEIS NO ANTIGO TESTAMENTO

É fato que no Antigo Testamento Deus falou com os grandes Patriarcas e com eles Deus estabeleceu suas alianças. Eles não eram precisamente impecáveis; pelo contrário, todos eles cometeram e, inclusive depois [de estabelecerem aliança] cometeram muitos pecados, atos maus aos olhos de Deus; mesmo assim, Deus lhes deu o Patriarcado ou o Primado de seu Povo, para que o guiasse sempre e em todas as suas decisões, escritos e ensinamentos foram infalíveis.

Vejamos alguns exemplos destes casos:

a) ABRAÃO

  • “E aconteceu que, chegando ele para entrar no Egito, disse a Sarai, sua mulher: ‘Ora, bem sei que és mulher formosa à vista; e será que, quando os egípcios te virem, dirão: ‘Esta é sua mulher’. E matar-me-ão a mim, e a ti te guardarão em vida. Dize, peço-te, que és minha irmã, para que me vá bem por tua causa, e que viva a minha alma por amor de ti’. E aconteceu que, entrando Abrão no Egito, viram os egípcios a mulher, que era mui formosa. E viram-na os príncipes de Faraó, e gabaram-na diante de Faraó; e foi a mulher tomada para a casa de Faraó. E fez bem a Abrão por amor dela; e ele teve ovelhas, vacas, jumentos, servos e servas, jumentas e camelos. Feriu, porém, o Senhor a Faraó e a sua casa, com grandes pragas, por causa de Sarai, mulher de Abrão. Então chamou Faraó a Abrão, e disse: ‘Que é isto que me fizeste? Por que não me disseste que ela era tua mulher? Por que disseste: É minha irmã? Por isso a tomei por minha mulher; agora, pois, eis aqui tua mulher; toma-a e vai-te’. E Faraó deu ordens aos seus homens a respeito dele; e acompanharam-no, a ele, e a sua mulher, e a tudo o que tinha” (Gênesis 12,11-20).

Abraão mentiu… Terá perdido a sua autoridade por mentir? Como é possível que uma pessoa como Abraão tenha caído no pecado da mentira? Segundo isto, Abraão não seria líder confiável do Povo de Deus porque era mentiroso, nem tampouco seria infalível segundo os protestantes? Pois bem: este conceito não é compartilhado por Deus:

  • “Então caiu Abrão sobre o seu rosto, e falou Deus com ele, dizendo: ‘Quanto a mim, eis a minha aliança contigo: serás o pai de muitas nações; e não se chamará mais o teu nome Abrão, mas Abraão será o teu nome; porque por pai de muitas nações te tenho posto; e te farei frutificar grandissimamente, e de ti farei nações, e reis sairão de ti; e estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti. E te darei a ti e à tua descendência depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão e ser-lhes-ei o seu Deus” (Gênesis 17,3-8).

Deus estabeleceu aliança com um pecador… Deus conferiu autoridade a um mentiroso para dirigir todo o seu Povo.

b) JACÓ

  • “E não o conheceu, porquanto as suas mãos estavam cabeludas, como as mãos de Esaú seu irmão; e abençoou-o. E disse: ‘És tu meu filho Esaú mesmo?’ E ele disse: ‘Eu sou’. Então disse: ‘Faze chegar isso perto de mim, para que coma da caça de meu filho; para que a minha alma te abençoe’. E chegou-lhe, e comeu; trouxe-lhe também vinho, e bebeu. E disse-lhe Isaque seu pai: ‘Ora chega-te, e beija-me, filho meu'” (Gênesis 27,23-26).

Jacó mente para Isaac e, apesar disso, o povo de Jacó sobreviveu e Deus jamais rompeu sua aliança, nem lhe retirou sua autoridade. Por que o faria séculos depois com a sua Igreja?

c) MOISÉS

  • “Então Moisés e Arão se foram de diante do povo à porta da tenda da congregação, e se lançaram sobre os seus rostos; e a glória do Senhor lhes apareceu. E o Senhor falou a Moisés dizendo: ‘Toma a vara, e ajunta a congregação, tu e Arão, teu irmão, e falai à rocha, perante os seus olhos, e dará a sua água; assim lhes tirarás água da rocha, e darás a beber à congregação e aos seus animais’. Então Moisés tomou a vara de diante do Senhor, como lhe tinha ordenado. E Moisés e Arão reuniram a congregação diante da rocha, e Moisés disse-lhes: ‘Ouvi agora, rebeldes, porventura tiraremos água desta rocha para vós?’ Então Moisés levantou a sua mão, e feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saiu muita água; e bebeu a congregação e os seus animais. E o Senhor disse a Moisés e a Arão: ‘Porquanto não crestes em mim, para me santificardes diante dos filhos de Israel, por isso não introduzireis esta congregação na terra que lhes tenho dado’. Estas são as águas de Meribá, porque os filhos de Israel contenderam com o Senhor; e se santificou neles” (Números 20,6-13).

O próprio Moiséis não confia em Deus, desconfia Dele, o que é pecado. Mesmo assim, Deus não lhe retira a autoridade, somente lhe diz que não entrará na Terra Prometida. E Deus sempre seguiu falando com ele.

Recordemos que este pecado de Moisés, de não confiar em Deus, foi após a aliança que o mesmo Deus tinha estabelecido com ele. Mais ainda: o Povo de Deus sobreviveu e Deus cumpriu a sua promessa com o Povo, ainda que Moisés não tenha entrado na Terra Prometida. Vemos então que o pecado não condena o povo inteiro, nem retira a infalibilidade de Moisés.

E ainda mais: temos clara a postura de Deus perante aqueles que criticam o Patriarca por Ele eleito, aqueles que criticam o chefe do seu Povo, o seu pastor:

  • “E falaram Mirian e Arão contra Moisés, por causa da mulher cusita, com quem casara; porquanto tinha casado com uma mulher cusita. E disseram: ‘Porventura falou o Senhor somente por Moisés? Não falou também por nós?’ E o Senhor o ouviu. (…) E [Deus] disse: ‘Ouvi agora as minhas palavras; se entre vós houver profeta, eu, o Senhor, em visão a ele me farei conhecer, ou em sonhos falarei com ele. Não é assim com o meu servo Moisés que é fiel em toda a minha casa. Boca a boca falo com ele, claramente e não por enigmas; pois ele vê a semelhança do Senhor; por que, pois, não tivestes temor de falar contra o meu servo, contra Moisés?’ Assim a ira do Senhor contra eles se acendeu; e retirou-se. E a nuvem se retirou de sobre a tenda; e eis que Mirian ficou leprosa como a neve; e olhou Arão para Mirian, e eis que estava leprosa” (Números 12,1-2.6-10).

O que vemos aqui?

  • Moisés fez mal por casar-se com alguém fora do Povo de Deus.
  • O profeta e a irmã de Moisés o criticam, mas a crítica mais séria contraria Moisés como porta-voz de Deus: “Porventura falou o Senhor somente por Moisés? Não falou também por nós?” Isto questionava o papel de Moisés como mediador e porta-voz; questionava sua autoridade. E fazer isto era questionar o próprio Deus (é claro que Deus fala a todos, mas não com a mesma autoridade).
  • O castigo que Deus infligiu foi a lepra.

Alguns hereges deveriam reler esta passagem e perguntar a si mesmos:

– Por que vós vos atrevestes a criticar o meu servo, o Papa?

É um claro exemplo de como Moisés pecou. Na Bíblia ocorrem muitos outros exemplos e por acaso deixou de ser infalível? Não!

d) AARÃO

Aarão foi feito sumo sacerdote (Êxodo 28,1-3), porém logo levou o povo a um grave pecado ao fazer um ídolo, um carneiro de ouro, e o adorou (Êxodo 32,21-35). Apesar disso, voltou a ser sumo sacerdote (Êxodo 40,13) e a comunidade sobreviveu.

Por acaso Aarão perdeu sua autoridade perante o povo por tê-lo incitado a pecar construindo um ídolo de ouro e adorando-o? Deus tirou-lhe a autoridade… mas apostatou o Povo de Deus pelo erro de Aarão?

e) DAVI

Davi cometeu um assassinato e um adultério (cf. 2Samuel 11,1-27), mas a comunidade sobreviveu:

  • “E sucedeu que pela manhã Davi escreveu uma carta a Joabe; e mandou-lha por mão de Urias. Escreveu na carta, dizendo: ‘Ponde a Urias na frente da maior força da peleja; e retirai-vos de detrás dele, para que seja ferido e morra’. Aconteceu, pois, que, tendo Joabe observado bem a cidade, pôs a Urias no lugar onde sabia que havia homens valentes. E, saindo os homens da cidade, e pelejando com Joabe, caíram alguns do povo, dos servos de Davi; e morreu também Urias, o heteu. Então enviou Joabe, e fez saber a Davi todo o sucesso daquela peleja. E deu ordem ao mensageiro, dizendo: ‘Acabando tu de contar ao rei todo o sucesso desta peleja, e sucedendo que o rei se encolerize, e te diga: ‘Por que vos chegastes tão perto da cidade a pelejar? Não sabíeis vós que haviam de atirar do muro? Quem feriu a Abimeleque, filho de Jerubesete? Não lançou uma mulher sobre ele do muro um pedaço de uma mó corredora, de que morreu em Tebes? Por que vos chegastes ao muro?’ Então dirás: ‘Também morreu teu servo Urias, o heteu’. E foi o mensageiro, e entrou, e fez saber a Davi tudo o que Joabe o enviara a dizer. E disse o mensageiro a Davi: ‘Na verdade que mais poderosos foram aqueles homens do que nós, e saíram a nós ao campo; porém nós fomos contra eles, até à entrada da porta. Então os flecheiros atiraram contra os teus servos desde o alto do muro, e morreram alguns dos servos do rei; e também morreu o teu servo Urias, o heteu’. E disse Davi ao mensageiro: ‘Assim dirás a Joabe: Não te pareça isto mal aos teus olhos; pois a espada tanto consome este como aquele; esforça a tua peleja contra a cidade, e a derrota; esforça-o tu assim’. Ouvindo, pois, a mulher de Urias que seu marido era morto, lamentou a seu senhor. E, passado o luto, enviou Davi, e a recolheu em sua casa, e lhe foi por mulher, e deu-lhe à luz um filho. Porém esta coisa que Davi fez pareceu mal aos olhos do Senhor” (2Samuel 11,14-27).

Por acaso, por culpa de Davi, o povo de Deus perdeu a sua fé e apostatou da verdade? O próprio Davi perdeu a sua autoridade e poder por desagradar a Deus ou permaneceu sendo líder?

Davi, para atender aos seus caprichos, assassinou 200 filisteus e lhes cortou os prepúcios, para apresentá-los a Saul (cf. 1Samuel 18,25.27): isto é sadismo. Posteriormente, planejou o assassinato de Urias para se casar com [a mulher dele] Betsabé; o faz por premeditação, traição e vantagem. Pecou também quando realizou o censo de 2Samuel 24,1.3.

Em suas orações, registradas no Salmo 137,9, dizia isto a Deus sobre os seus inimigos:

  • “Feliz aquele que pegar em teus filhos e der com eles nas pedras” (Salmo 137,9).

Este Salmo é infalível e o seu autor um assassino!

Vejamos agora o que diz o profeta Natã a Davi:

  • “Por que, pois, desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o mal diante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste por tua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom” (2Samuel 12,9).

Davi pecou por adultério e homicídio, dois pecados graves que violavam a Lei de Deus.

No entanto, depois de tão graves pecados, escreveu o Salmo 51, que também faz parte das Escrituras e, portanto, é infalível.

Se um homem pecador não pode ser infalível, por que então o Salmo 51, escrito por um adúltero homicida é infalível?

É bem verdade que Davi se arrependeu do seu pecado e hoje é venerado com santo e profeta.

Porém, o ponto é: ainda que um homem seja pecador, se Deus quer, pode ser infalível, já que este é um dom de Deus, não da natureza humana.

Davi foi rejeitado por Deus como Saul? Não, porque Deus tinha feito um pacto com Davi e foi fiel (cf. 2Samuel 12,10.12). Assim, vemos como Deus fez um pacto com Davi, apesar deste ser um pecador, e mesmo sabendo disso, Deus realiza o pacto, para que fosse infalível em suas palavras e magistério.

O matrimônio de Davi e Betsabé foi edificado sobre um crime, no entanto Deus permitiu que o seu próprio Filho Jesus nascesse dessa descedência (cf. Lucas 1,27). Vemos então que o próprio Deus, mesmo sabendo que o homem é pecador, estabeleceu pactos com ele e a sua descendência.

E o que se pode dizer dos reis descendentes de Davi? Com exceção de dois ou três, todos foram piores que Átila, mas eram membros do Povo de Deus e sentados no trono outorgado por Deus, que não rompeu o Seu pacto.

f) SALOMÃO

Salomão praticou a idolatria e teve 700 esposas e 300 concubinas, além de uma grande fortuna (cf. 1Reis 11,1-43). Entretanto, cf. Deuteronômio 1,17, os reis não deviam ter grande número de esposas, nem acumular grandes riquezas. Apesar disso, a comunidade de Salomão sobreviveu porque assim Deus quis.

Vemos então como no Antigo Testamento todos os grandes patriarcas e figuras do Povo de Deus cometeram atrocidades – assassinatos, mentiras etc. -, duvidaram de Deus. Todos pecaram, mas Deus sempre lhes foi fiel e os manteve como líderes do seu Povo, tornando-os infalíveis.

 

Facebook Comments

Livros recomendados

Bernardo de Claraval – Testemunha do seu tempo perante DeusTeoria do Protecionismo e da Permuta InternacionalÉdipo Mimético